Organização criminosa Italiana teria dado “susto” em secretário de Extremoz

Polícia Civil descobriu que esquema de italiano, apontado como autor de diretor do Alecrim, também é responsável por outros crimes.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A Polícia Civil do Rio Grande do Norte reforça a cooperação direta com os Carabinieri para troca de provas com a polícia italiana no caso do homicídio de Enzo Albanese. A continuidade das investigações revelaram que Pietro Ladogana mandou o policial militar Alexandre Douglas, seu segurança, dar um “susto” no secretário de Tributação de Extremoz, Giovanni Gomes de Araujo, de 53 anos. A motivação do crime seria o fato de Giovanni estar cobrando taxas e impostos excessivos nos imóveis que Pietro comprava e vendia para lavagem de dinheiro.

A decisão para mandar dar um “susto” no secretário de Tributação de Extremoz foi tomada e aprovada em uma reunião com os sócios da Empresa Globo Construções LTDA (Proprietária da Fazenda Telha – Haras Novo Mundo), em que participaram Pietro Ladogana, Raffaelle Piccolo, Emanuele Maccaroni e Vincenzo Antonio Fiorenzo.

O crime aconteceu em 15 de agosto de 2013, quando Giovanni estava saindo do Centro de Convenções, e antes de chegar em seu veículo, dois homens se aproximaram em um veiculo tipo siena, de cor prata, e dispararam dois tiros contra Giovani.

Pietro Ladogana está preso na prisão de Civita Vecchia na região do Lazio, próximo a Roma. Será julgado pela justiça de Nuoro, na Sardenha, onde a família de Albanese denunciou o crime na Itália. Os demais coautores e participes brasileiros serão julgados em Natal, onde estão presos.

Apreensões
Nesta sexta-feira (07) foram apreendidos mais dois carros importados da Organização Criminosa: um Mercedes Benz, sedam, cor prata, 2010, pertencente a Pietro Ladogana e um Citroen C3, cor azul, 2013/2014, de propriedade de Tamara Ladogana, somando até agora sete veículos apreendidos, sendo 5 importados.

Fonte: Degepol

Compartilhar: