Pacientes do SUS ganham novos leitos de UTI e clínica médica no Hospital Memorial

Segundo a Sesap, atualmente, no Rio Grande do Norte, existem 477 leitos de UTI distribuídos entre hospitais públicos e privados

Dez novos leitos de UTI e outros seis leitos clínicos foram abertos hoje, no Hospital Memorial. Custo de cada é de R$ 1,5 mil/dia. Foto: Heracles Dantas
Dez novos leitos de UTI e outros seis leitos clínicos foram abertos hoje, no Hospital Memorial. Custo de cada é de R$ 1,5 mil/dia. Foto: Heracles Dantas

O déficit de leitos na saúde pública, considerado um problema crônico em todo o país, poderá ser amenizado no Rio Grande do Norte com a abertura de dez novos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e outros seis leitos clínicos, no Hospital Memorial, fruto de convênio entre União, Estado e Município. De acordo com dados da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), cada leito de UTI tem um custo de R$ 1,5 mil por dia e deste total, R$ 800 são repassados pela União e os R$ 700 restantes são custeados entre o Estado (60%) e o Município (40%).

Em coletiva de imprensa na manhã desta quarta-feira (15), no Hospital Memorial, a governadora Rosalba Ciarlini enfatizou a importância dos novos leitos e anunciou a abertura de outros 29 até o final deste mês de janeiro. “O Hospital Memorial nos apresentou a proposta e o Estado trabalhou no credenciamento custeando 60% e o município entrou em parceria. Desta forma, o SUS está funcionando em todos os entes federados. A Central de Regulação é a responsável pela consulta de leitos em qualquer parte do Estado e mostra os disponíveis. Hoje temos 280 leitos de UTI públicos e antes tínhamos menos de 180. Em um ano abrimos 115 leitos de UTI adulto, pediátrico e neonatal. Também abriremos nos próximos 30 dias mais 29 leitos de UTI, sendo nove no Huol [Hospital Universitário Onofre Lopes], 10 no Santa Catarina e 10 no Walfredo Gurgel, dando mais condições de atender os pacientes mais graves”.

O secretário adjunto da Sesap, Marcelo Bessa, destacou a necessidade de uma contínua regulação e utilização dos leitos disponíveis. “Temos que trabalhar a gestão e a real necessidade, vendo onde será necessária a implantação. Hoje, por exemplo, temos 37 pacientes do Walfredo Gurgel indicados para UTI, mas não tempos certeza se tem a necessidade. Temos que ter critérios e fazer uma boa regulação. Há leitos que podem estar sendo ocupados por pacientes que poderiam estar num leito semi-intensivo”, disse.

Marcelo Bessa também enfatizou que no ano passado, a demora na renovação dos contratos com hospitais privados por parte da Prefeitura, que é a responsável pelas chamadas cirurgias de segundo tempo, acabou causando a volta das filas de pacientes que precisam de cirurgias ortopédicas nos Walfredo Gurgel e no Deoclécio Marques.

“Tivemos dois mutirões em 2013, nos meses de agosto e outubro, que resolveram a demanda. O mutirão de agosto realizou 300 cirurgias e o de outubro outras 500, zerando as cirurgias, mas como o fluxo do município não funcionou bem, por causa dos contratos com os hospitais privados que não tinham sido renovados, as filas voltaram. Se naquele momento tivesse tudo regularizado não teríamos as filas de hoje. Esperamos que em 30 dias comece uma maior resolutividade e as filas comecem a diminuir”.

Segundo a Sesap, atualmente, no Rio Grande do Norte, existem 477 leitos de UTI distribuídos entre hospitais públicos e privados, sendo 280 habilitados para atendimento pelo SUS. Do ano de 2011 até os dias atuais foram habilitados 115 leitos entre públicos e privados, já existentes e implantados.

Ainda de acordo com a Secretaria, no último quadrimestre de 2013 foram entregues 15 novos leitos de UTI, sendo quatro no Hospital Dr. Ruy Pereira, que se somaram a outros quatros já existentes na unidade, quatro novos leitos de UTI Neonatal no Hospital da Mulher Parteira Maria Correia, em Mossoró, o que totalizou 10 leitos dessa categoria na unidade e sete leitos de UTI para pacientes crônicos no Hospital Maria Alice Fernandes, que passou a ter 17 leitos de Terapia Intensiva. A Sesap também informou que está finalizando a obra que objetiva a reestruturação do Pronto Socorro Clóvis Sarinho (PSCS) e a nova Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) contará com 10 leitos. A conclusão das obras no Walfredo Gurgel aumentará para 45 o número de leitos destinados ao tratamento intensivo do Hospital.

Compartilhar:
    Publicidade