Mulher morre após ser atropelada pelo filho de apenas 11 anos de idade

Ciente da gravidade do ocorrido ele teria dito, chorando, “matei minha mãe” a uma mulher que estava nas proximidades e tentou socorrer a vítima

Não se sabe se o garoto foi ligar ou desligar o carro ao causar o acidente. Foto: Diuvlgação
Não se sabe se o garoto foi ligar ou desligar o carro ao causar o acidente. Foto: Diuvlgação

Uma mulher de 38 anos morreu atropelada pelo próprio filho, de 11 anos, em Bauru, no interior de São Paulo, na noite desta terça-feira. O acidente aconteceu no estacionamento de um supermercado na quadra 1 da rua Felício Atala, no Jardim Araruna. De acordo com a Polícia Civil, o menino entrou no veículo e acionou a ré atingindo a mãe que estava atrás do carro.

“Ainda não sabemos se ele foi ligar ou desligar o carro por brincadeira, mas acionou a ré e o veículo passou por cima da vítima e só parou ao bater em outro carro que estava atrás”, explicou o delegado Milton Bassoto Júnior.

Gislaine Flora da Silva Augusto chegou a ser socorrida com vida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas morreu a caminho do Pronto Socorro. Já o menino entrou em estado de choque e também precisou ser socorrido. Ciente da gravidade do ocorrido ele teria dito, chorando, “matei minha mãe” a uma mulher que estava nas proximidades e tentou socorrer a vítima.

Testemunhas relataram à polícia que Gislaine tem uma barraca de pastéis no estacionamento do supermercado e que havia trabalhado durante todo o dia no local. No momento do acidente, por volta das 20h, ela estava desmontando a estrutura metálica da barraca e colocando-a sobre o teto do carro, um Fiat Pálio. Ainda segundo o delegado, as causas da morte serão apontadas no laudo pericial, mas ele acredita que o veículo tenha passado sobre o tórax da vítima causando hemorragia interna.

O caso foi registrado como ato infracional culposo na direção de veículo automotor. O menino ainda não foi ouvido pelo delegado que conversou apenas com um irmão de Gislaine. “Vou conversar com ele quando tudo isso passar. Mas acredito que tenha sido um acidente, uma fatalidade. Ele é só um menino e não haverá punição porque a punição maior ele já teve”, disse Bassoto.

O menino deverá ser ouvido na Delegacia de Infância e Juventude (Diju) nos próximos dias na companhia do pai e de conselheiros tutelares.

Fonte: Terra

Compartilhar: