Mineiro: “Palanque da acomodação é feito de medo e desconfiança entre seus integrantes”

Deputado compara palanque de Henrique, Wilma e João Maia “ao cão que guarda a porta do inferno”

76i876i67titi

Alex Viana

Repórter

O deputado estadual Fernando Mineiro (PT) comparou o palanque liderado pelo presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB), que tem a vice-prefeita de Natal, Wilma de Faria (PSB), como candidata ao Senado, e o deputado federal João Maia (PR), como vice, a Cérbero, o mitológico monstro de três cabeças responsável por resguardar a porta do inferno. “O deputado Henrique, que dá tanto apoio ao governo federal, aqui no Rio Grande do Norte, oficialmente, está montando um palanque de três cabeças, o palanque do Cérbero, que é aquele cão da mitologia grega que guarda a porta do inferno. Um palanque de três cabeças, o Cérbero”, disse e repetiu o petista, durante entrevista a uma emissora de rádio.

As declarações de Mineiro foram dadas no programa “Jornal das Seis”, da FM 96, nesta segunda-feira. Na mitologia grega, Cérbero era um monstruoso cão de múltiplas cabeças e pescoço que guardava a entrada do Hades, o reino subterrâneo dos mortos, deixando as almas entrarem, mas jamais saírem e despedaçando os mortais que por lá se aventurassem. Na “Divina Comédia”, poema épico escrito por Dante Alighieri no século XIV e dividido em três partes, Inferno, Purgatório e Paraíso, Cérbero aparece no Inferno dos Gulosos, onde estes ficam solitários na lama, sem poder comer e beber livremente. Cérbero é a imagem do apetite descontrolado.

Segundo Mineiro, “o RN precisa ser salvo de um determinado tipo de política, política que é feita para a preservação da mesmice. O Rio Grande do Norte precisa de projeto, de programa e precisa ser salvo da falta de projeto e do arrumado”, declarou, apontando que esses defeitos são do palanque liderado pelo presidente da Câmara, Henrique Alves, com Wilma e João Maia. “Eu acho que fazer política com união é muito importante. Mas o que é que os une? O que une o palanque da acomodação é o medo um do outro e a desconfiança. Isso mostra certo nervosismo. Se o PT é tão insignificante, porque centrar o PT como alvo do discurso numa convenção? Talvez explique essa situação”, disse Mineiro.

O petista estava defendendo o PT das declarações de Henrique, que, durante a reunião do PR, ocorrida no último sábado, o presidente da Câmara disse que o PT é possuído de ódio, despeito, inveja e visão pequena. “Só porque o PT discorda é ódio, despeito e inveja? Não vi nenhuma atitude de petista levando para o lado pessoal. Estamos discutindo projetos, não podemos tratar pessoalmente”. De acordo com Mineiro, “ninguém pode achar que quem é contra a chapa da acomodação tenha ódio. Pelo contrário, tem amor ao povo. Parece que quem tem ódio é quem faz arranjo contra o povo”, acusou o deputado.

“O que precisamos fazer é um debate sobre o RN. O palanque da acomodação não consegue fazer. Porque a união deles é um ter medo do outro sair candidato. Aí, se juntaram”, contou, ao defender a viabilidade de uma segunda via, ao menos, no Rio Grande do Norte. “A política do RN historicamente é bipolarizada. Se uma parte de um grupo se organiza de um lado, vai ter outro lado”. Para Mineiro, a chapa da oposição, com o vice-governador Robinson Faria (PSD) e a deputada federal Fátima Bezerra (PT), está definida. “Estamos trabalhando”.

“Nervosismo do blocão se deve às nossas candidaturas”

O deputado Fernando Mineiro afirmou que há um nervosismo entre os integrantes do chamado blocão, que apresenta chapa em torno de Henrique para o governo, Wilma para o Senado e João Maia para vice. Segundo ele, esse nervosismo se deve às candidaturas do vice-governador Robinson Faria a governador, e da deputada federal Fátima Bezerra ao Senado.

“Temos duas grandes candidaturas ao governo e ao Senado. Fato concreto. O que explica o nervosismo do blocão, é que se pensava que ia ter uma chapa única, mas não vai ter. Nós vamos ter um debate na sociedade, é uma coisa artificial querer enquadrar todo mundo num mesmo palanque”, criticou o petista.

Na avaliação dele, a articulação liderada pelo presidente da Câmara dos Deputados visa a construir palanque único no Rio Grande do Norte, com vistas à eleição do próprio Henrique governador do Estado. Segundo os bastidores, Henrique tentaria demover tanto Robinson quanto Fátima das candidaturas.

Sobre a aliança do PT com o PSD, Mineiro afirmou que o debate está sendo feito. “Nós estamos fazendo o debate, tivemos uma reunião muito boa em Apodi, com muito debate sobre as regiões. E fizemos outra em Monte Alegre. Na sexta que vem estaremos em Ceará Mirim. Estamos ouvindo as demandas para conhecer mais a realidade”, afirmou.

Sobre a formação da chapa proporcional, em que PT e PSD discutem como será a disputa dos cargos de deputados, ele explica que a definição acontecerá no próximo sábado. “Nós vamos fazer um encontro do PT no sábado dia 12 onde vamos discutir quais cargos encararemos. Estamos debatendo com o PSD a questão proporcional”, ressaltou.

Ainda sobre a constituição de uma chapa proporcional, o petista reconheceu que há conflito entre PT e PSD, mas afirmou que a aliança irá superar as divergências. “É um debate que tem conflito, mas vamos tentar superar. Tivemos conversas com vários partidos. Temos agenda de reunião, o quadro não está dado”, declarou.

 

 

 

 

Compartilhar:
    Publicidade