Nasa analisa a aerodinâmica da bola oficial da Copa do Mundo

Não, os cientistas da agência espacial não foram contratados para analisar a Brazuca - mas quiseram se divertir mesmo assim

67u67u46u43

Pesquisadores do Centro de Pesquisa Ames, da Nasa, colocaram a Brazuca, a bola oficial da Copa do Mundo, dentro de sua câmara de testes de aerodinâmica. O motivo? Diversão e paixão por futebol. E o resultado é incrível.

A Brazuca foi desenvolvida pela Adidas especialmente para a Copa. Como tem sua costura “escondida” na parte interior, ela tem uma superfície suave. Isso garante que, quando é chutada, o fluxo de ar fique bem próximo de sua superfície, fazendo com que a bola se mova em um arco previsível. Ela também possui menos painéis do que as bolas tradicionais. Enquanto estas são feitas de, normalmente, 32 pedaços costurados, a Brazuca conta com apenas seis.

Para analisar a bola, os pesquisadores da Nasa a colocaram em um tanque de água que libera fumaça (iluminada) e, assim, viram os padrões do fluxo de ar ao seu redor e como eles se comportavam em diferentes velocidades. Os resultados mostram que, assim como toda bola,há uma velocidade específica na qual seus movimentos se tornam imprevisíveis - qualquer velocidade superior ou inferior a ela produz resultados normais, mas esse ponto seria crítico. Essa velocidade, na Brazuca, é de 48 km/h. No entanto, os chutes de jogadores profissionais alcançam uma velocidade muito maior do que essa, garantindo que ela seja estável na Copa e tenha movimentos previsíveis.

Já o caso da Jabulani é outro – você lembra de como a bola da Copa de 2010 foi xingada? Era por causa de seus movimentos irregulares. Isso acontece porque sua velocidade de “imprevisibilidade” era muito próxima da velocidade de chute de jogadores profissionais, que é de 80 km/h. Por isso, ela tomava rotas irregulares.

Veja o vídeo que mostra como a Nasa conseguiu analisar a matemática e a física por trás das bolas da Copa – e, de quebra, produzir imagens incríveis:

Fonte: Galileu

Compartilhar: