Nélter defende Fernando Bezerra: “O povo cansou dos carismáticos”

Deputado afirma que nome do empresário é “posto na mesa”, sem pressão, para o debate com sociedade e partidos

Segundo deputado Nélter Queiroz, para ele, nome de Fernando Bezerra seria o melhor para gerir o RN. Foto: Divulgação
Segundo deputado Nélter Queiroz, para ele, nome de Fernando Bezerra seria o melhor para gerir o RN. Foto: Divulgação

Ciro Marques
Repórter de Política

O deputado estadual Agnelo Alves, do PDT, cobrou a falta de defesa do nome de Fernando Bezerra por correligionários do PMDB e, de forma quase que automática, foi atendido. O colega de Agnelo na Assembleia Legislativa, o peemedebista Nélter Queiroz veio a público defender o nome do empresário para o Governo do Estado em 2014. Segundo Nélter, o ex-ministro e ex-senador é o melhor nome para gerir o Estado neste momento de crise e deverá, sim, ser apresentado aos demais partidos e a população como opção para o Governo do Estado neste ano eleitoral.

“Fernando Bezerra é um nome que está posto para a discussão com outros partidos e com a sociedade, sem nenhum tipo de pressão. Eu apoio o nome dele, mas acho que essa discussão passa pelo povo do RN e também pelos demais partidos. A gente tem que fazer uma grande frente em prol do Rio Grande do Norte, porque a situação do Estado não está fácil”, afirmou Nélter Queiroz.

Assim como o ministro da Previdência Social, Garibaldi Alves Filho, ao defender Fernando Bezerra, o deputado estadual também ressaltou o perfil “empreendendo”, “gestor” do empresário, ex-ministro da Integração Nacional e ex-senador da República. “Fernando Bezerra tem um perfil importante para o RN que é o perfil de gestor. O povo está cansado de candidato simpático, popular, carismático. Precisa de um gestor que consiga resolver os problemas”, afirmou Fernando Bezerra.

É bem verdade que Fernando Bezerra não está na lista dos políticos mais carismáticos do RN e o afastamento do cenário de disputa eleitoral só contribuiu para agravar essa situação de “impopularidade” – não participa de uma eleição desde 2002, quando foi candidato ao Governo e perdeu. Por isso, inclusive, há membros do próprio PMDB que desconfiam da capacidade não de Fernando Bezerra conseguir administrar o Estado, mas sim dele vencer as eleições. Sobretudo, se enfrentar adversários fortes. Contudo, essa não é a visão de Nélter.

“Essa questão de pesquisa eleitoral (Fernando Bezerra perde em todos os cenários apresentados nos dois últimos levantamentos da Consult) não é tão importante no momento. Em 2012, Hermano Morais não aparecia bem nas pesquisas no início do ano e conseguiu chegar ao segundo turno contra Carlos Eduardo pela Prefeitura de Natal”, relembrou Nélter Queiroz.

De qualquer forma, é importante lembrar que o próprio PMDB está se encarregando de criar um cenário favorável para a candidatura de Fernando Bezerra ao Governo do Estado. Para isso, tenta tirar da disputa a ex-governadora e atual prefeita de Natal, Wilma de Faria, do PSB. Ela seria lançada para o Senado, apoiando Bezerra para o Governo. Contra o ex-senador, restaria apenas a disputa contra o vice-governador Robinson Faria, do PSD, um nome com o qual Fernando Bezerra poderia concorrer com “igualdades de condições”.

“Vejo Fernando Bezerra como um homem credenciado para essa disputa. Desafio o prefeito de alguma cidade do RN a se levantar e dizer que Fernando Bezerra não tem serviços prestados lá. Não existe isso. Quando foi ministro, quando foi senador, ele trabalhou por todos do Rio Grande do Norte”, garantiu Nélter Queiroz.

AGNELO

Na edição desta quarta-feira d’O Jornal de Hoje, o deputado Agnelo Alves afirmou que o PDT deverá apoiar o nome lançado pelo PMDB para o Governo do Estado. Contudo, o pai do prefeito Carlos Eduardo Alves criticou: “Temos uma situação indefinida. O PMDB, maior partido do Estado, tem um nome apoiado pelos dois líderes, Garibaldi Filho e Henrique Eduardo. Fernando Bezerra foi senador, ministro, e é um nome respeitado, no entanto, ninguém aparece para dizer que está de acordo, em desacordo. Não existe ninguém concordando com a posição dos líderes peemedebistas”.

 

“Wilma está mais preparada para Senado do que Fátima”

O receio de Nélter Queiroz em não parecer que está “impondo” o nome de Fernando Bezerra faz parte da estratégia do político para que o PMDB consiga mais aliados neste momento. Afinal, segundo o parlamentar, a oposição deve caminhar unida para o pleito de 2014, marchando sem o DEM, mas com PSB, PT e PROS. O problema aí é quais siglas aceitarão abrir mão das candidaturas já apresentadas para apoiar a chapa peemedebista sem poder indicar qualquer cargo.

O caso do PSB e PT, por exemplo. O partido de Wilma de Faria pode indicar um nome para o Governo ou Senado, mas para se aliar com o PMDB, indicaria apenas o nome para o Senado. Isso é possível. Ela abrir para PT, que já pré-lançou Fátima Bezerra para o cargo, é quase impossível, sobretudo, porque segundo Wilma, o povo “não aceita ela disputar só a vaga para deputada federal”.

Sendo assim, o PT ficaria de fora da majoritária. Pelo menos, na visão de Nélter Queiroz. “Wilma está mais preparada para concorrer ao Senado do que Fátima. Essa é minha opinião”, afirmou o deputado estadual, ressaltando, mais uma vez, que a situação não está fechada. “Não há o interesse de decidir agora. Vamos aguardar uns dois meses, em março ou abril, poderemos ter algum posicionamento”.

Até porque, se definindo pelo PSB, o PMDB praticamente fecha a porta para o PT e manda o partido para a aliança com o pré-candidato Robinson Faria, vice-governador do PSD. Isso porque é difícil para os petistas abrir mão da candidatura, ainda mais para apoiar uma chapa composta pelo partido de Eduardo Campos, que já lançou a pré-candidatura dele para a presidência da República, contra a atual presidente Dilma Roussef, do PT.

 

“Secretários têm medo da chibata de Carlos Augusto”

A entrevista com Nélter Queiroz, muitas vezes, vai por caminhos que não estavam nos planos do entrevistador, mas que acabam sendo importantes de se registrar. O caso em questão diz respeito a analise do deputado a respeito das ações do Governo no combate à seca no interior no Estado. E Nélter foi além: afirmou que os secretários pareciam ter medo do secretário chefe do Gabinete Civil, Carlos Augusto Rosado, marido da governadora Rosalba Ciarlini (DEM) e, até, cobrou uma melhoria no salário dos ordenadores de despesas, que ele classificou como “uma vergonha”.

“A maioria dos secretários tem medo da chibata preta de Carlos Augusto. A minha opinião é essa. A equipe é fraca, não dá resposta. E se sujeitar a um salário desse para trabalhar pelo Estado. Muitos se sujeitam só para roubar, porque o salário é uma vergonha. Né só o do secretário não, o da governadora também é”, afirmou o deputado estadual.

É importante lembrar que neste momento o secretariado de Rosalba Ciarlini vive mais uma mudança. Rogério Marinho deixou a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e o mesmo deve acontecer com Aldair da Rocha, da Segurança Pública, e Leonardo Rêgo, de Recursos Hídricos. Os três serão candidatos nas eleições de 2014.

Bom, de qualquer forma, e o que Nélter acha sobre a política do Governo do Estado e combate a seca? Fraca. Inexistente. “A falta de água realmente está crítica na região. A seca mesmo só Deus para mandar chuva, porque no Governo Rosalba não dá para confiar que vai ser tomada qualquer atitude. Nós estamos reféns da segurança, reféns da falta d’água”, afirmou o parlamentar.

Nélter Queiroz também afirmou que o Governo do Estado demora para dar respostas para as ações, contudo, o Governo do Estado deve satisfações sobre o que tem feito. “É preciso que a gestão Rosalba fale quantos poços foram instalados no Rio Grande do Norte. A gestão passada deixou vários já perfurados, faltando só a instalação, que não foi feita. É preciso dizer o porquê”, afirmou.

Compartilhar: