Para ABEEólica, foi ação de Henrique Alves que suprimiu de MP artigo prejudicial ao RN – Marcos Aurélio de Sá

- A Medida Provisória 641/2014, que está em tramitação na Câmara Federal, recebeu uma emenda que, se viesse a ser…

- A Medida Provisória 641/2014, que está em tramitação na Câmara Federal, recebeu uma emenda que, se viesse a ser acatada e aprovada, poderia colocar em risco (e até inviabilizar) muitos dos projetos de implantação de parques geradores de energia eólica no Rio Grande do Norte.

– De autoria de um parlamentar paulista, a emenda propunha a extinção de um incentivo fiscal que garante 50 por cento de desconto na TUSD e na TUST (Tarifa de Uso dos Sistemas de Transmissão e Tarifa de Uso dos Sistemas de Distribuição) aos projetos de geração de energia elétrica que tenham como fontes a força dos ventos e o valor do sol.

– Na luta para evitar empecilhos ao desenvolvimento da indústria de geração de energias limpas e renováveis no país, os dirigentes da Associação Brasileira de Energia Eólica, sob a liderança da presidente Élbia Melo, pediram audiência ao deputado federal Henrique Eduardo Alves (presidente da Câmara dos Deputados) e lhe fizeram uma exposição sobre o prejuízo que tal emenda à MP provocaria na economia nordestina, em especial no Rio Grande do Norte, que hoje aparece como um dos Estados mais vocacionados para a produção da energia eólica.

– O resultado disso tudo foi que o parlamentar potiguar atuou nos bastidores e já conseguiu a retirada da emenda, trazendo um clima de alívio para o empresariado do setor. O que se sabe, porém, é que – nos bastidores – ainda tem muita gente no Sul e Sudeste fazendo lobby para atrapalhar a expansão dos investimentos em energias renováveis, que beneficiam principalmente os Estados do Nordeste.

Sebrae Nacional vê a ovinocaprinocultura como alternativa econômica para semiárido

– Sob o título “Estudos do Complexo da Ovinocaprinocultura”, o Sebrae Nacional está divulgando um documento em que apresenta a criação de cabras e ovelhas, com uso de tecnologias de baixo custo e fácil assimilação) como uma das melhores alternativas para a pecuária no interior da região Nordeste, área que se caracteriza pelo clima semiárido e a escassez de água e de pastos nos anos de seca.

– De fácil adaptação às condições climáticas do sertão nordestino, a criação de caprinos e ovinos já atrai grande número de agropecuaristas no Rio Grande do Norte, onde existe um rebanho estimado mais de 850 mil cabeças.

– Para os criadores, o que está faltando é apenas uma maior integração entre os elos da cadeia produtiva para que a atividade ofereça mais rentabilidade e proporcione melhores perspectivas de expansão.

– Por orientação do Sebrae Nacional, as equipes técnicos do órgão nos Estados do Nordeste devem dirigir seus estudos na área rural para corrigir as principais deficiências da ovinocaprinocultura regional, entre elas a precariedade dos controles sanitários e a quase inexistência de indústrias de processamento da carne desses animais, fatores que restringem a oferta de produto dentro dos padrões exigidos pelo mercado.

– Segundo o gerente de Agronegócios do Sebrae/RN, José Ronil, “se houvesse mais integração entre os agentes da cadeia produtiva da ovinocaprinocultura, com certeza teríamos uma atividade econômica mais fortalecida, já que o mercado consumidor nos é totalmente favorável”.

– Explica Ronil que, segundo mostra o estudo do Sebrae Nacional, o Nordeste concentra hoje 90 por cento do rebanho caprino do país e 56 por cento dos ovinos, existindo entretanto muita informalidade no sistema de abate e comercialização, o que obriga o país a ser hoje um grande importador de carne de ovinos originários principalmente do Uruguai, país que se especializou na produção de cortes especiais”.

– O tamanho do mercado consumidor doméstico do Brasil atualmente é estimado em 120 mil toneladas de carnes de ovinos e caprinos, o que representa uma média de 700 gramas ao ano por pessoa. Para José Ronil, “temos um mercado vasto, que deve ser estimulado. O aumento no consumo é uma tendência que deve ser explorada. As ações neste sentido farão toda a diferença”.

Holiday Inn Express Natal obtém conceito A da Anvisa

– O setor de Alimentos e Bebidas do hotel Holiday Inn Express Natal recebeu o conceito “A” na Categorização dos Serviços de Alimentação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o que significa a pontuação máxima dessa ação pioneira no Brasil, que avaliou milhares de estabelecimentos prestadores de serviços de alimentação em 11 das 12 cidades-sedes da Copa do Mundo.

– O diretor operacional do hotel, Andrew Gosson, destaca a importância desse selo para o empreendimento: “A dinâmica atual do mercado exige que tenhamos índices extremamente objetivos para tomada de decisão do consumidor. Esta categorização permite que nosso cliente tenha uma visualização rápida e confiável do padrão de qualidade e segurança alimentar que ele está adquirindo e consumindo. Nosso conceito ‘A’ é reflexo de nossos investimentos em tecnologia e treinamento e da cultura de qualidade agregada ao nosso grupo pela maior rede hoteleira do mundo, a IHG”.

– No Brasil, a categorização dos serviços de alimentação é uma iniciativa pioneira baseada em experiências internacionais bem sucedidas de cidades como Los Angeles, Nova Iorque e Londres. A Copa do Mundo FIFA 2014 foi o período escolhido para a implantação deste Projeto-piloto, e para sua apresentação aos consumidores brasileiros e turistas.

– A base para a categorização são as Boas Práticas, um conjunto de procedimentos adotados pelos serviços de alimentação para garantir um alimento de qualidade ao consumidor. Para os órgãos de saúde, as Boas Práticas também representam as medidas destinadas a minimizar eventuais danos à saúde, especialmente as Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA).

– A proposta consiste em classificar os serviços de alimentação com base em critérios que analisam os aspectos higiênico-sanitários de maior impacto para a saúde dos consumidores. Essa classificação ficará disponível ao consumidor, dando a oportunidade de que o mesmo saiba com que cuidados e limpeza são preparados os alimentos em seu bar, lanchonete ou restaurante preferidos.

– Essa classificação é realizada pela vigilância sanitária de cada cidade com a intenção de ampliar a forma de comunicação do resultado da inspeção ao consumidor e como uma atividade complementar à concessão da licença sanitária.

Shopping Cidade Jardim registra aumento de 35% no seu fluxo de clientes

– Antes do primeiro jogo da Copa do Mundo, o Shopping Cidade Jardim já comemora o aumento no fluxo de clientes: nos primeiros dez dias deste mês o centro de compras da zona Sul de Natal apresentou um crescimento de 34,8 por cento, em comparação com o mesmo período de junho de 2013.

– Segundo o consultor de Varejo do Cidade Jardim, Ronaldo Fernandes, isto resulta dos investimentos que foram feitos para atender melhor a clientela e para tornar mais atrativos e seguros os ambientes interno e externo do shopping, totalmente decorados com as cores e os motivos da Copa Mundial de Futebol.

Compartilhar:
    Publicidade