Morte do presidente Getúlio Vargas completa 60 anos neste 24 de agosto

Ex-presidente cometeu o suicídio no dia 24 de agosto no Palácio do Catete,

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Joaquim Pinheiro

Repórter de Política

 

Neste domingo, 24 de agosto serão completados 60 anos da morte do ex-presidente da República, Getúlio Vargas, que se matou com um tiro no peito. O ex-deputado Ney Lopes de Souza disse que Getúlio Vargas marcou a política brasileira pela abertura social que fez no País, beneficiando, principalmente o trabalhador brasileiro implantando uma legislação avançada na época, mas que segundo ele, precisa ser melhorada na atualidade. Entre os pontos dessa legislação está a criação da CLT – Consolidação das Leis Trabalhistas. “Getúlio teve o pecado de ser ditador e o mérito de ter sido eleito pelo voto popular para o último governo”, disse Ney, lembrando a participação do norte-rio-grandense Café Filho na condição de vice-presidente no governo Café Filho.

O historiador e jornalista João Batista Machado diz que Getúlio Vargas foi a figura mais polêmica da política brasileira por ter sido ditador e presidente eleito pelo voto popular. Segundo Machado, Getúlio Vargas foi o fundador do PTB, que no Rio Grande do Norte foi entregue a liderança de João Câmara, posteriormente Theodorico Bezerra e Georgino Avelino e o PSD, liderado no Rio Grande do Norte na época por José Augusto, Juvenal Lamartine e posteriormente Aluízio Alves. A UDN, que fazia oposição radical a Getúlio Vargas era presidida nacionalmente por Carlos Lacerda e no Rio Grande do Norte tinha o controle de Dinarte Mariz. “Getúlio era tido como pai do trabalhador”, diz Machadinho, acrescentando que Getúlio Vargas colocou o País no caminho da industrialização.

SUICÍDIO

Segundo o historiador João Batista Machado, o suicídio de Getúlio Vargas foi motivado por uma campanha difamatória comandada pelo seu maior opositor, deputado federal Carlos Lacerda. O ato extremo aconteceu no dia 24 de agosto no Palácio do Catete, quando o presidente deixou uma carta testamento dizendo o que realizou em benefício dos trabalhadores brasileiros e com a célebre frase: “Deixo a vida para entrar na história”.

CARREIRA POLÍTICA

Getúlio Vargas elegeu-se deputado em 1909 pelo Partido Republicano Riograndense (PRR), sendo reeleito em 1913. Renunciou ao 2º mandato em protesto as atitudes do então governador Borges de Medeiros. Retornou à Assembleia Legislativa e foi reeleito em 1919 e 1921. Foi ministro da Fazenda no governo Washington Luiz de 1926 a 1927, quando implantou uma reforma monetária e cambial. Getúlio Vargas foi presidente do Brasil em 2 períodos. O primeiro de 15 anos ininterruptos, de 1930 a 1945. No 2º período em que foi eleito pelo voto direto, Getúlio Vargas governou o Brasil como presidente da República por 3 anos e meio, de 31 de janeiro de 1951 até 24 de agosto de 1954, quando se suicidou.

Compartilhar:
    Publicidade