Obras públicas devem faturar 40% a mais no ano da Copa no RN

O mesmo não se pode dizer do mercado da construção civil, que aguarda o fim das obras de mobilidade

A padronização das calçadas em Natal é só um exemplo. Hoje, o mercado da construção civil em Natal movimenta mais de R$ 3 bilhões por ano. Foto: Divulgação
A padronização das calçadas em Natal é só um exemplo. Hoje, o mercado da construção civil em Natal movimenta mais de R$ 3 bilhões por ano. Foto: Divulgação

O segmento de obras públicas em Natal, que movimentaram alguma coisa ao redor de R$ 2 bilhões em 2013, deve sofrer um incremento de 40% em 2014 com o início do viaduto em Ponta Negra e as intervenções na área de saneamento por toda a cidade.

Hoje, o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Rio Grande do Norte (Sinduscon-RN), Arnaldo Gaspar Júnior, que é empreiteiro de obras, disse que o conjunto de investimentos ligados ao evento da Fifa é responsável pelas notícias “alvissareiras” colecionadas pelo segmento de obras públicas.

O mesmo não se pode dizer do mercado da construção civil, que aguarda em compasso de espera o fim das obras de mobilidade para saber como serão os negócios durante e depois da Copa do Mundo.

Para  a vice-presidente do Sinduscon-RN, Larissa Gentile, que integra a diretoria de uma tradicional construtora potiguar que acaba de realizar lançamentos, a expectativa inicial é que o mercado de imóveis na capital repita em 2014 o desempenho contido de 2013. Nada parecido, portanto, com os anos anteriores de grandes e rápidas vendas.

Contudo, ela explica que é assim que funciona o mercado. “De repente, as vendas começam a subir e as empresas terão de apresentar novos produtos para fazer frente à demanda”. E acrescenta: “Infelizmente não tenho bola de cristal para saber exatamente quando isso vai acontecer”.

Hoje, o mercado da construção civil em Natal movimenta mais de R$ 3 bilhões por ano, incluindo o programa Minha Casa, Minha Vida, do Governo Federal, responsável pelos grandes números do setor. Por enquanto, isso estará à cargo das obras públicas.

Compartilhar: