Mulheres abandonadas

A frase dita pela delegada Karen Lopes, titular da Delegacia Especializada em Atendimento a Mulher, em entrevista concedida esta semana…

A frase dita pela delegada Karen Lopes, titular da Delegacia Especializada em Atendimento a Mulher, em entrevista concedida esta semana a este JH, pareceu um desabafo de alguém já cansada de lutar contra um sistema fadado ao fracasso. Mas, um relato tão real e frustrante da realidade da nossa Polícia Civil não merece passar em branco.

Convidada a participar de uma audiência pública na Câmara Municipal de Natal, a delegada compareceu à “Casa do Povo”. Na pauta, um importante debate sobre o tráfico humano, da qual milhares de mulheres são vítimas todos os anos, nas mais diversas partes do país.

Mas, ao contrário do que se esperava, Karen não pode ajudar muito sobre o assunto. Porém, jogou luzes em cima de um problema que o poder público insiste em tentar esconder. Falta de tudo na Delegacia da Mulher. Segundo a delegada, resta-lhe “administrar o caos”.

As palavras, que deveriam cair como uma bomba na Secretaria de Segurança Públicao, teve reação contrária. A calamidade do setor é tanta, que pareceu algo comum, longe de ser uma novidade. É nesta aparece “normalidade” que mora o maior perigo para a sociedade. Não podemos aceitar que um problema como esse seja tratado desta forma.

É preciso cobrar uma resposta e uma ação por parte do governo. Que sejam feitos os investimentos corretos em cima da área e que, finalmente, se comece a combater o crime no Estado já considerado um dos mais violentos do país. Enquanto os servidores estejam “fingindo que trabalham e a população fingindo que acredita”, como desabafou a delegada, o RN só tende a piorar.

 

NO PÁREO

Apesar das especulações, a aliança PSD e PT, pelo visto, não tem mais chance de recuar. Já estão sendo finalizados os acertos para o lançamento da chapa Robinson Faria para o governo e Fátima Bezerra para o Senado.

ESTRATÉGIA

O vice-governador aposta na rejeição ao deputado Henrique Alves, seu provável adversário, para vencer as eleições desse ano. Em contrapartida, Robinson terá menos estrutura e precisará lutar para aumentar sua popularidade em regiões onde não tem presença política.

REJEIÇÃO

Em tempo: segundo observadores privilegiados do cenário político, levantamentos internos apontam que a grande preocupação de Henrique são mesmo os seus índices de rejeição popular. Será?

CRISE

Em toda a confusão criada durante esta semana entre a imprensa potiguar e o Ministério Público do Estado, em torno da verba publicitária do governo e de um prédio abandonado pelo MP, nenhuma palavra foi mais sensata do que a escrita por Adriano de Sousa em seu artigo de hoje, no Novo Jornal.

DUPLA DERROTA

Ora, todos sabem que o MP não tem o dever constitucional de decidir o destino dos investimentos do governo. Assim como a imprensa não precisaria de uma motivação como essa – o impedimento do uso da verba pública para publicidade – para fazer seu dever, de denunciar o mal uso de recursos por parte das diversas instituições. No meio da confusão, perdem os dois, que se desconstroem e não chegam a lugar nenhum.

ESPAÇO DO LEITOR I

Do leitor Karl Leite a coluna recebeu o seguinte e-mail. “Moro na Rua Estácio de Sá, em Lagoa Nova há 34 anos. Recentemente, não sei por que, trocaram o nome da rua para José Benévolo Xavier. Falecido, era morador da referida rua, onde ainda moram seus familiares. Nada contra a troca, inclusive sou amigo da família. O fato é que, no lado da via que sai na Antonio Basílio, é Rua José Benévolo Xavier. Entretanto, no lado que sai na Bernardo Vieira, continua como Estácio de Sá, de acordo com as placas expostas”.

ESPAÇO DO LEITOR II

O leitor continua. “Vale ressaltar que o carteiro substituto me disse, ontem, que a correspondência endereçada a Rua Estácio de Sá está sendo devolvida. O que é um absurdo. Não tenho nada com o problema mas, não quero que boicotem a entrega de correspondência no antigo nome como é mais conhecida. Não sei quem trocou o nome da rua, qual o órgão responsável pela mudança. Só sei que trocaram e não deram nenhuma explicação aos moradores. Minha correspondência vem com Rua Estácio de Sá e outras com José Benévolo Xavier. Sinceramente não dá pra entender em plena era cibernética a falta de comunicação. Um verdadeiro antagonismo”.

CULTURA

A SBS Livraria Internacional, com quase 30 anos de mercado, promove neste domingo (23) o abre portas da sua primeira loja em Natal. A nova livraria da cidade irá funcionar no corredor lateral do Cinema Moviecom, no Praia Shopping. Boa opção para quem gosta de leitura e já sentia falta de opções na cidade.

GIRA MUNDO

Pelo menos 14 policiais militares já foram assassinados em 2014 no Rio de Janeiro, segundo levantamento feito pela corporação com base nos registros de PMs mortos entre 1º de janeiro e 18 de março deste ano. De acordo com o balanço parcial, seis policiais foram mortos em confrontos e oito por causa da atividade policial –eles foram reconhecidos por criminosos ou reagiram a assaltos, por exemplo. O número já está perto de igualar o total de assassinatos de policiais militares em de 2013. Durante todo o ano, foram 15 PMs mortos –11 em confronto e quatro em circunstâncias diversas.

Compartilhar: