Passando em revista – Alex Medeiros

Mel Karo Rubinho Lemos. Deve ser a fase gloriosa do ABC na Copa do Brasil que mexeu com suas emoções.…

Mel Karo Rubinho Lemos. Deve ser a fase gloriosa do ABC na Copa do Brasil que mexeu com suas emoções. Só isso mesmo para justificar sua coluna de ontem, recheada de uma literatura beirando o bullying, me atirando no escanteio de uma lúdica inveja.

Estava demorando para Albimar Morais, nosso amado Bima, exercitar sua generosa brincadeira de encher de mimos ludopédicos um de nós, gerando essa alegria de um náufrago que encontra o último galho a boiar nas correntes dos riachos de surpresas.

Você, entretanto, exagerou na dose em alardear tão rapidamente o presente recebido, sem sequer – como nas outras vezes – telefonar para avisar que o nosso papai noel andou de novo pelos sebos do Brasil e foi ao seu apartamento esvaziar a sacola.

Só quero lembrar que por algumas vezes em 2010 e 2011, houve uma espécie de trégua, quando as raridades trazidas por Albimar não eram tão explicitamente expostas ao público. Agora, vi um desejo pirraçento de provocar a outra chaminé sem visita de noel.

E também não tinha necessidade de tripudiar, exibindo três exemplares que não constam da minha coleção da Revista do Esporte (eu, por exemplo, nunca chiei porque a minha tem mais edições que a sua). A fotografia foi um toque sutil de tortura num irmão.

Que o texto se restringisse aos craques do Vasco histórico, tudo bem, compreendo ser um unguento para a dor dos tempos atuais. Mas, não, você tinha que verbarlizar sobre o glorioso Botafogo dos meus craques imortais… Senti como um chute de humilhação.

Quero lembrar-lhe que em 7 de julho de 2011 registrei aqui que não era eu o provocador nesse jogo de mimos de Albimar. No artigo “pirraças de colecionistas”, contei de um seu telefonema quase tão impiedoso quanto o texto da coluna de ontem. Esqueceu?

Lembra das suas perguntinhas armadas para antecipar minhas respostas: “tem o álbum de figurinhas da Copa de 70? Tem a Placar especial da Copa de 82?” E antes que eu soubesse do que se tratava, enfiou de trivela: “pois é, estou com eles aqui comigo”.

E pensar que meses atrás o nosso Bima foi lá em casa umas duas vezes e me encontrou outras vezes no Restaurante Nemesio, me passando joias que eu, de besta e com pena, não contei a você. Pois se é pra tripudiar, então agora eu vou contar. Não pare de ler.

Rapidinho, como uma fisgada na coxa e um bico de chuteira na canela. Ganhei uma série de caixas de fósforos com os craques das copas de 58 e 62, algumas com craques do expressinho do Vasco (chupa essa), e várias revistas com Danilo Menezes.

De uma tacada só, papai noel dos sebos trouxe pra mim incontáveis edições da Manchete Esportiva e alguns livros já fora de circulação com histórias do futebol nos anos 40 e 50. Vá lá em casa tomar umas cervejas que eu espalho diante dos seus olhos.

Pra finalizar. Aquelas revistas exibidas por você ainda estão doendo na minha panturrilha do ciúme, e não vou deixar por isso mesmo. Darei um prazo de 72 horas para Albimar fazer uma compensação. Pra casa eu levo mimos; desaforo, não. (AM)

Fujona

Assustada com as pesquisas e pressionada na expectativa da delação premiada do diretor da Petrobras que está preso, Dilma Rousseff fugiu do Jornal da Globo. Parafraseando o vampiro Bento Carneiro, resta dizer: guerrilheira brasileira… tsc, tsc.

Perguntas

Nas próximas notas, a sequência das perguntas que Dilma Rousseff teve medo de responder na bancada do Jornal da Globo, apresentado pelos jornalistas William Waack e Christiane Pelajo. Um piadista disse que ela pegou “síndrome de William”.

Pergunta 1

Os últimos índices oficiais de crescimento indicam que o país entrou em recessão técnica. A senhora ainda insiste em culpar a crise internacional, mesmo diante do fato de que muitos países comparáveis ao nosso estão crescendo mais?

Pergunta 2

A senhora continuará a represar os preços da gasolina e do diesel artificialmente para segurar a inflação, com prejuízo para a Petrobras?

Pergunta 3

A forma como é feita a contabilidade dos gastos públicos no Brasil, no seu governo, tem sido criticada por economistas, dentro e fora do país, e apontada como fator de quebra de confiança. Como a senhora responde a isso?

Pergunta 4

A senhora prometeu investir R$ 34 bilhões em saneamento básico e abastecimento de água até o fim do mandato. No fim do ano passado, tinha investido menos da metade, segundo o Ministério das Cidades. O que deu errado?

Pergunta 5

Em 2002, o então candidato Lula prometeu erradicar o analfabetismo, mas não conseguiu. Em 2010, foi a vez da senhora, em campanha, fazer a mesma promessa. Mas foi durante o seu mandato que o índice aumentou pela primeira vez, depois de 15 anos. Por quê?

Pergunta 6

A senhora considera correto dar dentes postiços para uma cidadã pobre, um pouco antes de ser feita com ela uma gravação do seu programa eleitoral de televisão?

Como É?

Dilma Rousseff tem uma profícua parceria com o senador Fernando Collor, que a apoia, que vota nela, e se tornou um dileto amigo de Lula. Aí a “presidanta” acusa Marina Silva de ser “um novo Collor”. Please, algum ideólogo petista explique melhor isso.

Fátima e Rosalba

É muita coincidência numa mesma campanha eleitoral. Quanto mais surgem apoios a Fátima Bezerra (PT) oriundos do DEM de Rosalba Ciarlini, mais desaparecem as críticas petistas ao governo do RN. Fernando Mineiro já nem fala em “impeachment”.

Ciumeira

A eterna e interna dicotomia no PT entre os grupos de Fátima Bezerra e Fernando Mineiro voltou a se manifestar, dessa vez com as duas correntes unidas numa mesma preocupação. Quem lidera a corrida para deputado federal na sigla é Hugo Manso.

Fator Fábio

A ciumeira de fatistas e mineiristas é que na provável explosão de votos de Fábio Faria (PSD), somada aos votos de Betinho Rosado (PP), o deputado não está puxando nem Adriano Gadelha (apoiado por Fátima) nem Eraldo Paiva (apoiado por Mineiro).

Compartilhar: