Navio oceanográfico está aberto a visitação no Porto de Natal

A visitação será realizada em ambos os dias das 14h às 17h

Quem desejar conhecer o navio por dentro, basta comparecer ao porto de Natal entre 14h e 17h, neste sábado e domingo. Foto: Wellington Rocha
Quem desejar conhecer o navio por dentro, basta comparecer ao porto de Natal entre 14h e 17h, neste sábado e domingo. Foto: Wellington Rocha

Carolina Souza

acw.souza@gmail.com

 

O navio oceanográfico Antares, da Marinha do Brasil, vai estar aberto à visitação pública e gratuita neste sábado e domingo, 23 e 24 de agosto, na capital potiguar. A embarcação está atracada no Porto de Natal e é utilizada para fazer levantamentos marítimos, além de contribuir com estudos que garantem a segurança da navegação na área marítima de interesse brasileiro. A visitação será realizada em ambos os dias das 14h às 17h.

A embarcação é capacitada para realizar levantamentos de oceanografia física, química, biológica e geológica, incluindo levantamentos sísmicos. Desse modo, sua missão é efetuar levantamentos hidroceanográficos, a fim de contribuir para o apoio às Operações Navais e à Segurança da Navegação em área de interesse do país.

Segundo o Capitão-de-Fragata Vinícius Almeida, Comandante do Navio Antares, os levantamentos são realizados com o auxílio de boias meteo-oceanográficas fundeadas à 4.500 metros de profundidade em alto mar. “As Marinhas do Brasil, EUA e a França mantêm um convênio de lançar as boias fundeadas em diversas áreas do oceano e compartilhar as informações que vem delas. Todas as boias têm sensores acima d’água que medem parâmetros da atmosfera (vento, onda, temperatura) e na linha de fundeio existem outros sensores, medem os parâmetros de dentro d’água (temperatura, salinidade, corrente, condutividade)”, explicou.

O convênio entre as três nações dizem respeito à Comissão PIRATA (previsão e pesquisa no Atlântico Tropical por meio de Rede de Boias Meteo-oceanográficas), que ocorre uma vez no ano. Desde 10 de julho que o Navio Antares está em viagem pelo oceano, com o propósito de manter a operacionalidade de oito das 15 boias sob responsabilidade do Brasil.

“Nesse período de viagem, que acabará no dia 4 de setembro, quando voltaremos ao Rio de Janeiro, fazemos o recolhimento, manutenção e lançamento dessas oito boias, que constituem a contribuição brasileira ao Projeto por intermédio da Diretoria de Hidrografia e Navegação (DHN) e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)”, conta o Comandante Vinícius.

Além de atender às necessidades da Marinha do Brasil referentes à defesa da nossa “Amazônia Azul”, os dados coletados através das boias possibilitam um melhor conhecimento das características das águas brasileiras e da dinâmica das correntes oceânicas e costeiras da região de estudo, de interesse direto para as atividades Petrolíferas, Pesqueiras e de Transporte Marítimo, bem como para a Pesquisa Científica.

Durante toda a Comissão, o Navio contou com a participação de pesquisadores de algumas instituições de ensino e pesquisa, tais como: Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA-SP), Universidade Federal do Ceará (UFCE), dentre outras. O Antares está atracado no Porto de Natal desde a última quinta-feira (21) e voltará ao Rio de Janeiro na próxima segunda-feira (25).

Além do Antares, a Marinha do Brasil conta com mais nove navios de pesquisa, dos quais sete realizam pesquisa ao longo da costa brasileira. A embarcação oceanográfica que está em Natal tem 55 metros de comprimento total e oito acomodações para pesquisadores, com capacidade para uma tripulação de até 80 pessoas.

Devido às características e limitações do local (banheiros e bebedouros) e peculiaridades do Navio (como existência de escadas para acesso aos compartimentos), a Marinha recomenda que sejam evitadas, na visitação, crianças abaixo de 5 anos e pessoas com dificuldades de locomoção.

Compartilhar: