Operações da PF buscam 90 suspeitos de tráfico internacional de drogas

Operação Cavalo de Fogo tem 72 mandados de prisão em quatro Estados. Outra ação busca 23 suspeitos no RS

Veículos apreendidos ao longo de pouco mais de dois anos de investigação que resultou a operação Cavalo de Fogo. Foto: Divulgação PF
Veículos apreendidos ao longo de pouco mais de dois anos de investigação que resultou a operação Cavalo de Fogo. Foto: Divulgação PF

Agentes da Polícia Federal deflagram nesta quinta-feira (03) duas operações com o objetivo de reprimir o tráfico internacional de drogas. Na operação Cavalo de Fogo, os agentes tentam cumprir 72 mandados de prisão e 46 mandados de busca e apreensão em quatro Estado. Já na operação Panóptico, são 23 mandados de prisão e 18 de busca e apreensão em cidade gaúchas.

Segundo a PF, ao longo de pouco mais de dois anos de investigação em Foz do Iguaçu foram efetuadas 55 apreensões, a maioria de entorpecente oriundo do Paraguai. Foram apreendidos aproximadamente 37.000 quilos de maconha, 1.300 quilos de cocaína, 560 quilos de crack, três fuzis, 12 pistolas de calibre de uso restrito, 56 veículos e R$ 450.mil, em espécie, que seriam utilizados no pagamento de droga. Além disso, 84 indivíduos foram presos em flagrante.

As drogas apreendidas, fornecidas por narcotraficantes paraguaios, ingressavam no Brasil por meio de embarcações, pelo Lago de Itaipu e tinham como destino os Estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Bahia e Pernambuco.

As buscas estão sendo cumpridas simultaneamente em Foz do Iguaçu/PR, Santa Terezinha de Itaipu/PR, Guaíra/PR, Maringá/PR, São Paulo/SP, Limeira/SP, Vitória/ES e Poços de Caldas/MG.

Operação Panóptico

Policiais federais, com apoio da Brigada Militar, cumprem 23 mandados de prisão e 18 de busca e apreensão em Porto Alegre, Sapucaia do Sul, Novo Hamburgo, Santa Cruz do Sul, Campo Bom, Estância Velha e Farroupilha na Operação Panóptico.

De acordo com a PF, a investigação identificou que uma facção criminosa estabelecida no Rio Grande do Sul estava associada ao narcotraficante brasileiro conhecido como “Pavão”, detido no Paraguai, com o intuito de abastecer pontos de droga em Porto Alegre, Vale do Sinos e Santa Cruz do Sul. Os criminosos, apesar de presos no Rio Grande do Sul e no Paraguai, mantinham contato com freqüência, gerenciando o envio de drogas para o estado.

No decorrer da investigação, iniciada em 2013, a Polícia Federal prendeu 33 pessoas, apreendeu 1,2 tonelada de drogas, 165 mil reais em dinheiro, 24 veículos, entre eles um motor-home, um colete à prova de balas, diversas armas de calibre restrito, incluindo um fuzil AR-15, sete pistolas 9mm e uma submetralhadora.

Após várias interceptações de carregamentos de drogas pela Polícia Federal, a organização chegou a planejar a utilização de uma aeronave para o transporte de 200 quilos de cocaína que seriam arremessados em uma propriedade em Mostardas/RS, ação que acabou não se concretizando.

 

Fonte: IG

Compartilhar: