“O que realmente me aborrece é o barulho em plenário”, critica Eleika

A vereadora, 70 anos, é integrante de tradicional família do Seridó e a mais experiente de todos os vereadores da CMN

O JORNAL DE HOJE – Quais as suas expectativas para o ano legislativo de 2014?
ELEIKA BEZERRA – Expectativa que a Câmara melhore seu desempenho. Houve progresso, mas ainda há muito o que avançar, inclusive na transparência. Politicamente, o maior feito desta Casa Legislativa nesse ano foi a derrubada do voto secreto, dando a possibilidade da população identificar as posições de seus representantes.

JH – A Câmara Municipal de Natal cumpriu sua missão no ano que passou?
EB – Parcialmente. Há pendências como a falta do concurso público, a publicidade de onde estão lotados todos os Assessores Parlamentares Municipais (APMs) o que foi solicitado por nosso mandato no primeiro mês da atual Legislatura. Além disso, o estranho dispositivo legal que permite a “eleição antecipada” da Mesa Diretora conseguiu ser mantido, por enquanto.

JH – Na condição de vereadora de primeiro mandato, o que lhe agradou e o que lhe aborreceu no parlamento?
EB- O que me agradou foi a possibilidade de dirigir uma Comissão de Educação indicando assessores com capacidade para tal, o que permitiu um trabalho efetivo, reconhecido por muitos, e com desdobramentos para atuação parlamentar. Também, a aprovação de dois projetos de lei (valorização dos autores potiguares e mural da transparência nas escolas), a realização de audiências públicas sobre deficientes, idosos, Plano Municipal de Educação, Programa Mais Educação;  Presidir a Frente Parlamentar em Defesa do Livro e da Leitura, iniciativas em favor do idoso, aprovação das emendas ao PPA, realização de pesquisa sobre a realidade das escolas e CMEIs no município de Natal. Resta ao vereador cumprir o seu papel de não só legislar como também fiscalizar. O que me aborrece é, em algumas ocasiões,  o barulho em plenário, a falta de clareza de alguns procedimentos da Mesa Diretora, no que diz respeito à condução dos trabalhos. Um outro aspecto a ressaltar é que nem sempre  prevalece  o mérito das questões em pauta e sim, outras conveniências.

JH – Na sua opinião, o conceito da Câmara Municipal de Natal melhorou junto à população natalense a partir do trabalho de vocês?
EB – Acreditamos que sim. Evidente que ainda tem muito o que melhorar, mas foram instaladas discussões positivas para a cidade, como a questão do Passe Livre e a abertura do diálogo com a população através da realização de audiências públicas.

JH – Os vereadores de primeiro mandato deram uma nova dinâmica aos trabalhos legislativos?
EB – Não há dúvidas, até pela diversidade de posições politicas que enriquecem os debates. Observamos que são parlamentares que se posicionam com bem mais autonomia. Sinto-me parte da fração dos independentes.

JH – Como a senhora analisa os momentos de tensão provocados por invasões e depredações provocadas por integrantes dos chamados movimentos sociais?
EB – Evidente que as manifestações são salutares, desde que civilizadas. Em alguns momentos ocorreram excessos, falta de civilidade, o que revela a necessidade de aprendizado do que seja um processo democrático. Vivemos numa democracia insipiente, imatura.

JH – Que avaliação a senhora faz da atual gestão municipal nesses 12 meses de mandato do prefeito de Natal, Carlos Eduardo?
EB – Tentando acertar. É inegável que estamos diante de alguns avanços.

JH – Como foi o relacionamento entre os dois poderes no ano de 2013?
EB – De um modo geral positivo. Enfrentamos algumas dificuldades em relação a Secretaria Municipal de Educação. Ressalto a demonstração de autonomia da casa quando da derrubada de determinados vetos.

JH – Os serviços públicos continuam precários ou houve melhoras em alguns setores?
EB – Avanços aconteceram, dada a situação precária que a cidade se encontrava. Porém, atingir um patamar de excelência requer um tempo muito maior, não será em um ano de trabalho.

JH – Qual a sua opinião sobre o Arena das Dunas e as obras de mobilidade que estão sendo feitas na capital?
EB – Sobre a Arena das Dunas, posicionei-me contra a derrubada do Machadão, porém está feito! É uma bela obra, porém me preocupa sua manutenção e seu custo para a população. Com relação as obras de mobilidade, são obras importantes para a cidade, que já deveriam ter acontecido antes da Copa do Mundo.

rthtrhs

Compartilhar: