Ortopedia do Walfredo Gurgel está mantida até 22 de janeiro

Para completar escala, Sesap irá contratar profissionais por cooperativa

O problema do fechamento das escalas de plantões do Hospital Walfredo Gurgel já é antigo. Foto: Divulgação
O problema do fechamento das escalas de plantões do Hospital Walfredo Gurgel já é antigo. Foto: Divulgação

Ana Paula Cruz
anaprcruz@gmail.com

Para complementar as escalas de plantão de médicos ortopedistas do Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel e garantir o atendimento aos pacientes, a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sesap) publicou no Diário Oficial de 28 de dezembro de 2012, a Portaria nº 452/GS – SESAP que estabeleceu o remanejamento de oito médicos ortopedistas, de diversos hospitais, para o Walfredo Gurgel. Apesar da medida, os médicos que foram remanejados para o hospital não compareceram à unidade para cumprirem seus plantões. Os profissionais deveriam ter se apresentado para assumir suas funções desde o último dia 5.

Em virtude do não comparecimento dos médicos, a Sesap tinha tomado, nesta sexta-feira (10), uma medida emergencial que previa o remanejamento de profissionais do Hospital Deoclécio Marques de Lucena, em Parnamirim, o Walfredo Gurgel. Porém, em uma reunião realizada na noite deste mesmo dia, entre os ortopedistas que atuam no Walfredo Gurgel e a Secretaria, foi decidido que as escalas de plantão serão mantidas até o dia 22 de janeiro, prazo estimado para que a Sesap finalize a contratação de profissionais por meio de cooperativa. A partir daí, o mínimo de três profissionais por plantão estará garantido.

Em virtude desta decisão, não há mais a necessidade do remanejamento dos médicos do Hospital Deoclécio Marques e ambos permanecem com os atendimentos de cirurgias, urgência e emergência mantidos. A expectativa é de que seja realizado, ainda no primeiro semestre deste ano, um concurso público para contratação de profissionais da área de saúde.

Mesmo assim, de acordo com o secretário de Estado da Saúde Pública, Luiz Roberto Fonseca, os profissionais remanejados que não se pronunciaram receberão as punições devidas. “Os médicos que não se apresentaram, por pouco não provocaram a suspensão de atendimento à população. Em vista disto, eles terão seus vencimentos suspensos e será aberta uma sindicância para apurar os motivos do descumprimento”, afirmou o secretário.

O problema do fechamento das escalas de plantões do Hospital Walfredo Gurgel já é antigo. Segundo a Sesap, os problemas nas escalas de ortopedia do Hospital surgiram após vários pedidos de exonerações e de demissão por parte dos médicos. O HWG perdeu, nos últimos dois anos, um total de 17 ortopedistas do quadro efetivo.

O presidente do Sindicato dos Médicos do RN (Sinmed), Geraldo Ferreira, alerta para as contratações por meio de cooperativas, medida que não deve ser frequente. “Esse sistema não é ideal, pois sempre vai gerar uma insegurança por parte do profissional que precisa ter certa estabilidade. O bom seria a realização de concurso público e o aperfeiçoamento do Plano de Cargos e Carreiras dos médicos, para assim, o Estado preencher suas escalas  e garantir a realização dos serviços”.

Luiz Roberto Fonseca informou que a Secretaria está realizando diversas reuniões para resolver a questão da falta de ortopedistas no Walfredo Gurgel e não deixar que a população sofra com a falta desses serviços. “O Estado está ciente de suas responsabilidades com a assistência da população e não fugirá dela”, finalizou o secretário de Saúde.

Reuniões também decidirão como a secretaria vai fazer para pagar o adicional dos profissionais que estão ampliando seus horários. Ortopedistas que prestam serviços no Deoclécio Marques também se disponibilizaram a dar plantão no Walfredo Gurgel e contribuir com a manutenção das escalas.

Compartilhar:
    Publicidade