Novo aeroporto em São Gonçalo está pronto, mas sem data para funcionar

TAM e Gol vão dizer se conseguem iniciar até a Copa

Visita-do-ministro-da-aviacao-ao-Aeroporto-de-Sao-Goncalo--WR

Marcelo Hollanda

hollandajornalista@gmail.com

O ministro da Secretaria de Aviação Civil (SAC), Moreira Franco, disse nesta segunda-feira, durante inspeção às obras do aeroporto internacional Aluízio Alves que só depois de um relatório a ser entregue nos próximos 10 dias pelas duas maiores companhias aéreas que operam no RN – Gol e TAM – o terminal de São Gonçalo poderá ser confirmado para funcionar durante a Copa do Mundo.

“Não há a mínima possibilidade de serem os dois – Parnamirim e São Gonçalo -, ou será um ou o outro”, foi taxativo. Na semana passada, numa entrevista ao jornal O Globo, Moreira Franco deu a entender que existe um plano B para o aeroporto de São Gonçalo, caso este não possa operar durante o evento da Fifa, e este só poderia estar na manutenção de Parnamirim.

Hoje, no entanto, ele surpreendeu os jornalistas ao afirmar que não são os acessos ao aeroporto a maior preocupação dele e sim a condição operacional por parte das companhias aéreas. “Não se trata de uma mudança de móveis e sim da instalação de redes, da capacitação de pessoal e uma série de outros detalhes complexos”, avaliou.

Ministro Moreira Franco visitou novo aeroporto do RN durante  a manhã. Foto: Wellington Rocha
Ministro Moreira Franco visitou novo aeroporto do RN durante a manhã. Foto: Wellington Rocha

Sobre os acessos propriamente ditos, o ministro disse que pelo que viu quando veio de helicóptero de Parnamirim para São Gonçalo “as coisas estão muito bem encaminhadas”. Ele desembarcou no aeroporto Augusto Severo às 10h30m sem a presença de nenhuma autoridade do Estado, responsável pelas obras de acesso. “Vi que a entrada pelo Norte está bem encaminhada, já pelo Sul devem demorar mais”, comentou.

O JH percorreu hoje a distância entre o aeroporto e a entrada da BR 406 e constatou apenas dois quilômetros faltando ser asfaltados. Da BR 406 até o entroncamento da 101, faltam cerca de cinco quilômetros da segunda pista, mas a movimentação de operários e máquinas ali é intensa.

Na falta de informações mais concretas e com o atraso do ministro Moreira Franco, que antes percorreu às pressas um trecho do prédio principal do novo aeroporto, os repórteres cercaram o presidente da Infraero, Gustavo do Vale, cheios de perguntas sobre o início de operação do terminal.

Descobriram, por exemplo, que o primeiro voo oficial marcado para 15 de abril deverá ocorrer em 10 de maio. E que o Augusto Severo poderá operar todos os voos executivos durante a Copa do Mundo durante a Copa.

Vale disse ainda que não existe consenso para quem irão as instalações do aeroporto de Parnamirim – para a Aeronáutica ou o Patrimônio Histórico. “Não temos essa resposta ainda”, admitiu, faltando três meses para o evento da Fifa no Brasil.

Ele confirmou o que o ministro Moreira Franco diria logo depois: não se cogita dois aeroportos funcionando durante a Copa em Natal. “Em Fortaleza, onde as obras estão muito atrasadas, examinamos possibilidades para remediar a situação. Não é o caso de Natal, onde tudo tem que estar pronto simultaneamente – obras civis e empresas funcionando a pleno vapor” – acrescentou.

Desta vez, a vinda do ministro Moreira Franco não mobilizou a agenda da governadora Rosalba Ciarlini já comprometida hoje com a vinda do Embaixador do Uruguai, marcada com bastante antecedência. Nem o próprio presidente da Câmara Federal, Henrique Eduardo, ao contrário da última inspeção do ministro ao aeroporto, pôde comparecer, ocupado em outros compromissos.

Acessos

De acordo com dado da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), foram criados 16,1 mil voos extras para as cidades-sede dos jogos da Copa, o que representa uma oferta de 7,2 milhões de bilhetes. O número de ingressos vendidos, segundo a Fifa, já supera os 2,5 milhões – 1/3 comprado por turistas estrangeiros pelas estimativas do governo.

Segundo o site Panrotas, portal direcionado aos profissionais do turismo o novo aeroporto está cercado de polêmica. “A população de Natal, em geral, está temerosa. Além da distância para os principais bairros da capital potiguar (40 quilômetros, em média), não se tem ainda a certeza dos acessos pavimentados e iluminados, pelo menos neste semestre. O Consórcio Inframérica, responsável pela obra do terminal, garante que o equipamento está quase pronto. Mas no que depende do poder público, como a questão dos acessos, as obras estão atrasadas. A iluminação sequer começou”.

Com a Copa do Mundo, praticamente todos os grandes aeroportos brasileiros vem passando por reformas e ampliações e de São Gonçalo será o primeiro a ser administrado pela iniciativa privada, passando a capacidade de atendimento desses terminais de 16 para 21 milhões de passageiros/ ano. O de São Gonçalo espera operar 6 milhões/ano em cinco anos. O investimento público é de R$ 7 bilhões.

Compartilhar:
    Publicidade