Origem da cevada da ‘suntuosa’ Brahma Granja Comary é questionada

Brahma classifica as informações como falsas e defende que o cultivo pode ser comprovado por "diversos documentos e fotos"

size_590_Brahma_lanca_edicao_especial_cerveja_Granja_Comary

A edição especial da cerveja Brahma Granja Comary, cuja cevada foi promovida pela marca como plantada, cultivada e colhida no local de treino da seleção brasileira, está tendo sua origem questionada.

O Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar), que se reuniu nesta quarta-feira, julga a denúncia de um consumidor que pede a comprovação da fonte do ingrediente. A Ambev nega as acusações.

Segundo a assessoria do órgão, a fabricante deverá reunir provas de que a informação veiculada emanúncios e no rótulo da embalagem é verdadeira. O processo pode, se for o caso, ser arquivado. Caso a fonte não seja autêntica, o Conar pedirá alteração ou suspensão da publicidade do produto.

O julgamento do processo acontecerá no dia 5 de junho, ainda de acordo com a entidade.

Além do processo no Conar, a mesma reclamação sobre a autenticidade da cerveja vem fazendo barulho na internet depois de post publicado pelo blogueiro Juca Kfouri. Segundotexto do colunista do UOL, ele protagonizou “dois dias e meio de procura incansável” pelas plantações de cevada no local, sem sucesso.

A Brahma classifica as informações como falsas e defende que o cultivo pode ser comprovado por “diversos documentos e fotos”.

Segundo afirmou a empresa em comunicado, a colheita aconteceu no começo do ano de 2014. “O cereal foi beneficiado, transformado em malte e utilizado na produção da cerveja. Se hoje não há cevada na Granja Comary, é justamente porque o cereal foi usado no produto que já está sendo comercializado no mercado”, diz o texto.

 

Fonte Exame

Compartilhar:
    Publicidade