O novo efeito PT

Anote Senhor Redator, e releve o excesso de convicção que, em política, não é boa conselheira: a entrevista do deputado…

Anote Senhor Redator, e releve o excesso de convicção que, em política, não é boa conselheira: a entrevista do deputado Fernando Mineiro se fosse o produto de um ‘combinemos’ – será? – não teria sido tão certeira como forma lógica de reservar a vaga de senador na chapa majoritária: retira a candidatura do PT ao governo, reconhece o PMDB como principal aliado a partir de Brasília e o direito de indicar o governador, e qualifica Wilma de Faria como adversária, hoje aliada à candidatura Eduardo Campos.

Não bastasse o peso político de declarar à Tribuna do Norte, jornal do deputado Henrique Alves, e sem que se negue ser um fato jornalístico, põe fim definitivo ao discurso petista de candidatura própria e joga no colo do PMDB a decisão entre Wilma de Faria e Fátima Bezerra. De um lado, a força wilmista que lidera as pesquisas; e, do outro, a coerência de reunir aliados e repetir, com Fernando Bezerra ao governo, a união capital e trabalho, modelo vitorioso de Lula com seu vice, o industrial José Alencar.

O desenho se completa, traço a traço, cingido rigorosamente ao campo político e com o cuidado não elencar a condenação do filho, mesmo sabendo que esse fato tem motivado reavaliações da presença wilmista como aliada. A entrevista do deputado Fernando Mineiro, ainda que possa ter origem longe, na orientação nacional do PT, tem força suficiente para afastar a ex-governadora sem deixar a impressão digital do veto, pela coerência mínima que irá precisar demonstrar do palanque de Eduardo Campos.

Não se pode omitir nessa perspectiva outro dado favorável à deputada Fátima Bezerra: o empate com a ex-governadora no cenário da pesquisa Consult quando confronta as duas como mais preferidas para o Senado. Não importa que a essa altura ainda seja relevante e decisivo o contingente de indecisos, mas vale o argumento que será menor quando amanhã a chapa ‘ficha-limpa’, com Fernando-Fátima, for lançada às ruas com a força dos dois partidos e com apoio de Dilma Rousseff lá e Garibaldi Filho aqui.

Mesmo que em política nada se processe de forma definitiva a uma distância tão grande da hora das convenções, os sinais mostram que o PT armou seu jogo ao sepultar o discurso de candidato próprio.  Se a conversa Henrique-Fernando aconteceu, como sustentam algumas fontes, e se Fernando aceitou as razões de Henrique de apostar na reeleição para um segundo mandato na presidência da Câmara, passa a ser inconsistente a chance de veto à decisão petista de apoiar um candidato pemedebista ao governo.

Apurado o ponto, resta uma única questão política de relevância: a decisão do PMDB de preferir Fátima Bezerra para o Senado e o direito de tentar convencer a ex-governadora Wilma de Faria a ser deputada federal numa chapa PMDB-PT-PSB, sem prejuízo de manter o palanque de Eduardo Campos no Estado. Mas, já sabendo de uma verdade inquestionável: Wilma não precisa de ninguém para ser deputada federal, nem candidata a governadora e definir, já de entrada, um segundo turno imprevisível.

 

CHAPA – I
De uma pitonisa moderna depois de consultar os búzios de Jacumã: ‘A chapa de 2014 será Fernando Bezerra para governador; Agnelo Alves como vice e Fátima Bezerra para o Senado’. Disse e benzeu-se.

JOGOU… – II
Outra vez os búzios sobre a urupema e disse, ainda, em voz baixa, como se temesse as artimanhas do Capeta: ‘O PT pode até ter candidato próprio ao governo, Fátima e Mineiro não serão. Falta ousadia’.

LIVRE – I
Deu no jornal Valor, primeira página: ‘Países ricos põem fim à era da austeridade’. Depois de três anos de cortes de custos a economia dos Estados Unidos e Espanha, por exemplo, assumem novos avanços.

EM – II
Compensação, o Brasil, segundo o mesmo Valor, bate um recorde inesperado: foram vendidos 35 aviões novos para executivos somando entre grandes e pequenos qualquer coisa da ordem de R$ 400 milhões.

ATENÇÃO
Estariam faltando só detalhes finais para a presença do empresário Flávio Azevedo na composição acionária do Novo Jornal, do jornalista Cassiano Arruda Câmara. Com pregos batidos e pontas viradas.

ABSURDO
De Nuremberg Ferreira de Souza, abaixo identificado, recebemos a carta transcrita na íntegra, e que revela o desprezo do poder público para com a vida dos precisam de remédios. É inacreditável. Leiam:

 

Prezado Vicente Serejo,

Li na sua Coluna do Jornal de Hoje, do dia 02/01/14, a matéria: “Contas: o prefeito Carlos Eduardo Alves fechou 2013 com todas as contas pagas e dinheiro em caixa. E com uma reserva de caixa que deixa a prefeitura com capacidade de pagamento dos compromissos em dia.” por ironia no dia seguinte fui ao SUS da Ribeira receber a medicação para a minha filha de 11 anos de idade que é diabética e “NÃO” recebi nada do que a própria Justiça determinou, bem como as insulinas denominadas de Lantus e Humalog, as lancetas e as fitas, tudo isso necessário para a medicação diária do diabético. Não é uma ironia? Parece que a mensagem de Feliz ano Novo de Carlos Eduardo só foi endereçada para os sãos de saúde e esqueceu-se dos diabéticos. Não se justifica a falta dos medicamentos por falta de dinheiro (só lembrando os altos impostos do IPTU arrecadados), bem como você noticiou que a prefeitura pagou todas as contas de 2013 e tem saldo para contrair novas dívidas. Ainda alegar que é problema de licitação é conversa fiada. Desde o mês de junho último vinha faltando à entrega de um ou outro medicamento por causa de contrato da época de Micarla que era viciado, etc., e foi feita nova licitação, assim argumentam os funcionários da prefeitura, isso não convence mais, é pura balela. Não é maquiavelismo faltar remédio justamente quando a Justiça está de recesso? Não podemos nem recorrer para cobrar o que a lei estabelece. Só resta dizer que o prefeito está arrodeado de incompetentes na pasta da Saúde. Que calamidade é esta na Saúde se tem dinheiro para gastar com Copa e com contratos vultuosos de cantores nos festejos natalinos? Vamos deslocar recursos orçamentários da pasta dos festejos para a Saúde e não ao contrário! Senhor prefeito, os diabéticos querem também chegar vivos até a Copa do Mundo, pense nisso! Vamos arrumar a casa também para os que vivem nela! Senhor chefe do município, massacrando os dependentes de remédios diariamente, como os diabéticos, o senhor Alves pretende ainda ser governador? Com a palavra Carlos Eduardo:…

a) Nuremberg Ferreira de Sousa (Rua N. Senhora de Lourdes, 227, Tirol, Natal, CEP 59015.260).

Compartilhar: