O Crack, acredite, já chegou a 87% dos municípios do Rio Grande do Norte

Os dados foram fornecidos pelo Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp)

1601091_681437508582764_3135182158551215182_n

Marcelo Lima

Repórter

O Rio Grande do Norte faz parte do programa e combate ao uso de drogas “Crack, é possível vencer” há quase um ano – desde maio de 2013. Até agora os resultados mais avançados do programa são as ações de repressão, classificada como “eixo autoridade”. O Estado conseguiu dois ônibus de videomonitoramento no valor de R$ 700 mil cada.

“O nosso maior resultado foi a obtenção dos recursos de R$ 30 milhões para o Estado”, disse Sonali Rosado coordenadora estadual do programa. E os potiguares têm mesmo que se preocupar com a questão. Segundo a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Rio Grande do Norte (Sesed/RN), o crack já chegou a 87% dos 167 municípios norte-rio-grandenses.

Por enquanto, os resultados mais efetivos se vêem na área de segurança pública na capital. Os dois ônibus estão em campo nos bairros de Nossa Senhora da Apresentação, Zona Norte de Natal, e Felipe Camarão na região Oeste. De acordo com representante da Secretaria Estadual de Segurança Pública do Rio Grande do Norte (Sesed) e ponto focal do programa no Estado, Ana Paula Dantas, os bairros receberem esse aporte depois de um estudo da mancha de criminalidade na capital.

A análise não se restringiu aos crimes diretamente relacionados com o tráfico de drogas. Os dados foram fornecidos pelo Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp). “Foi levado em consideração a maior incidência criminal, sobretudo de homicídios”, explicou Ana Paula Dantas.

Mas os ônibus não vieram sozinhos. Conforme a representante da Sesed no programa, cada bairro terá 20 câmeras de monitoramento instaladas. As regiões consideradas como cenas de uso de drogas deverão os pontos mais visados. Também fazem parte do pacote duas motocicletas e mais duas viaturas de policiamento para cada bairro.

Além disso, armas de baixo potencial ofensivo serão utilizadas: armas de condutividade elétrica (mais conhecida como taser) e espargidores de pimenta (sprays). Para lidar diretamente no “Crack, é possível vencer”, 167 agentes de segurança pública foram capacitados, sem contar nos guardas municipais que também receberam treinamento.

A previsão de Ana Paula Dantas é que estrutura semelhante a essa chegue aos municípios de Mossoró e Parnamirim até setembro deste ano. Cada cidade receberá um ônibus de videomonitoramento e sua respectiva estrutura de apoio. Dos R$ 30 milhões dos quais o Estado tem direito, R$ 7 milhões serão investidos na área de Segurança Pública – eixo autoridade.

Atendimento na rede de Saúde

O programa é segmentado em três eixos: prevenção (educação, esporte, cultura e assistência social), cuidado (Saúde) e autoridade (Segurança Pública). O eixo com mais recursos no Rio Grande do Norte é o que prioriza atendimento dos dependentes químicos. Dos R$ 30 milhões destinados ao RN pelo programa de combate ao uso de drogas, o eixo cuidados ficará com cerca de R$ 21 milhões.

No entanto, os resultados das ações em Saúde Pública ainda são tímidos. Por enquanto, a mais evidente é o encaminhamento dos pacientes que procuravam o Hospital Psiquiátrico João Machado para a Unidade de Pronto-atendimento (UPA) de Pajuçara. Mas há diversos outros projetos para o atendimento.

De acordo com a técnica da Secretaria de Saúde Pública (Sesap) Liege Uchoa, as cidades de Parnamirim e Mossoró receberão um Centro de Atendimento Psicossocial (Caps) 3 AD (para pessoas dependentes químicas) 24 horas, um consultório na rua, leitos para internação em hospitais-gerais e unidades de acolhimento. Essas unidades darão continuidade ao tratamento iniciado nos Caps.

Na capital, a diferença é que em cada distrito regional de saúde da cidade haverá um Caps AD para atendimento de dependentes químicos durante 24 horas. Atualmente só existe um Caps AD 24 horas na zona Leste. “Temos o cuidado para que o paciente não seja segregado. Não ter essa saída das drogas abruptamente”, ressaltou Liege Uchoa, esclarecendo que o atendimento se baseará na política de redução de danos dos usuários.

“O eixo prevenção está sendo organizado pelo RN Vida [programa estadual de combate às drogas] no Caic de Lagoa Nova”, informou Sonali Rosado. Segundo ela, 400 crianças têm atividades esportivas e culturais no local. Representantes dos municípios pactuados e órgãos estaduais se reuniram hoje pela manhã na Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) no bairro de Cidade Alta. O encontro serve para avaliar o andamento do programa nos municípios.

Compartilhar:
    Publicidade