Movimento ‘Basta de Violência’ realiza protesto em frente à Governadoria

Em relação ao levantamento, O Datafolha também destacou que nos municípios com mais de 500 habitantes, 25% dos entrevistados contaram ter sido alvos de violência

Representantes de entidades sociais, empresariais e religiosas participaram do ato. Foto: Wellington Rocha
Representantes de entidades sociais, empresariais e religiosas participaram do ato. Foto: Wellington Rocha

Um em cada cinco brasileiros foi vítima de violência no último ano. É o que aponta uma pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha realizada entre abril de 2013 e abril deste ano. O percentual também é próximo ao número de pessoas que tiveram algum parente ou amigo assassinado no período (21%). Diante dessa situação, dezenas de pessoas se vestiram de branco e participaram de um ato público realizado em frente da Governadoria na manhã desta quinta-feira (10). O Movimento Basta de Violência no RN foi lançado no dia 2, na sede da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio Grande do Norte (OAB-RN), e contou com a participação de representantes de entidades sociais, empresarias e religiosas.

A manifestação reunião cidadãos que não agüentam a insegurança que assola o Rio Grande do Norte e tem o objetivo de pressionar o Governo do Estado a tomar providências urgentes com relação à violência no Estado. O protesto teve como ponto de reivindicação a nomeação de policiais, agentes, delegados e realização de concurso para bombeiro militar; criação da Divisão de Homicídios na capital; contrapartidas e execução de reforma e construção de unidades prisionais; reestruturação do Itep e da Fundac; fortalecimento da Defensoria Pública; observação da matriz de responsabilidade do programa Brasil Mais Seguro; reativação do Programa Estadual de Proteção à Testemunha.

O presidente da OAB-RN, Sérgio Freire, disse que a manifestação surgiu diante do crescente percentual de crimes que vem sendo praticados no Rio Grande do Norte. “Diante disso, todas as entidades juntas formaram essa pauta no sentido de ajudar, colaborar, de buscar essa paz e dar um basta nessa violência. Esperamos que os nossos pontos possam ser atendidos o quanto antes”, destacou o presidente da OAB-RN.

“A OAB está preocupada também com a situação das unidades prisionais, que tem se agravado a cada dia. Estamos elaborando uma Ação Civil Pública que deverá ser subscrita pelos integrantes do movimento. Este é um movimento apartidário e sem máscaras que visa defender os interesses da sociedade e buscar ações efetivas para melhorar a segurança da população. Não podemos deixar essa corrente morrer”, ressalta o presidente da OAB/RN, Sérgio Freire.

O aposentado Ramilson Cunha emocionou os presentes no protesto ao relatar a dor de ter perdido o filho vítima de assassinato. Israelton Carlos de Souto Cunha, de 29 anos, é apenas mais uma vitima da violência no RN. No dia 19 de janeiro, ao sair do trabalho, o vigilante de uma empresa privada foi baleado na cabeça e morreu ainda no local.

“Eu sou mais uma vítima da violência, que me deixou pobre, destroçado e sem motivação para viver. Perdi o meu tesouro. Um menino de bem que só tive o trabalho de registrar, cuidar, educar e colocar no mundo e quando menos esperava ele foi barbaramente assassinado de forma fria e calculista. Hoje, só quero justiça”, afirmou o aposentado.

Em relação ao levantamento, O Datafolha também destacou que nos municípios com mais de 500 habitantes, 25% dos entrevistados contaram ter sido alvos de violência. Pessoas com renda familiar de 5 a 10 salários mínimos por mês, no recorte por faixa de renda, representam o grupo mais atingido na estatística, com 26%. No plano geral, os jovens, entre 16 e 24 anos, foram as maiores vítimas dos crimes pesquisados (invasões de residências, roubos, agressões, seqüestros relâmpagos e assassinatos).

Compartilhar:
    Publicidade