Mick Fanning vence na África e Gabriel Medina segue líder do WCT 2014

Com a derrota nas quartas de final, Medina poderia perder a liderança do ranking se Joel Parkinson vencesse o J-Bay Open

5y4y242

Valeu a pena ficar cinco dias esperando para fechar o J-Bay Open em condições clássicas no sábado em Jeffreys Bay, na África do Sul. Em ondas perfeitas de 6-10 pés em Supertubes, o australiano Mick Fanning surfou ótimos tubos para vencer as quatro baterias que disputou, incluindo a decisão do título contra o também australiano Joel Parkinson. O atual campeão mundial conquistou a sua segunda vitória no ano, se igualando ao taitiano Michel Bourez e o brasileiro Gabriel Medina, que segue liderando a corrida pelo título do Samsung Galaxy ASP World Championship Tour 2014. Medina parou nas quartas de final no sábado, ficando empatado em quinto lugar com Adriano de Souza, Alejo Muniz e o australiano Taj Burrow.

Mineirinho venceu o primeiro duelo do dia, quando o mar ainda estava irregular e difícil de encontrar boas ondas. Ele derrotou Josh Kerr por 10,33 a 9,04 e repetiu esse mesmo placar na abertura das quartas de final contra o também australiano Joel Parkinson, que pegou os melhores tubos que entraram na bateria para garantir a primeira vaga nas semifinais por 14,50 pontos. Gabriel Medina também começou o sábado pela repescagem e ganhando por pouco do campeão mundial de 2001, C. J. Hobgood, 11,17 a 11,10 pontos. Depois, fez um dos duelos mais eletrizantes do último dia contra o australiano Owen Wright, que levou a melhor por 17,40 a 16,07 pontos.

Com a derrota nas quartas de final, Medina poderia perder a liderança do ranking se Joel Parkinson vencesse o J-Bay Open, mas Mick Fanning tratou de manter o fenômeno na ponta para festejar sua segunda vitória na temporada. Assim como os dois brasileiros, o australiano também disputou a repescagem porque havia perdido a primeira chance de classificação para as quartas de final na segunda-feira para o catarinense Alejo Muniz. Fanning estava sintonizado com as séries em Supertubes desde a sua primeira apresentação, passando fácil pelo havaiano Fredrick Patacchia, depois pelo próprio Alejo Muniz nas quartas e pelo seu compatriota Owen Wright nas semifinais.

Na decisão do título do J-Bay Open, Mick Fanning construiu a sua segunda vitória no Samsung Galaxy ASP World Championship Tour 2014 com os 17,00 pontos que computou nas duas melhores ondas que surfou na primeira metade da bateria. Ele e o seu amigo de infância, Joel Parkinson, tinham duas vitórias em Jeffreys Bay e foi Mick Fanning quem comemorou a terceira. A primeira de Parkinson foi em 1999 competindo como convidado porque ainda não era da elite do WCT e só repetiu o feito dez anos depois. Já Fanning foi o melhor nas longas direitas de Supertubes em 2002 e 2006. Com a terceira vitória, ele subiu de oitavo para terceiro lugar no ranking que continua liderado por Gabriel Medina com Parkinson em segundo.

“Nunca nem em sonho imaginei fazer uma final aqui em Jeffreys Bay com o Joel (Parkinson) e estou muito feliz por isso”, disse Mick Fanning. “Eu estou bastante cansado, mas muito satisfeito porque foi um dia que o sonho se tornou realidade. O Joel (Parkinson) é um dos meus surfistas favoritos e meu melhor amigo, pois nos conhecemos desde quando éramos crianças. Estou muito feliz, foi um dia incrível de ondas e só tenho que agradecer à ASP e a todos os envolvidos por trazer o WCT de volta aqui para Jeffreys Bay”.

Joel Parkinson teve a chance de tirar a liderança do ranking de Gabriel Medina na última bateria do J-Bay Open, mas ficou feliz por ter surfado ótimos tubos para derrotar Adriano de Souza nas quartas de final e principalmente o australiano Matt Wilkinson na semifinal. Ele agora retorna ao segundo lugar no ranking com o vice-campeonato na África do Sul, repetindo o seu melhor resultado no ano que havia sido na etapa que abriu a temporada na Gold Coast, Austrália, quando perdeu a decisão do título para o brasileiro Gabriel Medina.

“Foi uma bateria incrível, mas o Mick Fanning é um grande surfista e mereceu a vitória”, concordou Joel Parkinson. “Eu cometi alguns erros na escolha das ondas que me deixaram um pouco fora do ritmo das séries. Teria sido muito bom conseguir uma vitória, mas o segundo lugar também foi um bom resultado e o mais importante foi surfar tubos incríveis neste dia maravilhoso de ondas aqui em Supertubes hoje (sábado)”.

Foi Joel Parkinson quem surfou a melhor onda do último dia, arrancando uma nota 10 para derrotar Matt Wilkinson na semifinal encerrada em 18,83 a 15,54 pontos. Com o terceiro lugar no J-Bay Open, Wilkinson saltou da 33.a para a 21.a posição no ranking, dividindo com o também australiano Adam Melling a última colocação no grupo dos 22 primeiros que são mantidos na elite dos top-34 para o ano que vem. Quem estava ocupando essa vaga era Alejo Muniz, que acabou caindo para o 23.o lugar com a derrota para Mick Fanning nas quartas de final.

PRÓXIMAS ETAPAS – Agora restam cinco etapas para definir o campeão mundial e os sete primeiros colocados no ranking vão brigar pela liderança na corrida do título no sétimo desafio do Samsung Galaxy ASP World Championship Tour 2014, o Billabong Pro Tahiti nos temidos tubos de Teahupoo, nos dias 15 a 26 de agosto. Joel Parkinson em segundo lugar e Mick Fanning em terceiro só superam a pontuação atual de Gabriel Medina se vencerem duas baterias no mínimo no Taiti. O quarto colocado, Taj Burrow, só consegue isso se chegar nas quartas de final, o quinto Michel Bourez e o sexto Kelly Slater precisam alcançar as semifinais, enquanto o sétimo Adriano de Souza já necessita fazer a final no Taiti.

Depois do Billabong Pro Tahiti, tem o Hurley Pro em Trestles nos Estados Unidos de 9 a 20 de setembro, seguido pelo Quiksilver Pro France de 25 de setembro a 6 de outubro em Hossegor, o Moche Rip Curl Pro Portugal de 12 a 23 de outubro em Peniche e o Billabong Pipe Masters fechando a temporada no Havaí de 8 a 20 de dezembro em Banzai Pipeline. No momento, sete brasileiros estão se classificando para o WCT do ano que vem. Os paulistas Gabriel Medina, Adriano de Souza, Miguel Pupo e Filipe Toledo, estão entre os 22 que são mantidos na elite pelo ranking principal e o também paulista Wiggolly Dantas, o catarinense Tomas Hermes e o potiguar Jadson André, vão garantindo suas vagas entre os dez indicados pelo ASP Qualifying Series.

Compartilhar: