No Pacaembu, Corinthians vai para a guerra contra Palmeiras em paz

Sem vencer a cinco rodadas, time de Mano Menezes busca reencontro com a vitória diante de rival invicto no Paulista

Mano Menezes e Gilson Kleina posam para promover a paz no clássico. Foto:Divulgação
Mano Menezes e Gilson Kleina posam para promover a paz no clássico. Foto:Divulgação

Corinthians e Palmeiras se uniram para promover a paz no clássico de domingo, com o mote “rivais só em campo”. Dentro das quatro linhas, em crise, o time alvinegro promete ser muito mais agressivo e bélico do que o favorito adversário, tranquilo com mais de 90% de aproveitamento no Campeonato Paulista.

A equipe do parque São Jorge vive fase tão complicada que empatar com o Mogi Mirim, no último domingo, foi considerado uma evolução após quatro derrotas seguidas. Logo depois do jogo, o técnico Mano Menezes deu o tom do que diria aos seus atletas ao longo de toda a semana.

“Temos que encarar com mais disposição. Nós é que estamos sob pressão. Nós é que temos que dar uma resposta mais forte. É o que vamos buscar. É jogo forte. Todos sabemos o que se coloca em campo. O adversário vive um momento muito bom, está leve, sem essa pressão que temos do lado de cá”, disse o gaúcho.

Renato Augusto, preparado desde a pré-temporada para estrear no ano contra o arquirrival, mostrou ter entendido o recado. “Clássico é vontade, vamos com muita vontade. Pelo momento dos times, o Palmeiras tem um pouco de favoritismo, mas é clássico, tudo pode acontecer. Se não dá na técnica, é botar o coração.”

Duas semanas depois da invasão do centro de treinamento por mais de cem revoltados torcedores, o ambiente ainda é de enorme pressão no Corinthians, que não respondeu com vitórias. Do outro lado, a situação é oposta, com bastante tranquilidade após seis triunfos e um empate na temporada.

Mesmo sem ganhar um dérbi desde 2011, o Palmeiras chega ao confronto com seu maior adversário com muito menos urgência de um bom resultado do que aconteceu em outras oportunidades. “Sabemos que é um campeonato à parte, por conta da tradição das duas equipes, mas, depois do jogo, a vida segue”, disse o técnico Gilson Kleina.

A diferença no clima pode ser observada na atitude dos treinadores em relação à escalação. Com seu time em ótima fase, Kleina não teve nem como fazer muito mistério, promovendo apenas a volta de Juninho de suspensão. Já Mano fechou os últimos treinos, escondendo a formação do meio-campo.

Cinco jogadores são candidatos a duas vagas, com favoritismo para o meia Renato Augusto. O volante Bruno Henrique pode lhe fazer companhia para aumentar a força do setor, mas Danilo, que entrou bem no último jogo, tem também boa chance. Cachito Ramírez e Jadson são prováveis reservas, apesar de o segundo ter prometido se esforçar “desde o começo do jogo”. Já no gol, o retorno de Cássio poderá ser a novidade.

Seja como for, é clara a diferença entre as maneiras com que os arquirrivais encaram o “clássico da paz”. “O Palmeiras vai ter que manter o que vem fazendo. O Corinthians vai ter que ter muita disposição e fazer melhor do que vem fazendo. O torcedor pode vir ao Pacaembu que o Corinthians vai jogar o clássico”, avisou o comandante Mano.

FICHA TÉCNICA
CORINTHIANS X PALMEIRAS

Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data: 16 de janeiro de 2014, domingo
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Raphael Claus
Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho e Marcelo Carvalho Van Gasse

CORINTHIANS: Walter (Cássio); Fagner, Felipe, Gil e Uendel; Ralf, Guilherme, Bruno Henrique (Danilo) e Renato Augusto; Romarinho e Guerrero
Técnico: Mano Menezes

PALMEIRAS: Fernando Prass; Wendel, Lúcio, Wellington e Juninho; Marcelo Oliveira, Wesley, Valdivia e Mazinho; Leandro e Alan Kardec
Técnico: Gilson Kleina

Fonte:IG

Compartilhar:
    Publicidade