Obras do Pró-transporte deverão ter novo traçado na Moema Tinôco

As novas definições foram acordadas em audiência realizada na sexta-feira (13) com vários representantes do Poder Público

Nova concepção para o projeto propõe um novo traçado da avenida, se afastando da Lagoa Azul e do manancial Rio Doce. Foto: José Aldenir
Nova concepção para o projeto propõe um novo traçado da avenida, se afastando da Lagoa Azul e do manancial Rio Doce. Foto: José Aldenir

Às vésperas de completar dois meses do início das obras do Pró-Transporte, pouca coisa foi feita na avenida Moema Tinôco, na zona Norte de Natal. As obras foram paralisadas no início do mês por recomendação do Ministério Público, por meio da Promotoria do Meio Ambiente, interditando dois pontos críticos em que foi averiguado dano ao meio ambiente.

A secretária estadual de Infraestrutura, Kátia Pinto, informou que já foram atendidas todas as reivindicações do Ministério Público e do Idema e que amanhã será apresentado o termo de referência para elaboração de um novo estudo para construção de plano de recuperação ambiental e adaptação do projeto inicial, com um novo traçado que desviará dos sistemas hídricos da localidade. Enquanto isso, técnicos da SIN estão concluindo o trabalho de levantamento topográfico nas áreas que compreendem o Pró-Transporte.

As novas definições foram acordadas em audiência realizada na sexta-feira (13) entre o Ministério Público, Secretaria do Estado de Infraestrutura (SIN), Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo (Semurb) e Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (Idema). Na reunião, a SIN apresentou uma nova proposta de traçado da via e repassou para o Idema e Semurb um Plano de Recuperação de Área Degradada (Prad), a ser analisado pelos órgãos e executado pela Secretaria.

De acordo com Kátia Pinto, uma nova concepção para o projeto já vinha sendo discutida há 30 dias, em que se propõe um novo traçado da avenida, se afastando da Lagoa Azul e do manancial Rio Doce. No projeto inicial, a obra seguia pela estrada até próximo a BR-101, onde se deslocava em curva por outra estrada carroçável, entre terrenos, até alcançar a via federal. O novo traçado sai do eixo da Moema Tinoco na altura da Lagoa Azul e adentra em um terreno particular seguindo reto até a BR-101.

“A extensão é bem menor, elimina as curvas e se afasta do manancial do Rio Doce e também da lagoa. Obras viárias são rápidas e atendemos todas as reivindicações em tempo hábil. Esperamos que até o final do mês de janeiro já possamos estar mexendo em terra no novo traçado que está sendo elaborado. Facilmente conseguiremos recuperar esse tempo de atraso”, destacou a secretaria Kátia Pinto.

Na manhã de hoje (26), as máquinas estavam paradas e não havia nenhuma equipe de campo no local onde as obras estão sendo executadas. A secretária Kátia Pinto informou que a paralisação das máquinas se deve pelo recesso de final de ano dos operários da construção civil. “Mas não estamos completamente parados. Estamos concluindo o levantamento topográfico da região e colocando as estacas para delimitar as áreas”, informou Kátia Pinto. A SIN já concluiu o projeto de retirada dos postes e encaminhou para a Cosern, que ainda não concluiu a análise.

No dia 10 deste mês, o Ministério Público foi até o local onde as obras transcorriam para analisar as ações próximas a uma região de lagoa e dunas, na zona Norte de Natal, em trecho que será mais um acesso entre a região e BR-101 norte. Contudo, a promotora Gilka da Mata recomendou ao Governo que suspendesse as intervenções devido à ausência de um estudo sobre o impacto ambiental na área. A sugestão foi acatada e, após reunião realizada no dia 13, ocorreu o entendimento.

A secretária Kátia Pinto explicou que as ações no local sofreram mudanças justamente para diminuir o dano ambiental. Dúvidas sobre drenagem na via em construção também foram dirimidas, assim como as alterações necessárias que foram observadas somente durante o curso das intervenções. No entanto, o Ministério Público ainda quer informações sobre a região.

Compartilhar: