Natal ganha em maio um Centro Integrado de Comando e Controle

Os Centros fazem parte do acordo assinado pelo Governo Federal e Fifa para que o país sediasse a Copa do Mundo

Estrutura integra parte da arquitetura de segurança pública para a Copa do Mundo e atuará em parceria com o Ciosp. Foto: Heracles Dantas
Estrutura integra parte da arquitetura de segurança pública para a Copa do Mundo e atuará em parceria com o Ciosp. Foto: Heracles Dantas

Natal deverá ganhar no início de maio deste ano, um dos 14 Centros Integrados de Comando e Controle (CICC), previstos nas 12 cidades sedes da Copa do Mundo. Dois serão centros nacionais, localizados no Rio de Janeiro e Brasília.  O projeto, que custará R$ 244 milhões, faz parte da arquitetura de segurança pública que está sendo desenhada para o evento e o contrato já foi assinado junto à Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos (SESGE). O Consórcio Brasil Seguro será o responsável pelo fornecimento de soluções de tecnologia de informação, serviços e infraestrutura aos CICCs.

De acordo com Roberval França, diretor do Consórcio formado pelas empresas Agora Telecom, Comtex, Módulo e Unisys, os Centros Integrados de Comando e Controle fazem parte do acordo assinado pelo Governo Federal e Federação Internacional de Futebol (Fifa) para que o país sediasse a Copa do Mundo. “Há sete anos quando o Brasil apresentou sua candidatura e depois que foi anunciada a escolha, os ministros assinaram 13 Cartas-Garantia, que são requisitos da Fifa para serem cumpridos pela CBF. A cara garantia nº 5 é a da segurança e nela consta que o Brasil deve ter uma rede integrada de Centros de Comando e controle da segurança pública”, disse.

Ainda segundo Roberval, em 2010, o Ministério da Justiça reuniu especialistas em segurança de todo o país, que apresentaram projetos integrados, entre eles, os Centros de Comando e Controle. Com a criação da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos pelo Ministério da Justiça, em 2011, também foi criada a segurança para a Copa do Mundo. A licitação para a gestão dos CICCs foi decidida em junho do ano passado e o contrato com a empresa vencedora foi assinado em setembro último. O Brasil Seguro, consórcio vencedor, tem como empresa líder a brasileira Módulo, com atuação internacional. A competência na empresa é nas áreas de governança, gestão de riscos e segurança de informação, com ênfase no sistema Módulo Risk Manager, para gestão de riscos.

“Estes Centros permitirão uma visão em tempo real do entorno do estádio, da cidade, da região metropolitana e contarão com uma equipe altamente profissional, tecnologia de ponta e sistemas interligados.

Haverá a integração entre 12 a 30 agências de governo operando juntas, como as polícias estadual, federal, incluindo a científica, Rodoviária Federal, Samu, Centro de Engenharia de Tráfego, representantes de concessionárias e serviços públicos, todos aliados”, enfatizou Roberval.

Segundo o diretor, os centros seguirão o modelo de Pronta Resposta, que tem como base o compartilhamento de informações, a gestão compartilhada e a interoperabilidade. “Imaginem que num dia de jogo haja um grave acidente em uma avenida ou rodovia. O Centro terá várias representações e as informações serão integradas e em tempo real, com sistemas de rádio interligados. As câmeras que já existem na segurança pública também serão integradas e poderão ser observados, por exemplo, o fluxo das torcidas. O modelo de Pronta Resposta é usado nos países mais desenvolvidos do mundo e tem ênfase em prevenção. Iremos entregar 200 tablets para os Centros”.

Em Natal, segundo o Consórcio Brasil Seguro, o Centro Integrado de Comando e Controle será instalado no Centro Administrativo, na Escola do Governo, onde já funciona o Centro Integrado de Operações em Segurança Pública. Os dois vão funcionar em parceria.

“Começaremos a instalar os sistemas e a tecnologia no mês de março e vamos finalizar até a metade do mês de abril. O treinamento da equipe será até o fim de abril e a previsão é de que no dia primeiro de maio entre em operação plena. Um grande diferencial é que todos os Centros serão integrados e se acontecer uma pane, eles terão a condição de assumir o gerenciamento e controlar os outros estados. Os Centros Integrados de Comando e Controle serão um dos mais importantes legados da Copa para a sociedade, sendo o mais importante legado na área da segurança pública”, enfatizou França.

Parte dos sistemas permanecerá mobilizada para suportar a segurança das Olimpíadas/ Paraolimpíadas 2016 e parte será cedida aos Estados, por intermédio de critérios a serem estabelecidos pelo Ministério da Justiça e pelos Estados.

Compartilhar:
    Publicidade