Morando no RN, outro suspeito pela morte de torcedor no Arruda é preso

Luiz Cabral de Araújo Neto confirmou ter jogado uma das privadas

Segundo suspeito é levado por policiais. Foto: Divulgação
Segundo suspeito é levado por policiais. Foto: Divulgação

Falta apenas um. Na manhã desta quinta-feira, a polícia prendeu Luiz Cabral de Araújo Neto, que foi acusado de ter participado do crime que matou o torcedor Paulo Ricardo Gomes da Silva na última sexta-feira, depois da partida entre Santa Cruz e Paraná, no Estádio do Arruda. O suspeito, inclusive, confirmou ter jogado uma das privadas.

Luiz Cabral estava em um hospital da cidade de Monte das Gamaleiras, no Rio Grande do Norte, pegando remédios quando foi abordado pelos policiais. Antes de ser encaminhado para a sede do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), o suspeito foi levado até sua casa em Passa e Fica – interior do RN -, onde os policiais encontraram camisas, calças e bermudas da Inferno Coral – principal organizada do Santa – e outras torcidas.

A prisão de Cabral era apenas questão de tempo, pois Everton Felipe Santiago de Santana, preso na última segunda-feira, revelou em depoimento os nomes dos outros dois suspeitos e passou o local em que eles poderiam ser encontrados. A polícia foi até a casa da mãe de Luiz Cabral na última terça-feira e ela acabou passando o endereço da residência e do trabalho do filho.

O segundo suspeito preso confirmou ter jogado uma das privadas em direção aos torcedores do Paraná e disse que a outra foi arremessada por quem ainda está foragido – já está sendo procurado pela polícia. Já Everton Felipe teria apenas ajudado a retirar as duas privadas e levá-las para a arquibancada.

Entenda o caso!

Depois do apito final do confronto de sexta entre Santa Cruz e Paraná, pela Série B, Paulo Ricardo Gomes da Silva, de 26 anos, foi atingido por um vaso sanitário atirado da arquibancada quando passava em frente ao portão 6 do Arruda, destinado à torcida adversária. Nenhum suspeito foi identificado.

Paulo Ricardo era torcedor do Sport e estava no Arruda para apoiar o Paraná, já que as torcidas organizadas de ambas as equipes são aliadas. Ao fim da partida, uma briga entre as torcidas do Paraná e do Santa Cruz foi iniciada nos arredores do estádio, quando aconteceu a fatalidade.

No último domingo, o presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), Flávio Zveiter, anunciou que o Estádio do Arruda continuava interditado por tempo indeterminado. Além disso, os dois próximos jogos do Santa Cruz – Lagarto pela Copa do Brasil e Luverdense pela Série B – serão realizados em outros locais com os portões fechados.

O STJD também determinou que as torcidas organizadas do Santa Cruz, tidas como responsáveis pela morte, sejam impedidas de frequentar “todo e qualquer estádio do Brasil até que o autor do arremesso do objeto que causou o óbito do torcedor seja identificado pela autoridade policial competente”.

A diretoria do clube, porém, já se movimenta para derrubar a punição. O departamento jurídico do Santa Cruz viajou ao Rio de Janeiro nesta segunda-feira para tentar derrubar e liberar o estádio.

Fonte: Futebol Interior

Compartilhar:
    Publicidade