‘Pais devem zelar pelo futuro dos filhos na rede’, diz irmã de fundador do Facebook

Para Rabdi Zuckerberg é responsabilidade dos pais não colocar na rede qualquer coisa que possa prejudicar a criança no futuro

Pais são responsáveis pelos conteúdos postados na internet pelos filhos. Foto:Divulgação
Pais são responsáveis pelos conteúdos postados na internet pelos filhos. Foto:Divulgação

A irmã do cofundador do Facebook Mark Zuckerberg disse em uma entrevista à BBC que os pais têm a responsabilidade de zelar pelo futuro de seus filhos na internet, mesmo quando eles ainda nem nasceram.

Randi Zuckerberg, que passou seis anos trabalhando para o Facebook, escreveu um livro sobre o impacto das novas tecnologias na sua família e nos seus relacionamentos.

“Temos de ser conscientes do que compartilhamos sobre os nossos filhos na rede”, afirmou Randi em entrevista ao programa “Newsnight”, do canal de TV BBC 2, na Grã-Bretanha.

“Hoje, a nossa identidade digital é criada antes mesmo de nascermos. Pode parecer estranho, mas, a partir do momento, que os pais postam na Internet que estão esperando um bebê, já estão criando uma pegada digital para essa criança. Já conversei com muitos pais sobre a grande responsabilidade que temos.”

Segundo ela, essa responsabilidade significa, por exemplo, não colocar na rede qualquer coisa que possa prejudicar a criança no futuro.

Google e e-mail

Randi explicou que pais têm atuado de outras formas para garantir o bem-estar futuro dos seus filhos na rede, como, por exemplo, reservando para eles um bom endereço de e-mail e outras “propriedades” online.

“Muitos pais têm recorrido a sistemas de buscas, como o Google, antes de escolher o nome de seus filhos. O objetivo é evitar que eles tenham homônimos com histórico negativo na rede”, disse Randi.

“Isso porque a primeira coisa que as pessoas vão fazer quando conhecê-la (a criança) é buscá-la no Google”, acrescentou.

Em entrevista à BBC, ela afirmou que se tornou “mais consciente” sobre a sua relação com o mundo digital após ser mãe pela primeira vez.

Público e privado

Para Randi, os limites entre os espaços público e privado estão cada vez mais “turvos”.

“No universo digital, não temos mais o luxo de dividir o que é público e privado”, afirmou ela.

Mesmo assim, Randi diz acreditar que as redes sociais trouxeram benefícios “imensos” à sociedade.

“Sou suspeita para falar. Mas acredito que, quando se observa os acontecimentos políticos ao redor do mundo, as redes sociais deram voz a quem não tinha”, afirmou.

“Além disso, as pessoas podem se comunicar mesmo de longas distâncias. Para as crianças, há um sem número de instrumentos educacionais disponíveis que estimulam a criatividade”, disse.

Questionada se tem a “consciência pesada” por ter trabalhado no Facebook, Randi afirmou que começou a ter uma visão menos parcial desse universo quando deixou o Vale do Silício, na Califórnia, que abriga as maiores empresas do setor de tecnologia e inovação do mundo.

“Quando criamos as redes sociais, criamos também desafios para os quais ainda temos de encontrar respostas.”

Fonte:UOL

Compartilhar: