Nas vésperas da Copa: Faltam profissionais com domínio do inglês em Natal

Setor de atendimento sofre para conseguir contratar pessoas capacitadas no idioma

Bares-em-Ponta-Negra

Carolina Souza

acw.souza@gmail.com

O sucesso de grandes eventos como a Copa do Mundo depende, boa parte, da preparação dos profissionais que trabalham na linha de frente do setor turístico. Porém, enquanto o Governo tenta acelerar o ritmo de investimentos públicos rumo ao mundial em Natal, os potiguares parecem não ter acesso aos cursos de idiomas que possam qualificar seu trabalho. De acordo com análise feita pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no Rio Grande do Norte, Abrasel-RN, a maior dificuldade enfrentada atualmente pelo segmento, visando o mundial de futebol, é com relação a falta de profissionais com formação em língua estrangeira.

O presidente da Abrasel, Max Fonseca, afirmou que os profissionais ligados à rede de bares e restaurantes da Grande Natal vêm passando por cursos de qualificação desde que o Brasil foi anunciando como país sede da Copa do Mundo Fifa 2014. Entretanto, ainda não há formação suficiente.

“Realizamos muitos cursos em parceria com o Ministério de Turismo, voltados para gestores e funcionários que trabalham com atendimento, na linha de frente das lojas, bem como na retaguarda dos restaurantes, sobre segurança alimentar, por exemplo. Posso garantir que o segmento está, de forma geral, preparado para a Copa do Mundo. Entretanto, a maior dificuldade que enxergamos é com relação a língua. Não houve formação suficiente em um segundo idioma”, disse.

O problema, segundo Max Fonseca, não se deu por falta de interesse dos profissionais da área, mas sim de oportunidade. De acordo com ele, não foram oferecidas vagas suficientes que pudessem cobrir a demanda local. “Inclusive há casos de pessoas que decidiram tirar dinheiro do próprio bolso para investir em cursos de idiomas”, afirmou a O Jornal de Hoje.

Na visão da Abrasel, uma alternativa que pode ser pensada pelos empresários do setor seria contratar estudantes para trabalhar nos estabelecimentos comerciais durante o período de realização da Copa do Mundo. “Uma saída para esse problema seria isso, contratar estudantes que pudessem atuar como recepcionistas e orientar os turistas”, destacou Fonseca.

Segundo dados do Ministério do Turismo, pelo menos 600 mil turistas estrangeiros devem desembarcar no país para o Mundial e gastar entre hospedagem e alimentação cerca de R$ 7,2 bilhões. Para qualificar a linha de frente de atendimento desse contingente de visitantes, o Ministério criou o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec Copa), que tem como objetivo principal expandir, interiorizar e democratizar a oferta de cursos de Educação Profissional e Tecnológica (EPT) para a população brasileira.

Os cursos oferecidos pelo Pronatec Copa, incluindo os cursos de idioma, são presenciais e gratuitos, com duração média de quatro meses, com realização nas sedes do Sistema S (SENAC, SENAI, SESC, SESI, SENAT) e nos institutos federais de educação profissional.

“O programa é bem interessante e bem pensado, mas não ofereceu vagas suficientes. As vagas acabaram e, por falta de oportunidade, muitas pessoas estão sem qualificação suficiente”, observou o presidente da Abrasel-RN.

Compartilhar:
    Publicidade