Pai de brasileiro naturalizado croata fala sobre erros e diz ser ignorado por filho

Relação entre meia Smmir e Adaílton Campos é distante. Jogador enfrenta Brasil na abertura

Família do brasileiro-croata Sammir: bola dividida. Foto: Divulgação
Família do brasileiro-croata Sammir: bola dividida. Foto: Divulgação

Da baiana Itabuna, o brasileiro Sammir foi encontrar na capital croata Zagreb seu porto seguro. Fez sucesso, ganhou o mundo, mas a distância no relacionamento com o pai parece ainda maior do que os quilômetros que separam a Bahia da Croácia.

Enquanto vê o filho se preparar para disputar a Copa, na Praia do Forte, Litoral Norte da Bahia, Adailton Campos, um ex-ponta-direita do Bahia, garante que foram problemas de ordem financeira que o impediram de ser um pai presente. Após romper com a mãe de Sammir, então com quatro anos, Dadá, como é conhecido, voltou para Salvador e foi, aos poucos, perdendo o contato com o filho.

Depois que o hoje jogador do Getafe (ESP) foi para a Croácia, a história de ambos resumiu-se a dois breves encontros e três auxílios financeiros. Para Adaílton, ficaram ainda uma ponta de mágoa com o filho e uma boa dose de arrependimento consigo mesmo.

“O Sammir nem sabe que moro aqui nesta casa, está na Bahia e nem me telefonou. Ele ficou muito aborrecido devido ao tempo que eu estava em Salvador e não ligava para ele, então queria uma chance de contar as razões para isso, explicar as dificuldades financeiras que passei”, contou Adaílton ao L!Net.

Para Leda Campos, atual esposa de Adaílton, a crise entre pai e filho pode ser explicada por outra ótica:

“Acho que ele não tem proximidade e amor pelo pai, mas sei também que meu marido não foi presente e que o que um filho mais quer é ter mesmo o pai ao lado”.

A tentativa de aproximação mais recente foi frustrada. No dia em qua a Croácia desembarcou em Salvador, Adaílton e a família levaram faixas e camisas para festejar o reencontro. A saída pelos fundos da seleção croata adiou a reunião, que, segundo palavras do próprio Adaílton, não deverá mesmo acontecer durante a Copa no Brasil:

“Ele nunca me chamou para ir até a Croácia. Você acha mesmo que ele me convidaria para um jogo da Copa do Mundo? Difícil…”

Festa garantida

Apesar de todo o clima de tensão familiar, a casa da Família Campos, no bairro São Caetano, em Salvador, já se prepara para os festejos que antecederão o duelo entre Brasil e Croácia, quinta, em São Paulo.

São esperados amigos e familiares para acompanhar a partida e a promessa é que haja muita música, bebida e comida para todos.

A expectativa particular de Adaílton é que Sammir ao menos seja lançado na partida pelo técnico Niko Kovac.

“Torcerei pelo Sammir antes de mais nada. Queria muito que ele marcasse um gol neste jogo, mas o importante é que se saia bem, caso entre. Aposto em um empate, assim todo mundo ficará contente”, disse Adaílton.

Fonte: Lancenet

Compartilhar:
    Publicidade