Objetos recuperados no Índico não pertencem ao avião desaparecido

Buscas pela aeronave da Malaysia Airlines foram intensificadas neste domingo (30)

O chefe da Marinha Ray Grigg (esq) dá detalhes à imprensa sobre a operação de busca pelo avião desaparecido. Foto: Divulgação
O chefe da Marinha Ray Grigg (esq) dá detalhes à imprensa sobre a operação de busca pelo avião desaparecido. Foto: Divulgação

A AMSA (Autoridade Australiana de Segurança Marítima), que coordena as buscas pelo avião da Malaysia Airlines no Oceano Índico, confirmou neste domingo (30) que os objetos recuperados em frente à costa da Austrália Ocidental não pertencem à aeronave desaparecida no último dia 8.

A AMSA explicou ser mais provável que estes objetos, recuperados no sábado (29) por um navio chinês, sejam lixo ou artigos de pesca.

A busca pelo avião da Malaysia Airlines, em uma área de 319 mil quilômetros quadrados, continuará hoje enquanto as condições meteorológicas permitirem, pois estão previstas chuvas leves e céu encoberto.

Na área já estão uma embarcação australiana e outros três navios da China. Outras seis embarcações devem chegar ao ponto para buscar e recuperar os objetos avistados pelos aviões há dois dias, informou a AMSA.

Outra embarcação australiana, Toowomba, partiu ontem de Perth e deve chegar em três dias à área, e o Ocean Shield, que leva um detector de caixas-pretas e um veículo submarino não-tripulado, sairá da capital da Austrália Ocidental.

O ex-chefe das Forças Armadas da Austrália, Angus Houston, dirigirá em Perth o Centro de Coordenação de Agências Conjuntas, criado recentemente para resgatar o avião, embora a Malásia continue a ser a responsável pela busca de acordo com as leis internacionais.

“Na medida em que nossas responsabilidades aumentam com o tempo, não há pessoa melhor que Angus para coordenar e se relacionar com a grande quantidade de países que participam desta busca”, disse o primeiro-ministro australiano, Tony Abbott, em Sydney.

Houston coordenará os contatos diplomáticos, muitas vezes delicados, entre os envolvidos nas buscas, e irá assegurar que as famílias recebam todas as informações e a assistência necessária.

O voo MH370 decolou de Kuala Lumpur com 239 pessoas a bordo na madrugada de 8 de março com destino a Pequim e desapareceu dos radares civis da Malásia cerca de 40 minutos após a decolagem.

Fonte: R7

Compartilhar: