Os 7 erros que você deve evitar ao fazer uso do protetor solar

Dermatologista cita os principais equívocos na hora de escolher e de usar o filtro

Filtro solar: passar o produto só na praia ou na piscina é um erro comum. Foto:Divulgação
Filtro solar: passar o produto só na praia ou na piscina é um erro comum. Foto:Divulgação

Para você que é daqueles que passa qualquer filtro solar, direto sob o sol, sem se preocupar em reaplicar o produto depois de entrar na água, um aviso: sua pele está em risco. O resultado pode levar anos para aparecer, mas, acredite, ele aparece.

Na última década, os médicos – e especial os dermatologistas – têm batido insistentemente nessa tecla e o resultado de tantas campanhas de conscientização sobre os efeitos nocivos do excesso de sol à pele ainda não surtiu o efeito desejado.

“É impressionante a quantidade de gente que ainda não usa ou usa errado o protetor solar”, diz a dermatologista Daniela Landim, de São Paulo.

Para esclarecer os incautos, a especialista listou os sete erros mais comuns na hora de passar o protetor solar. Confira.

1. Usar filtro solar só na praia ou na piscina: “Tem de passar todos os dias, pela manhã, especialmente nas áreas que ficam mais expostas, como rosto, pescoço, colo, e braços” insiste a médica. Segundo ela, não tem problema algum passar o protetor solar e colocar a maquiagem por cima. “É tudo uma questão de escolher os produtos certos para o seu tipo de pele”.

2. Usar protetor solar para o outro tipo de pele: Quem faz isso está sujeito a problemas como ressecamento, espinhas e cravos. Portanto, é preciso prestar atenção ao veículo que carrega as substâncias químicas que atuam na pele protegendo-a do sol. “Pele seca pede cremes e loções. Quem tem pele oleosa deve-se usar o filtro em forma de gel e loções oil-free. Já as peles normais ou mistas se adaptam bem aos fluidos, geis-creme e loções oil-free”, ensina a especialista.

3. Não reaplicar a proteção solar periodicamente, enquanto está exposto ao sol: “O filtro solar deve ser novamente aplicado depois de entrar na água ou de se expor ao sol por mais de duas horas”, diz a dermatologista. Ela esclarece uma dúvida comum entre os consumidores: fator de proteção solar 100 oferece a mesma proteção que o 30. “A diferença está no tempo que você pode ficar exposto, ou seja, você pode ficar mais tempo sob o sol do que poderia ficar com o FPS30”.

4. Passar o protetor já estando sob o sol: “Deve-se aplicar o filtro solar de 15 a 30 minutos antes da exposição, para que a pele absorva o produto e para que se tenha o efeito químico de proteção desejado”. E se esqueceu de passar e já está a caminho da praia ou da piscina? Hoje existem produtos de ação imediata, informa a especialista, mas mesmo assim o ideal é passar esses produtos na sombra, um pouco antes de ir para o sol.

5. Usar apenas maquiagem com filtro solar: É um erro muito comum, pois hoje em dia a maior parte dos produtos de beleza vem com filtro solar. O problema, explica a médica, é que a maquiagem nem sempre cobre toda a extensão da área que precisa ser protegida. “No intuito de realçar algumas áreas e esconder outras, a maquiagem nunca cobre o rosto todo e algumas áreas ficam expostas ao sol”.

6. Usar protetor solar vencido: Quem quer lançar mão daquele restinho de filtro solar que sobrou no armário do banheiro desde as últimas férias precisa ficar atento ao prazo de validade do produto. “Além de oferecer uma proteção falha ou totalmente ineficaz, filtro solar vencido pode gerar desde o aparecimento de irritações na pele e até uma forte reação alérgica”, diz Daniela.

7. Praticar esportes sem protetor específico para isso: sim, quem sua muito durante a prática de esportes precisa usar bloqueador solar contendo dióxido de titânio e óxido de zinco. “Essas substâncias formam uma espécie de filme, uma barreira física além da barreira química normalmente fornecida pelo filtro normal”, explica a médica. Quem usa filtro solar comum ao praticar esportes, acaba perdendo toda a proteção junto com o suor que escorre da pele.

Fonte:IG

Compartilhar: