Papa nomeia vítima para grupo de prevenção de abusos sexuais na Igreja

Marrie Collins ficou conhecida por caso de abuso na Irlanda na década de 1960

Papa pediu que o combate à pedofilia seja uma das prioridades. Foto:Divulgação
Papa pediu que o combate à pedofilia seja uma das prioridades. Foto:Divulgação

O papa Francisco designou neste sábado uma vítima de abuso sexual por parte de um sacerdote para fazer parte de grupo criado para ajudar a Igreja Católica a investigar o problema da pedofilia na instituição. A formação do grupo foi anunciada pela primeira vez em dezembro e neste sábado o papa nomeou oito membros (quatro mulheres e quatro homens) de oito países diferentes.

Estes membros farão parte da “comissão para proteger os menores” com outros especialistas do mundo todo e irão definir o plano de ação do grupo.

“O papa Francisco deixou claro que a Igreja deve ter a proteção às crianças entre suas prioridades”, disse o porta-voz do Vaticano, o padre Federico Lombardi. “Olhando o futuro sem esquecer o passado, a comissão adotará um enfoque multifacetado para promover a proteção dos jovens”, completou.

Isso incluirá agir contra os criminosos, educar as pessoas sobre a exploração infantil, desenvolver as melhores práticas para melhorar a imagem dos sacerdotes e definir as tarefas dos leigos e dos clérigos dentro da estrutura da Igreja, disse Lombardi.

Entre os convocados para fazer parte do grupo estão Marrie Collins, que foi vítima de abuso sexual na Irlanda na década de 1960 e que participou ativamente de campanha pela proteção das crianças e de justiça para as vítimas de pedofilia na Igreja.

Outro membro da comissão é o arcebispo de Boston, o cardeal Sean Patric O’Malley, conhecido como um pioneiro na defesa de uma postura mais aberta em relação a este tipo de escândalo. Em 2011, ele publicou uma base de dados dos sacerdotes de Boston acusados por abusar sexualmente de crianças.

Fonte:Estadão

Compartilhar:
    Publicidade