Polícia Civil prende mulher acusada de matar marido por envenenamento

A vítima morreu no dia 20 de julho de 2010 depois de ser internada em um hospital

Acusada é Rosinera Bezerra da Silva. Foto: Cedida
Acusada é Rosinera Bezerra da Silva. Foto: Cedida

A equipe de policiais civis da Delegacia Especializada em Homicídios deflagrou na manhã dessa quarta-feira (26/02) uma Operação batizada de “Curare”, que teve como objetivo cumprir cinco mandados de busca e apreensão e um mandado de prisão temporário expedidos pela 3ª Vara Criminal de Natal. A ação resultou na prisão de Rosinera Bezerra da Silva, de 37 anos, acusada de matar o marido, o taxista Ivanildo do Carmo Silva, de 39 anos, por envenenamento.

A acusada foi presa no início da manhã no município de Serra de São Bento-RN. Já os mandados de busca e apreensão foram cumpridos na Zona Norte de Natal, ocasião em que foi presa em flagrante a irmã de Rosinera identificada como Rosineide Pereira dos Santos, que estava de posse de uma espingarda de fabricação caseira, sendo autuada por posse irregular de arma de fogo. Na operação, a Polícia Civil apreendeu ainda algumas substâncias químicas na casa de familiares de Rosinera, que passarão por perícia.

A vítima morreu no dia 20 de julho de 2010 depois de ser internada em um hospital. Na época, os médicos não conseguiram descobrir a causa do falecimento e atestaram morte natural. No entanto, a família do taxista desconfiou do laudo, já que a vítima não aparentava problemas de saúde e era jovem, então resolveram buscar a polícia. A partir disso, o caso foi designado para a Dehom, que pediu a exumação do corpo. “Nessa exumação foi identificada uma substância química geralmente usada em agrotóxicos e também usada para envenenamento de ratos, o chamado ‘chumbinho’, foi quando partimos a nossa linha de investigação para um homicídio”, explicou a delegada titular da DEHOM, Karla Viviane, que preside as investigações do caso desde 2012.

Para a delegada, Karla Viviane, o crime pode ter sido motivado porque a mulher queria ficar com o patrimônio do marido. “Ele possuía dois imóveis e três bandeiras de táxi em São Gonçalo do Amarante então desconfiamos que a motivação tenha sido patrimonial”, completou. O casal tem dois filhos pequenos, mas existe uma disputa judicial pela divisão dos bens do taxista, pois ele tem outra filha de um casamento anterior. A mulher nega as acusações.

A titular da Dehom acredita ainda que o envenenamento foi feito colocando as substâncias aos poucos na comida dele, pois o acusado já havia sido internado no hospital com sintomas diferentes outras vezes até vir a óbito, o que chamou atenção dos investigadores da Especializada. Além disso, a família de Rosinera é formada por agricultores, o que facilita o acesso a substâncias tóxicas. Um dos táxis da vítima que estavam em poder da esposa foi apreendido no final do ano passado, por estar transportando drogas. Rosinera deve responder por homicídio qualificado por emprego de veneno.

O nome Curare foi escolhido pela Polícia Civil por ser comum a vários compostos orgânicos venenosos conhecidos como venenos de flecha, extraídos de plantas da América do Sul.

Compartilhar:
    Publicidade