O amor ainda pulsa

O pulso ainda pulsa. Diz a canção dos Titãs narrando um quadro de multi-infecção de um corpo humano que resiste…

O pulso ainda pulsa. Diz a canção dos Titãs narrando um quadro de multi-infecção de um corpo humano que resiste em morrer. Há quem veja semelhante situação no âmbito social e cultural do planeta, um corpo doente pela insensatez da vil humanidade.

A crise moral que assola o mundo, envolto em conflitos sociais e sofrendo uma inversão de valores como jamais vista, lembra um moribundo se agarrando à vida no pouco de ar que lhe chega aos brônquios. Um sopro de vida detectado no pulso que ainda pulsa.

A literatura religiosa é rica em passagens sobre crises morais que põem em risco a continuidade dos homens, como na emblemática discussão no livro Gênesis, entre o profeta Abraão e seu deus que ameaça destruir as cidades de Sodoma e Gomorra.

É considerada a mais ousada interlocução entre um mortal e o divino, apesar de haver outros episódios em que o deus hebreu discute com Moisés, com Jeremias e com Habacuque. O diálogo com Abraão lembra os dias atuais, se estivéssemos ameaçados.

Os crimes e o pecado generalizado nas duas cidades geraram a ira santa do dono do mundo, que de imediato avisou ao patriarca sua decisão de destruí-las. Segue-se uma conversa em que Abraão indaga se os homens justos morrerão por causa dos ímpios.

“E se houver 50 justos na cidade? Matar o justo com o ímpio, tratando o justo e o ímpio da mesma maneira. Não agirá com justiça o juiz de toda a Terra?”. E vem a complacência: “Se eu encontrar 50 justos pouparei a cidade inteira por amor a eles”.

A narrativa bíblica cai bem para os dias atuais, onde fica cada vez mais difícil encontrar pessoas de grandes gestos, de boa índole. Os bons estão sumindo, alguns perdendo a inocência, outros enclausurados de medo num mundo cada vez mais violento.

E se houvesse um ser superior, uma raça extraterrestre que decidisse destruir a Terra por causa de tanta iniquidade? Quem seriam os representantes daqueles poucos justos supostamente existentes nas cidades que Abraão soube defender com sabedoria?

Pois eu achei dois casos exemplares de que a vida humana ainda vale a pena ser vivida e perpetuada. Duas lindas histórias de gente da vida real, que expressaram de forma natural um grande amor pela vida de outra pessoa, duas grandes condutas pessoais.

A primeira foi publicada hoje no diário americano Miami Herald, contando o caso de Pamela Ruseo, 37 anos, residente em Miami. Ela transportava o pequeno sobrinho de 5 meses para uma consulta médica, quando percebeu que sua respiração havia parado.

Parou o carro no meio da estrada e tentou lembrar de um curso de pequeno socorros feito na escola ginasial. Pegou a criança, já pálida e imóvel, e iniciou uma reanimação respiratória no tipo “boca a boca”. A imagem foi captada por um fotógrafo que passava.

Foi ele quem tratou de chamar uma ambulância, enquanto registrava o ato da tia do bebê, que conseguiu reanimá-lo e entregá-lo com vida aos paramédicos. A outra história foi publicada semana passada no diário New York Daily News. Um romance real.

Ed e Floreen se conheceram quando ela participava de uma festa, em 1952, a primeira desde que perdera o marido com quem estava casada há somente seis meses. Aquele contato, além de quebrar o luto da moça, foi um clássico caso de amor à primeira vida.

O acidente que vitimou o marido de Floreen a deixou sem movimentos nas pernas. O jovem Ed foi pedi-la em casamento e ouviu um não do futuro sogro: “de jeito nenhum, ela vai precisar de alguém para cuidar dela para o resto da vida”.

O rapaz enamorado disse que jamais iria deixá-la, nem mesmo quando estivesse morrendo: “eu prometo cuidar dela para sempre e se eu tiver que levá-la comigo quando morrer, o farei”. E 62 anos depois daquele diálogo, Ed cumpriu a palavra.

Aos 82 anos, Floreen foi internada com insuficiência cardíaca no United Methodist Medical Center, em Batavia, Nova York. Com 83, Ed sofreu uma grave lesão na perna que infeccionou e atingiu órgãos vitais. Os médicos deram-lhe poucos dias de vida.

Ao saber que a mulher também estava doente, pediu aos familiares para colocá-lo ao lado dela. Durante todos os dias, Ed e Floreen ficavam de mãos dadas, um leito ao lado do outro. Os dois morreram com 36 horas de intervalo e foram enterrados juntos.

Creio que algum satélite, ou o telescópio Hubble, devem ter captado a reação de seres espaciais desistindo de um ataque para exterminar um planeta infeccionado de maldades. O amor de Ed, Floreen e Pamela ainda tem como nos curar a todos. (AM)

 

Copa 14

O instituto Datafolha revelou ontem que 48% dos brasileiros não aprovam a realização da Copa do Mundo no país. Em recente pesquisa de outro instituto, DMA, para a CNT, o índice de rejeição às arenas milionárias chegou a 80% dos entrevistados.

 

Protestos

Já quanto aos protestos planejados para o período da Copa, a maioria do povo é contra, confirmando o histórico perfil ordeiro dos brasileiros. Apenas 32% aprovam as manifestações, enquanto 63% discordam. O Datafolha aferiu também por regiões.

 

Protestos II

A região Sul é a que registrou maior percentual de apoio às manifestações programadas para junho e julho, com 60% de aprovação; já o Nordeste é a que menos aprova, apenas 46%. No Sudeste, onde ocorrem mais tumultos, a aprovação chega a 55%.

 

Desfeita

Eu já reclamei aqui uma homenagem do PSB ao militante e filiado Rubens Lemos, que escolheu a legenda como sua última trincheira. E François Silvestre agora registra o total esquecimento do PT, que teve em Rubão seu primeiro nome ao governo, em 1982.

 

Abril

As costuras políticas continuarão pelas bordas do tecido partidário, mas só terão o definitivo alinhavo na primeira semana de abril, quando as agulhas de Garibaldi Filho (PMDB) e Wilma de Faria (PSB) fecharem o ponto do grande cerzido.

 

Ensaio

Já por duas vezes, foi ensaiada a propagação de supostas pesquisas apontando recuperação da governadora Rosalba Ciarlini (DEM) na preferência popular. Em ambas as vezes, na página de blogues cujos autores são diletos amigos de José Agripino.

 

Visita

Fiel torcedor do ABC, o vice-governador Robinson Faria (PSD) não viu a derrota para o América. Tirou o domingo para visitar Dona Angelita, uma senhora de 80 anos, no distrito Corte, em Pedro Velho, cujo sonho era conhecê-lo. Vota nele desde 1986.

 

Sogrão

“Velho é o seu noivo!”. Disparou o apresentador Silvio Santos, ontem em seu programa, em resposta a uma crise de ciúmes da filha, Patrícia Abravanel, que citou sua idade (83) como empecilho para seus assédios verbais à colega de bancada, Helen Ganzarolli.

Trânsito

Um caos em pleno domingo no cruzamento da avenida Prudente de Morais com a rua Militão Chaves, em Candelária, quando todos os semáforos do local ficaram sem funcionar das 9h da manhã até o início da noite. Não se viu um só “amarelinho”.

 

Trânsito II

Agora que o governo do estado conseguiu oficializar a licitação publicitária e destinar uma verba específica para o Detran, bem que poderia lançar uma campanha em parceria com a STTU para educar os motoristas de Natal, culpados em 60% dos problemas.

 

Trânsito III

Os constantes congestionamentos em Natal não podem ser depositados apenas na conta do poder público. Os motoristas contribuem muito para o caos, conduzindo lentamente na pista esquerda, formando filas duplas nos retornos e nas portas das escolas.

Compartilhar:
    Publicidade