Oito ano depois, obras do hotel da BRA podem ser retomadas na Costeira

Hotel da BRA está abandonado desde a antiga gestão do prefeito Carlos Eduardo, quando um andar foi construído acima do limite permitido pelo Plano Diretor

Hotel-BRA---Via-Costeira-JA

Marcelo Hollanda

hollandajornalista@gmail.com

Dependendo do resultado de uma reunião do grupo misto que estuda a situação do antigo hotel da BRA, na Via Costeira, cujas obras estão paralisadas desde 2006, a rede de hotéis Infinity, dona do empreendimento, pretende dar entrada ainda em junho na Secretaria de Meio Ambiente e Urbanismo (Semurb) com pedido para demolição de parte da área que determinou a interdição. O encontro está agendado para o próximo dia 3, uma terça-feira, em local a ser determinado.

Hoje, fontes ouvidas pelo O JORNAL DE HOJE disseram que a intenção do grupo, que já investiu na obra paralisada há oito anos cifra superior a R$ 50 milhões, é retomar imediatamente os trabalho, mas desta vez a orientação é esperar um sinal verde de todas as autoridades para que nenhuma nova surpresa surja no caminho.

O novo projeto para o hotel, assinado pela arquiteta Viviane Teles, está de acordo com o Plano Diretor de Natal e, inclusive, cria uma área para a livre circulação de pessoas, inédito no Nordeste, com toda a iluminação gerada por energia solar. Desta vez, ao contrário do que aconteceu há uma década, ambientalistas, Semurb e o próprio prefeito Carlos Eduardo concordam com a formatação final do projeto de readequação urbanística do local.

Paralisado por desrespeitar o Plano Diretor da cidade com a construção de um andar a mais do que o permitido pelo gabarito da área, o hotel foi o pivô de um confronto aberto entre o grupo que na época controlava a empresa aérea BRA, presidido pelo empresário Humberto Folegatti, e o prefeito Carlos Eduardo.

No ano passado, um novo entendimento começou a ser costurado pelo secretário Fernando Bezerril, de Turismo e Desenvolvimento Econômico do município, junto ao irmão de Humberto, Walter Folegatti, resultando na retomada do empreendimento. Walter, presidente do grupo Infinity, retomou o diálogo dizendo, inclusive, que tinha um plano pessoal de se transferir para Natal. Além da capital potiguar, o grupo possui hotéis em Porto Seguro, Campina Grande e Recife.

O relacionamento entre os donos da antiga BRA e o prefeito Carlos Eduardo começou a se deteriorar, no passado, quando Humberto Folegatti, então presidente da companhia aérea, enviou advogados para tratar do problema na Semurb. Nessa época, o prefeito deu a entender que não se intimidaria com esse tipo de investida numa frase emblemática – “Natal tem dono” – dita durante um evento na Federação da Indústria.

Nesse meio tempo, Walter Folegatti, então vice-presidente da BRA, recebeu na tarde da última sexta-feira, recebeu, por proposição do vereador Hermano Morais (PMDB), o Título de Cidadão Natalense pelos “relevantes serviços prestados à cidade através dos investimentos e da geração de empregos”.

Na ocasião, a solenidade de entrega da homenagem foi presidida pelo então vereador Rogério Marinho e prestigiada pela, na época, governadora do Estado, Wilma de Faria (PSB), atual vice de Carlos Eduardo na Prefeitura; senador Garibaldi Alves Filho (PMDB), ex-governador Lavoisier Maia, secretários de governo, vereadores, familiares, amigos e funcionários do homeageado. Até o então governador da Paraíba, Cássio Cunha Lima (PMDB), foi representado no ato pelo secretário executivo de Turismo, Gilberto Lima-Giba. Nada disso demoveu Carlos Eduardo que manteve o embargo.

Compartilhar:
    Publicidade