Náufrago desde 2012 é encontrado em ilha e levado pra casa

O náufrago explicou por meio de desenhos que sobreviveu comendo tartarugas, aves e peixes que pescava com as mãos

Náufrago mexicano que se identificou como José Ivan é amparado ao deixar o navio "Lomor", da Guarda Costeira das Ilhas Marshall, no Pacífico. Foto:Divulgação
Náufrago mexicano que se identificou como José Ivan é amparado ao deixar o navio “Lomor”, da Guarda Costeira das Ilhas Marshall, no Pacífico. Foto:Divulgação

O náufrago mexicano que afirmou ter passado vários meses à deriva no Oceano Pacífico até chegar a um pequeno atol nas Ilhas Marshall iniciou neste domingo uma longa viagem de retorno a seu país

José Iván, o nome com o qual se identificou, foi levado em uma lancha da Marinha local neste domingo do atol de Ebon, sul do arquipélago, para a capital Majuro, onde deve chegar na segunda-feira.

Em Majuro será submetido a exames médicos antes de iniciar os trâmites necessários para a repatriação.

“Quero retornar ao México!”, disse José Iván por rádio à intérprete Magui Vaca em seu primeiro diálogo com uma pessoa que fala espanhol, depois de ter passado mais de um ano à deriva em uma pequena embarcação de fibra de vidro de 24 pés (quase sete metros) de comprimento, cujos motores perderam as hélices

“Me sinto mal. Estou longe. Não sei onde estou nem o que aconteceu”, disse à intérprete.

José Iván explicou que zarpou do México em 24 de dezembro de 2012 para pescar tubarões. O tempo que passou perdido em alto-mar seria de pouco mais de 13 meses, não os 16 que foram mencionados a princípio, depois que ele foi resgatado na quinta-feira.

Até o momento não estão claros os motivos da embarcação ter ficado tanto tempo à deriva nem como faleceu, há alguns meses, o homem que o acompanhava no barco.

Segundo a intérprete, José Iván está muito confuso e não sabe dizer o que aconteceu nos meses em que passou no oceano.

“Ele está um pouco desesperado e quer voltar ao México, mas não sabe como”, disse a intérprete.

Quando dois habitantes do atol de Ebon o resgataram do mar, na quinta-feira, ele usava apenas uma cueca feita com um pedaço de pano, tinha o cabelo muito comprido e barba abundante. Além disso, não conseguia caminhar sem ajuda.

O náufrago explicou por meio de desenhos que sobreviveu comendo tartarugas, aves e peixes que pescava com as mãos. Também mostrou que bebia sangue de tartaruga quando não chovia.

Compartilhar: