Obras de acessos ao novo aeroporto permanecem paradas desde julho

Desde julho, nada foi feito para concluir projeto

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Carolina Souza

acw.souza@gmail.com

 

Várias obras, um Governo de braços cruzados diante da burocracia e o mesmo problema de sempre. A finalização dos acessos ao Aeroporto Internacional de São Gonçalo do Amarante, que contempla obras fundamentais para amenizar o problema de trânsito e modernizar o complexo viário em volta do terminal de passageiros, continua em xeque, sem data para ser concluída. Com os cronogramas de trabalhos atrasados, desde o mês de julho que não se vê máquinas e homens em campo.

Para que o complexo viário esteja completamente pronto, é necessária a finalização da duplicação do acesso Norte através da BR-406, sentido Natal – Ceará Mirim, até o anel viário da Via Metropolitana; dois viadutos, duas pontes e a implantação e pavimentação do acesso Sul, que fará a intersecção do aeroporto com Macaíba, na altura da BR-304.

Na manhã desta segunda-feira (25) o Jornal de Hoje percorreu os acessos e viu que muito serviço ainda precisa ser feito. A construção de um viaduto no anel viário da Via Metropolitana, que interligará as BRs 406 (sentido Ceará-Mirim), 304 (Macaíba) e a estadual RN – 160 (São Gonçalo do Amarante), foi interrompida pela metade, quando os pilares centrais do viaduto começaram a ser erguidos.

A equipe de reportagem deste vespertino procurou o Departamento de Estradas de Rodagem do Rio Grande do Norte (DER-RN) para atualizar o estágio das obras, mas não conseguiu nenhuma informação a respeito do atual cenário. Através da assessoria de imprensa, o diretor do órgão, Demétrio Torres, disse que não tinha disponibilidade para repassar as informações, prática comum do auxiliar da governadora Rosalba Ciarlini desde o início da sua administração. Ainda segundo a assessoria, apenas Demétrio poderia responder aos questionamentos.

Para chegar ao novo aeroporto internacional do Rio Grande do Norte, o caminho mais indicado é pela BR-406. Com as obras da duplicação e do viaduto no local – que deveriam ficar prontas antes do início da Copa do Mundo – o motorista precisa dar uma volta no anel viário para entrar à esquerda na via. O acesso Norte está sinalizado e iluminado até a entrada do terminal.

Sobre a construção do acesso Sul, que tem 17 quilômetros de extensão, o DER não chegou a informar a previsão da conclusão. O acesso cortará duas fazendas até estancar em um braço de água do Rio Potengi. Nos quilômetros iniciais depois da rotatória do aeroporto, é possível ver que o terreno passou por terraplanagem. Entretanto, parte da estrada ainda esbarra na vegetação.

Investimento

A obra dos acessos foi licitada em 2009, mas só teve início em agosto de 2013. O projeto, orçado em R$ 73 milhões, prevê a construção de 33,7 quilômetros de estrada duplicada, ligando o aeroporto à BR-406 pelo acesso Norte e às BRs 304 e 226 pelo acesso Sul. A iluminação e a sinalização dos acessos são por conta da Prefeitura de São Gonçalo do Amarante, que investiu R$ 1,9 milhão no projeto.

O Aeroporto Internacional Governador Aluízio Alves, em São Gonçalo do Amarante, é o primeiro do país a ser concedido inteiramente ao setor privado. O Consórcio Inframérica, formado pelo grupo Engevix e pelo argentino Corporación America, venceu o leilão que concedeu ao grupo o direito de construir, manter e explorar o novo aeroporto do RN. O lance pago pelo consórcio no leilão , em agosto de 2011, foi de R$ 170 milhões.

O contrato de concessão foi assinado pela presidenta Dilma Rousseff em novembro de 2011. A partir daí, o grupo teria até três anos para construir os terminais e um prazo de mais 25 anos para exploração. A construção do terminal, no entanto, levou menos tempo que o previsto em contrato, o que viabilizou a inauguração do terminal antes da Copa do Mundo. Segundo o Consórcio Inframérica, foram investidos R$ 500 milhões na construção do novo aeroporto.

Compartilhar:
    Publicidade