Minissaia de aeromoça coloca voo em risco, diz sindicato japonês

Federação de comissários de bordo pede ao governo a proibição do novo uniforme apresentado pela Skymark Airlines na semana passada

A companhia aérea japonesa Skymark recebeu críticas por causa do novo uniforme das suas aeromoças. Foto:Divulgação
A companhia aérea japonesa Skymark recebeu críticas por causa do novo uniforme das suas aeromoças. Foto:Divulgação

A companhia aérea japonesa Skymark recebeu críticas por causa do novo uniforme das suas aeromoças. A minissaia azul, segundo as queixas, ‘mal cobre’ as pernas das comissárias e seria ‘um convite aberto ao assédio sexual’.

A Federação Japonesa de comissários de bordo pediu que os uniformes sejam proibidos, uma semana após o lançamento.

Integrantes da entidade de classe afirmam que o uniforme é ‘inadequado’ para as aeromoças, que precisam esticar-se e as vezes ajoelhar-se durante o seu trabalho. As comissárias, segundo os sindicalistas, poderiam ser alvo de passageiros pervertidos com suas câmeras fotográficas.

Segurança de voo

Os críticos dizem que a Skymark Airlines está tratando sua tripulação como ‘produtos’ em saias demasiado curtas para o trabalho.

A entidade que representa os comisários de bordo divulgou um trecho de um artigo da lei que proíbe atos que impedem a segurança do voo, que inclui atos de assédio sexual.

“Entre os deveres dos comissários de bordo está evitar esses incidentes, mas estamos preocupados com o design do uniforme que pode induzir tais atos perturbadores”. Diz a nota oficial.

Compartilhar: