Mobilidade de sentimentos nos acontecimentos cotidianos – Vicente Serejo

Por Flávio Rezende (escritor, jornalista e ativista social) Quem acompanha minha trajetória de escritor, lendo alguns dos meus livros e…

Por Flávio Rezende

(escritor, jornalista e ativista social)

Quem acompanha minha trajetória de escritor, lendo alguns dos meus livros e “escritos” produzidos constantemente, pode perceber claramente o meu crescente amor pela vida, com êxtase sempre presente em diversas ocorrências comuns ao cotidiano de muitos seres.

Além do eterno casamento com a natureza e suas fantásticas plantas, montanhas, rios e lagos, temos a satisfação em contemplar os animais e os seres humanos em suas atividades, ficando feliz em ver o tempo passar e a existência se manifestar, mesmo com suas diferenças e pluralidades, o que pode ser motivo de reflexões e de atitudes, mas são realidades sempre presentes que não me cabe aqui filosofar.

E, neste fluir existencial, os sentimentos vão se alternando, com mobilidade ininterrupta, posto que expostos às variadas nuances, seguem navegando entre alegrias e tristezas, sempre de acordo com o enredo apresentado no aqui e no agora.

Atualmente, o Facebook tem servido como fórum de discussões políticas – o que considero saudável e interessante -, proporcionando a exposição de posições e de opiniões, com o clima variando do educado para o exacerbado, promovendo consequente fluidez de sentimentos, que igualmente migram do feliz para o preocupante, passando pelo neutro e até o chateado.

O problema da questão política hoje é que os argumentos são sempre os mesmos para ambos os lados e venho percebendo que as posições já estão cristalizadas, havendo raríssima possibilidade de mobilidade, o que torna o clima, às vezes, pesado, agressivo, e o papo começa a ficar chato e até perigoso.

Perigoso no sentido de amizades que vão sendo desfeitas, atitudes tomadas em decorrência dos posicionamentos como negativas de apoios culturais e sociais, xingamentos e até brigas físicas.

O sentimento, antes prazeroso em torno da questão política, migra lentamente e tende a piorar para o campo das batalhas verbais e posições radicais, elevando a temperatura e entristecendo no lugar de alegrar.

Então, começo a arrefecer e a ter preguiça de argumentar e debater, ao mesmo tempo, em que observo minha pequena filha, de apenas quatro anos, brincando com sua cadelinha chamada de Chica Linda Donzela, visão esta que alquimicamente transmuta meu sentimento entristecido com o acirrado debate político, fazendo-o migrar rapidamente para a seara do carinho, o campo do amor, o espaço da beatitude.

Se numa espécie de mágica pudéssemos transpor o puro amor que sentimos por nossos filhos, para todos os campos da vida, estaríamos nos aproximando celeremente para o que chamam por aí de “paraíso”, posto que esse genuíno sentimento que temos por nossas crias, carrega, em seu DNA, a pureza dos mestres e a postura dos deuses, encerrando, em sua essência, a magnificência da existência.

Votação polêmica

A convenção do DEM, no último domingo (15), cujo resultado impediu a governadora Rosalba Ciarlini de disputar sua reeleição, gerou atrito entre os correligionários, divididos entre Rosalbistas e Agripinistas. O comentário foi de que a votação teria sido manipulada. “Ela teve seu direito constitucional negado através de trapaças”, analisou Ney Lopes Jr.

Demo…?

Ney Jr, que é diretor do Procon-RN e suplente de vereador pela legenda, disse que de “Democratas” a convenção não teve nada e que, por causa das possíveis manobras na votação, o resultado “não foi fiel à realidade”. Segundo ele, sua mãe, filiada, por exemplo, foi impedida de votar, assim como diversos outros filiados.

Prato que se come cru

Há quem diga que, para atrapalhar os planos de José Agripino e Henrique Alves (PMDB), nas próximas eleições, Rosalba pode tirar uma licença, favorecendo que seu vice Robinson Faria (PSD) assuma o comando do governo do Estado.

Ficha Limpa

A Lei da Ficha Limpa completou quatro anos neste mês de junho. O Projeto de Lei de iniciativa popular foi encaminhado à Câmara Federal, junto com mais de um milhão e 300 mil assinaturas, em 2009.

Questionamento

Pergunta pertinente pipocando nas redes sociais, sobre os estragos causados pelas chuvas em Natal: “Quem aprovou (vereadores) o plano diretor e liberou as construções, mesmo sabendo que o bairro de Mãe Luiza é uma zona de proteção ambiental (ZPA 10)? Essa é pergunta que não quer calar”, questionou a empresária Fabiana Gondim. Várias curtidas e compartilhamentos.

Festa de rua

A praça Pedro Velho recebe o I Festival Gastronômico e Cultural Junino, no período de 19 a 24 de junho, com o objetivo de resgatar as tradições juninas das festas de rua. Entre as atrações, culinária regional, música, atividades circenses, danças típicas e artes plásticas. A entrada é gratuita.

Cinema Brasileiro

Abertas, até o dia 11 de julho, as inscrições de filmes para o 47º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. O evento, que acontece em setembro, em Brasília e outras cinco cidades do DF, recebe inscrições de curtas e longas-metragens concluídos a partir de 1º de agosto de 2013.

Prata da Casa

O Hemoliga, aplicativo que cria uma rede de doadores de sangue, desenvolvido no RN, será implementado pela Fundação Pró-Sangue, hemocentro referência na América Latina. Outros hemocentros do país também estão procurando o projeto para firmar parceria.

Compartilhar:
    Publicidade