Pai de Messi é investigado por lavagem de dinheiro do tráfico

De acordo com o jornal espanhol El Mundo, o pai de Lionel Messi é um dos investigados em uma rede…

Jorge Messi seria intermediário na Espanha de narcotraficantes colombianos. Foto:Divulgação
Jorge Messi seria intermediário na Espanha de narcotraficantes colombianos. Foto:Divulgação

De acordo com o jornal espanhol El Mundo, o pai de Lionel Messi é um dos investigados em uma rede de lavagem de dinheiro do tráfico de drogas. Jorge Messi seria intermediário na Espanha de narcotraficantes colombianos, em um esquema bastante complexo envolvendo eventos beneficentes na América do Sul – entre eles, os amistosos que o craque argentino disputa na América Latina.

Segundo a publicação, a trama vem sendo investigada sob sigilo “há meses” pela Unidade Central Operacional (UCO) da Guarda Civil Espanhola. Entre as testemunhas que prestaram depoimento sobre o caso, estão quatro jogadores do Barcelona: Daniel Alves, José Manuel Pinto, Javier Mascherano e o próprio Lionel Messi.

A UCO começou a investigar o caso diante dos eventos beneficentes em países como Colômbia, Peru, Panamá, México e Estados Unidos, tais como show musicais e os próprios amistosos de Messi, que, segundo o jornal, “poderiam ser utilizados por importantes narcotraficantes para lavar grandes somas de dinheiro”. Seriam milhões de euros, embora não haja “cifras muito concretas”.

Segundo fontes citadas pelo jornal, os responsáveis pelos eventos se beneficiariam da compra e venda de ingressos para tais eventos. “É muito complicado comprovar se foram vendidas mil ou 50 mil entradas (…), porque, ao não haver público (oficial), os organizadores podem assegurar que colocaram qualquer número. Isso proporciona uma situação ideal aos traficantes, porque são eventos de multidões, inicialmente fora de suspeita por seu caráter altruísta”, analisa o jornal espanhol.

Os eventos estariam sendo usados para que os organizadores – presumivelmente, envolvidos com o tráfico – maquiassem a entrada de dinheiro da venda de drogas. Jorge Messi seria então um dos contatos dos traficantes na Espanha: o pai de Lionel Messi seria o intermediário para que seu filho e outros jogadores disputassem partidas beneficentes. Para isso, ele receberia parte do dinheiro arrecadado com tais eventos – valores entre 10% e 20% do dinheiro lavado.

“As partidas dos ‘Amigos de Messi’ fazem parte das atividades da fundação que leva o nome do jogador do Barcelona para obter fundos com os quais toca projetos sociais. Segundo a própria página oficial da Fundação Leo Messi, a família do jogador tem papel ativo na mesma”, relata o jornal.

Entre as partidas investigadas pela UCO, estão amistosos que Messi e seus amigos disputaram em 2012 nas cidades de Bogotá (Colômbia), Miami (Estados Unidos) e Cancún (México), além de jogos similares em 2013 nas cidades de Lima (Peru), Chicago, Los Ángeles (Estados Unidos) e Medellín (Colômbia). A entidade investiga também pelo menos dois shows musicais, em Madri e em Barcelona.

As declarações dos jogadores como testemunhas, colhidas recentemente diante de agentes da UCO nas dependências do próprio Barcelona, apontaram que nenhum deles sabia de quaisquer relações dos jogos com os traficantes sul-americanos. Todos eles, segundo o jornal, afirmam ter participado de eventos beneficentes para os quais são convidados com frequência.

Não é a primeira polêmica recente com a qual se envolve Jorge Messi. Em setembro, o pai do camisa 10 do Barcelona precisou prestar contas à justiça espanhola por uma acusação de fraude em impostos locais no valor de mais de 4 milhões de euros. Pai e filho disseram ao fisco local que é Jorge quem cuida do dinheiro da família.

A família do jogador, porém, não gosto de saber das acusações divulgadas pelo jornal El Mundo. Outra publicação, o periódico esportivo catalão Sport, afirma que os advogados de Messi deverão prestar queixa oficial contra o El Mundo ainda nesta segunda-feira, queixando-se de danos morais. “Não deixa de ser uma nova campanha de desprestígio à imagem do jogador em Madri”, afirma o veículo catalão.

Fonte:Terra

Compartilhar: