No país do logro – Walter Gomes

Bola é uma coisa; voto, outra. O desastrado desempenho da Seleção do Brasil na Copa do Mundo deste estonteante 2014…

Bola é uma coisa; voto, outra. O desastrado desempenho da Seleção do Brasil na Copa do Mundo deste estonteante 2014 não determina a vitória de um candidato da oposição nas urnas de outubro. Na história recente do país, há exemplos afirmativos da separação entre o campo de futebol e a urna.

Lembre-se que a pátria amada, idolatrada, salve, salve, perdeu o torneio de 1998. Entretanto, Fernando Henrique Cardoso, principal referência da social-democracia brasileira, se reelegeu presidente da República.

Quatro anos depois, o escrete nacional foi campeão, mas o tucanato perdeu a faixa presidencial para o PT. Lula da Silva derrotou José Serra, patrocinado por Cardoso.

Desde que o Partido dos Trabalhadores chegou ao Palácio do Planalto, a República Surrealista dos Trópicos coleciona derrotas consecutivas no campeonato mundial da Fifa. Sublinhe-se a terceira marcada pela vergonhosa eliminação em Belo Horizonte no ‘jogo-treino dos alemães’ com os jogadores nacionais especialistas em choro convulso.

Pois bem, apesar da decepção esportiva, Dilma Rousseff lidera as pesquisas para renovar o mandato. É possível que não se reeleja, tamanho o distúrbio na economia do país, mas tem lugar assegurado no segundo turno. À parte, seus discursos sem logicidade e que profanam a oratória.

Casca de banana

Advertência de ministro do Tribunal Superior Eleitoral.

Henrique Neves (foto) previne os que redistribuem mensagens ofensivas divulgadas na internet, sobretudo nas redes sociais.

Palavras dele:

“Também responde por crime contra a honra quem reproduz algo que denigre a imagem de alguém.”

O gosto amargo

Eleição estadual dificulta projetos de postulantes no poder.

Dos 17 governadores recandidatos, apenas cinco estão bem posicionados nos primeiros movimentos da campanha.

Três deles são tucanos: Beto Richa (PR), Geraldo Alckmin (SP) e Marconi Perillo (G0).

Os dois outros: Raimundo Colombo (PSD-SC) e Jackson Barreto (PMDB-SE).

Ainda têm chance na disputa sete pretendentes a novo mandato.

Nomes: Tarso Genro (PT-RS), Agnelo Queiroz (PT-DF), Sandoval Cardoso (Solidariedade-TO), Luiz Fernando Pezão (PMDB-RJ), Ricardo Coutinho (PSB-PB), Confúcio Moura (PMDB-RO) e Tião Viana (PT-AC).

Improvável a recuperação de José Melo (PROS-AM), Camilo Capiberibe (PSB-AP), Simão Jatene (PSDB-PA), Chico Rodrigues (PSB-RR) e Renato Casagrande (PSB-ES).

– Hoje, às 23h, no programa (gravado) ‘Eleições’, da Globo News, entrevista da presidente Dilma Rousseff à jornalista Renata Lo Prete. Entre os assuntos, economia, reforma política, vaias e recandidatura.

– Romário Faria (PSB-RJ) avança na caminhada para trocar a Câmara dos Deputados pelo Senado.

– Angela Merkel vem assistir à final da Copa do Mundo. A chefe do governo da Alemanha não terá, porém, a companhia de Cristina Kirchner, presidente da Argentina, o outro país que entra em campo na disputa da taça.

– Neste segundo semestre, a inflação aperta o cerco em setor básico: alimentação.

– Dois senadores trabalham em conjunto para ressuscitar a CPI da CBF. Um, Randolfe Rodrigues, é do PSOL do Amapá; o outro, Álvaro Dias, do PSDB, integra a representação do Paraná. Segunda-feira, prometem iniciar a catequese de antigos apoiadores. A Bancada da Bola vai ajudar o Palácio do Planalto a evitar a comissão de inquérito para apurar “malfeitos” da Confederação Brasileira de Futebol”.

– O PSDB pediu e a Corte Eleitoral atendeu. Está suspensa a publicidade da Petrobras que promovia o governo federal.

– Para refletir: “Aprendi a deixar as coisas me atravessarem. E o que incomoda, me dá raiva, deixo passar” (Jesuíta Barbosa, ator brasileiro).

Compartilhar:
    Publicidade