Pai acusado de estuprar filha pequena palestrava sobre sexo e pedofilia para crianças

Ele praticava os abusos com participação da mulher, que tem 17 anos

Acusado confessou os crimes e responderá por estupro de vulnerável e maus-tratos. Foto:Divulgação
Acusado confessou os crimes e responderá por estupro de vulnerável e maus-tratos. Foto:Divulgação

O homem preso nesta quarta-feira (19)acusado de estuprar a filha de apenas oito anos em Padre Bernardo (GO), região do Entorno do DF, dava palestras sobre educação sexual e pedofilia em escolas infantis. A madrasta da criança, de 17 anos, participava diretamente dos crimes que foram cometidos por quase dois anos.

O delegado que acompanhou as investigações, Marcelo Zago, da DPCA (Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente), disse que o próprio acusado confessou isso em depoimento.

“Ele mesmo disse que muitas vezes falava sobre o assunto com contradição interna, culpa na consciência, porque sabia que estava praticando exatamente o oposto do que dizia e com a própria filha”.

A delegada-chefe, Valéria Martirena, explicou que o caso só foi descoberto porque a menina, que morava com o pai até dezembro do ano passado, voltou a viver com a mãe em Planaltina (DF) e enquanto assistia a um comercial de preservativos com ela ficou interessada pelo assunto.

Desconfiada com o comportamento da menina, a mulher conseguiu fazer a criança revelar como os abusos eram praticados na época em que morava com o pai.

“Nós começamos a apurar a denúncia e descobrimos que o acusado molestava sexualmente da filha desde os seis anos. Esse fato nos causou perplexidade em função da crueldade praticada contra uma criança”.

A menina relatou que o pai usava preservativos enquanto fazia sexo com ela e a madrasta. Um exame feito no IML (Instituto Médico Legal) comprovou que o hímen da criança foi rompido há muito tempo. Durante a entrevista para a polícia, a vítima relatou que “fazia coisa de gente grande com o pai e a madrasta”.

Ameaças e maus-tratos

Para evitar que a menina contasse alguma coisa, o homem ameaçava e batia na filha. O delegado Marcelo Zago disse que a criança também era submetida a uma jornada excessiva de trabalhos domésticos.

“Era muito cruel com a menina. Além do crime de estupro de vulnerável, também responderá por maus-tratos”.

O homem, que tem 26 anos, está preso na carceragem do DPE (Departamento de Polícia Especializada) à disposição da Justiça. Ele não foi identificado para manter a identidade da criança preservada, mas se for condenado poderá pegar até 16 anos de prisão.

A polícia explicou que a companheira do agressor não ficou detida porque na época em que os abusos aconteceram ela era menor de idade. No entanto, a delegada disse que a jovem responderá pelo ato infracional análogo ao crime de estupro de vulnerável.

“O caso dela será tratado pela Justiça do Estado de Goiás”.

Fonte:R7

Compartilhar:
    Publicidade