Integrantes da torcida Máfia Vermelha são presos por morte de abcedistas

Entre os presos está o presidente da torcida organizada, Victor Vinícius

Delegada Alzira Veiga detalhou para a imprensa como foram concretizadas as investigações em torno do crime. Presidente da Máfia Vermelha foi preso, assim como outros nove integrantes da principal torcida organizada do América. Foto: Wellington Rocha
Delegada Alzira Veiga detalhou para a imprensa como foram concretizadas as investigações em torno do crime. Presidente da Máfia Vermelha foi preso, assim como outros nove integrantes da principal torcida organizada do América. Foto: Wellington Rocha

A Polícia Civil do Rio Grande do Norte prendeu na manhã de hoje 10 torcedores do América, supostamente envolvidos com o crime que matou o torcedor abcedista, Flávio Augusto da Costa, 17 anos, no dia 15 de novembro de 2013, próximo a BR-101, no bairro de Neópolis, na zona Sul da capital. A operação denominada Clássico Rei cumpriu mandados de busca e apreensão em duas residências no conjunto Cidade Satélite e um apartamento, em Neópolis. Foram apreendidas armas, drogas e uma jovem menor de idade. Todos eram integrantes da principal torcida organizada americana, a Máfia Vermelha.

De acordo com a delegada Alzira Veiga, titular da 10ª DP e chefe da operação, o principal suspeito de atirar contra o torcedor Flávio Augusto foi identificado como Victor Vinícius de Moura, 26 anos, presidente da torcida organizada Máfia Vermelha, ele estava sozinho em uma casa no conjunto Cidade Satélite. Com ele foi encontrada uma pistola calibre 380, similar a arma utilizada na execução do crime. A polícia investiga se são as mesmas armas.

Em outra residência do bairro, cinco indivíduos foram presos, entre eles o motorista do veículo que deu cobertura para Victor na noite do crime. Fhewchtersmuller Júnior da Rocha, 23 anos, mais conhecido como “guinho”, é apontado como um dos principais envolvidos. Também foram presos, Marcio Madley Teixeira de Carvalho, 21 anos, Rubson Rafael Silva de Oliveira, a namorada Alessandra Gomes Duarte, 18 anos; e Luiz Henrique Silva dos Santos, 19 anos.

Em um apartamento em Neópolis, mãe e filha, foram detidas. Ana Paula Jucá Ribeiro foi encontrada com certa quantidade de drogas e uma balança de pressão. Com ela estava a filha, que é menor de idade e é namorada do “guinho”. Todos foram levados algemados para a 10ª DP, localizada no conjunto Pirangi. Adriano Barbosa de Moura, 32 anos, foi preso na operação, mas não responde pelo crime de homicídio do torcedor rival. Segundo a delegada Alzira Veiga, ele foi identificado como o fornecedor de armas para o grupo. Ele é suspeito de cometer vários homicídios no bairro de Mãe Luiza, zona leste de Natal. Também foi preso Romário Silva Macedo, 20 anos, suspeito de cometer três homicídios também no bairro da zona leste.

Sobre os crimes que vem acontecendo entre torcidas rivais, a delegada nega “a princípio”, que haja ligação ou acerto de contas. “Eles matam por instinto. Matam por matar. Não existe um motivo específico. Não existe alvo, existe torcedor vestido com camisa de clubes de futebol que estão sendo alvo, cada vez mais, desses criminosos”, afirmou a delegada Alzira Veiga.

“Estamos muito felizes em ter conseguido realizar essa operação com sucesso. Agradeço a todos os policiais envolvidos e principalmente a população que nos ajudou bastante ligando para o disque denúncia. Isso com toda certeza foi primordial para chegarmos a esses locais e efetuarmos as prisões com sucesso”, finalizou a delegada.

Relembre crime

O torcedor abcedista, Flávio Augusto da Costa, 17 anos, voltava para casa junto com o irmão e um amigo, após a partida ABC e ASA, no dia 15 de novembro de 2013, próximo a BR-101, no bairro de Neópolis. Os jovens foram alvejados por disparos de arma de fogo por indivíduos que estavam dentro de um veículo de cor preta. De acordo com a Polícia Militar, os três foram atingidos e socorridos ao pronto-socorro Clóvis Sarinho, mas Flávio Augusto não resistiu aos ferimentos e morreu. Os três vestiam camisetas da torcida organizada do ABC, o que pode ter motivado o crime.

Compartilhar: