Onda ou marolinha – Danilo Sá

Fernando Rodrigues Colunista da Folha de S. Paulo   Há alguns anos Dilma Rousseff costumava guardar em seu laptop ou…

Fernando Rodrigues

Colunista da Folha de S. Paulo

 

Há alguns anos Dilma Rousseff costumava guardar em seu laptop ou tablet réplicas de quadros que admirava. Ela gosta muito de “A grande onda de Kanagawa”, do japonês Hokusai, com o mar se levantando, revolto e incontrolável, para tragar embarcações flutuando à sua frente. É uma onda semelhante que pode – ou não – estar se formando agora na sucessão presidencial.

A chegada de Marina Silva como candidata do PSB, no lugar de Eduardo Campos, vai se transformar num maremoto indomável? É ingenuidade negar essa possibilidade só com argumentos racionais. Pouco tempo de TV, alianças regionais capengas ou partido desunido são elementos relevantes. Só que quando uma onda se forma, é difícil detê-la.

Num ambiente de tsunami eleitoral, dados cartesianos às vezes são desprezados pelo eleitor. Discussões dialéticas descem para o segundo plano da política. Em 1989 foi um pouco assim. É evidente que Fernando Collor de Mello não tem nada a ver com Marina Silva. Mas houve uma grande onda na primeira eleição presidencial direta pós-ditadura. Qualquer pessoa mais bem informada sabia o que viria com o candidato “collorido”. Venceria a inorganicidade da política, o voluntarismo. A onda venceu. E deu no que deu.

Vale ressaltar: Marina Silva não é Collor, nem de longe. Mas agora, tal qual em 1989, ela tem como sua principal força motriz o desejo difuso de mudança. Uma sensação de que o Brasil até melhorou, mas pode avançar muito mais se houver uma troca geral do establishment político que manda no país há décadas. Dilma mostrou ontem na TV hidrelétricas, estradas e aeroportos. O PSB apareceu apenas homenageando Eduardo Campos, seu líder morto em 13 de agosto, quarta-feira passada.

Assim será a campanha. Razão X emoção. É impossível ainda prever se o PSB e Marina serão bem-sucedidos ou se a onda de hoje se transformará em marolinha mais adiante. (Publicado dia 20/08/2014)

MIDIÁTICO

O primeiro dia de horário eleitoral gratuito no rádio e na TV expôs, mais uma vez, a competência do PT em vender aos telespectadores as suas “conquistas”. O programa do partido da presidente Dilma Rousseff foi perfeito do início ao fim. Um verdadeiro “arrasa quarteirão”, bastante beneficiado, inclusive, pela sobra de tempo com relação aos principais adversários.

DEVASTADOR

Diante do que foi mostrado na TV, teve muito tucano que respirou aliviado com o fato de Marina Silva ter entrado no jogo e, de certa forma, já ter garantido a realização de um segundo turno. A esperança é passar para essa fase decisiva da disputa, quando os dois candidatos terão direito ao mesmo tempo nas emissoras, 15 minutos. Aí, será um duelo de marketing pelo voto do povo.

FURADA

Não pegou bem a ausência do vice-governador Robinson Faria no debate promovido pelo colégio Contemporâneo, ontem. O candidato a sucessão de Rosalba levou falta porque, na noite anterior, estava inaugurando seu comitê de campanha em Mossoró. Não deu tempo de voltar da capital do Oeste para cumprir o compromisso agendado por seus assessores junto aos alunos.

EMPAREDADO

Robinson escapou de ser emparedado pelos estudantes. Destaque para a pergunta feita a Henrique Alves. Um dos jovens quis saber porque o parlamentar criticava tanto o sistema atual do poder público, os problemas na educação, entre outros, mesmo tendo feito parte das últimas administrações e tendo sido eleito por 11 mandatos para a Câmara. Foi “conivente”, disse o rapaz.

GIRA MUNDO

A candidata do PSB à Presidência da República, Marina Silva, impôs restrições a alguns dos acordos regionais costurados com o PSDB por Eduardo Campos, seu antecessor na cabeça de chapa morto na quarta-feira da semana passada após a queda de seu avião. Dos 14 palanques estaduais que Campos articulou para sua campanha, Marina e seus aliados da Rede decidiram que pretendem ficar longe de pelo menos dois: São Paulo, com Geraldo Alckmin, e Paraná, com Beto Richa.

EVENTO

A Petrobras realiza na próxima terça-feira, 26, a 15ª edição do Prêmio Melhores Fornecedores de Bens e Serviços ao RN e CE. O evento ocorrerá no Espaço Nelma Leão, em Natal. Nove categorias serão premiadas: quatro como fornecedores de bens e cinco como fornecedores de serviços. A iniciativa busca valorizar as empresas que prestam serviços e fornecem materiais com qualidade técnica, logística e comercial, seguindo os padrões de segurança, meio ambiente e saúde da Petrobras. O reconhecimento aos fornecedores fortalece as parcerias com a companhia.

INVESTIMENTO

A EXPOMETAL Empresa de gôndolas e expositores, lançou uma mesa para exposição de notebooks e celular, com um design moderno e bastante funcional. A mesa acompanha tomadas e filtros de linha embutidos e um sistema de iluminação em LED. A estrutura metálica pode ser produzida na cor prata ou branca e o revestimento de ACM em diversas cores. A mesa possui 2,50 x 1,0 x 1,0 m. Maiores Informações no www.expometal.com.br.

INSEGURANÇA

A segurança na Praça Gentil Ferreira, no Alecrim, ponto de grande fluxo de pessoas diariamente, tem reforço da Guarda Municipal de Natal e a Secretaria Municipal de Segurança Pública e Defesa Social pretende incrementar a atuação naquele setor. O secretário Paulo César Ferreira da Costa visitou o local e quer reativar o posto de segurança. Uma atitude básica e que já deveria ter sido tomada há muito tempo. O Alecrim continua carente do poder público.

Compartilhar:
    Publicidade