Para evitar problemas, Fifa tira 320 kg de comida da Arena Pernambuco

Entidade tirou carga de arroz e farofa de forma preventiva no estádio onde jogaram Itália x Costa Rica. Setor de alimentação tem causado os maiores problemas na organização da Copa

Lanchonete da Arena Corinthians enfrentou problemas de filas no jogo de abertura do Mundial. Foto: Divulgação
Lanchonete da Arena Corinthians enfrentou problemas de filas no jogo de abertura do Mundial. Foto: Divulgação

O setor de alimentação tem sido responsável pelas maiores dores de cabeça da Fifa na organização da Copa do Mundo 2014. Filas imensas de torcedores para comprar comida ou bebida nos intervalos dos jogos, acusação de quantidade insuficiente de oferta para o público e até um caso de voluntários que passaram mal ao se alimentarem no Estádio Nacional em Brasília. Neste sábado, a entidade confirmou neste sábado que retirou de forma preventiva 320 kg de arroz e farofa que seriam colocados à venda na Arena Pernambuco na última sexta-feira, quando jogaram Itália e Costa Rica.

Em contato com a reportagem, a entidade negou que os alimentos estivessem deteriorados ou que tivessem sido oferecidos ao público. “O que aconteceu foi a retirada de 320 quilos de arroz e farofa, de maneira preventiva. Estes alimentos sequer foram oferecidos ao público, funcionários ou voluntários”, disse a Fifa, através de seu departamento de comunicação.

A Fifa negou ainda que 37 pessoas do staff da entidade e do COL (Comitê Organizador Local) tenham sido contaminadas por conta das refeições oferecidas nesta sexta na Arena Pernambuco. A entidade alega que essas pessoas tiveram atendimento por conta de problemas gástricos e que não foram relacionados à alimentação oferecida. “Não há registro de problemas com a comida oferecida nas demais sedes da Copa do Mundo da FIFA, a não ser o ocorrido com a comida dos voluntários em Brasília”, afirmou a assessoria da entidade.

O serviço de alimentação nos 12 estádios da Copa do Mundo é realizado por duas empresas, Aramark e CSM, e a própria Fifa admitiu na última quinta-feira que vem conversando com as duas empresas em busca de solucionar problemas refentes ao serviço oferecidos nas arenas do Mundial. O Maracanã, por exemplo, sofreu com a falta de funcionários no seu primeiro dia de jogos na Copa, entre Argentina x Bósnia. Na segunda partida, entre Espanha e Chile, a Fifa alega que isso não ocorreu.

Fonte: IG

Compartilhar: