Moradores do Conjunto Cidade Praia sofrem com a falta de transporte público

Das quatro linhas que cobriam a localidade, três foram desativadas

Buracos-e-lama-na-Av-Cidade-Praia---Nova-Natal-JA

Quase dois anos depois da empresa permissionária de transporte público Viação Riograndense decretar falência e desativar as linhas 03 e 28, moradores do conjunto Cidade Praia, na zona Norte de Natal, ainda sofrem com a precariedade do sistema de transporte da região.

Não bastando à situação, há quase duas semanas a única linha que trafega diretamente pelo local, a 64, está fazendo um novo itinerário, passando agora também a trafegar pela ponte Newton Navarro, sentido Ribeira/Cidade Alta, o que tem dificultado ainda mais a vida dos moradores.

Segundo relatos de moradores, a demora entre um ônibus e outro é enorme, mesmo com a criação de uma linha especial para integração, a 314-A e 314-B. “A situação tem piorado cada vez mais. Perco muito tempo na parada de ônibus e a linha Nordelândia não faz o itinerário necessário, ela apenas passa pelo caminho dos alternativos” afirma Francisco Valmir, morador local.

Segundo tabela disponível no site da empresa de ônibus Guanabara, responsável por administrar a linha 64, os transportes têm um intervalo de saída do terminal de aproximadamente 15 minutos entre cada um, para estar circulando em suas rotas, o que não se constata na realidade. “Os moradores sofrem apenas com uma linha, a 64. Nós vamos espremidos, como se estivéssemos em uma gaiola, pela quantidade de usuários que buscam esse ônibus e também pela demora” diz Valmir.

Ele relata que mora num bairro que contava com 4 linhas de ônibus: a 03, 28, 10 e 64 e que com a falência da Riograndense, foram retiradas as linhas 03 e 28 e a 10 passou a integrar a linha 29 para tentar suprir as necessidades dos moradores locais. “O 10/29 não atende as expectativas da população, além de não passar pelo bairro de Cidade Praia, por não ter o mesmo itinerário da 03, pois perto do conjunto tem vários loteamentos e uma população muito grande”.

O transtorno é diário. Valmir conta que tem que pagar táxi para poder pegar o ônibus necessário. “Eu que trabalho em Ponta Negra, todos os dias tenho que pagar táxi, para descer na Área de Lazer do Panatis e pegar o 26 ou 73, por que o 64 não passa. Não ganho o suficiente para arcar com essa condição. Estamos super prejudicados com a situação” reclama.

Sobre a reivindicação dos moradores a respeito da falta de transporte público na região do conjunto Cidade Praia, Clodoaldo Trindade, secretário adjunto de transporte da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (Semob) diz que “só haverá mudanças e melhoras quando estiver completo o processo de licitação do transporte público na capital potiguar”.

Ele relata ainda que o problema com a linha 64, que está circulando pela ponte Newton Navarro, foi uma opção da Prefeitura. “Está havendo uma interdição na Avenida João Medeiros Filho, e com isso, o ônibus estava levando muito tempo com o percurso. A Prefeitura então decidiu fazer essa mudança momentânea e muitas pessoas acharam mais rápido o transporte” relata.

Compartilhar:
    Publicidade