Passe Livre ficou para 2014

Prestes a se encerrar, 2013 foi marcado, principalmente, pela onda de manifestações realizadas por milhares de pessoas em todas as…

Prestes a se encerrar, 2013 foi marcado, principalmente, pela onda de manifestações realizadas por milhares de pessoas em todas as partes do país. Em Natal não foi diferente. Aliás, na capital potiguar, os protestos começaram até antes das demais cidades, sempre tendo como uma de suas principais bandeiras a redução nos preços das tarifas de ônibus e melhorias no transporte público.

Após aquele histórico mês de junho, a expectativa era pelo atendimento de parte das reivindicações populares, várias contra “tudo isso que está aí”. Em Brasília, deputados e senadores passaram a aprovar dezenas de leis moralizadoras em tempo recorde, algumas engavetadas há anos. No Planalto, a presidente criou um programa para levar médicos aos lugares mais distantes da nação. Em outras capitais, se implantou o passe livre. Em Natal, por enquanto, tudo ficou mesmo só nos 20 centavos.

A Câmara de Vereadores ainda aprovou a gratuidade no transporte urbano. Mas, considerado caro demais, antes mesmo de passar pelo plenário da “Casa do Povo”, o prefeito Carlos Eduardo Alves já havia anunciado seu veto integral a matéria. Convencido a procurar uma alternativa, diante do alto desgaste que enfrentaria, o gestor aceitou copiar o modelo de João Pessoa para os natalenses. Mas, até agora, tudo está mesmo apenas no papel.

O passe livre, em Natal, ficou para 2014. E, alguns dias antes do ano novo, já podemos apontar qual será o tema mais polêmico dos próximos meses. Os manifestantes, mesmo com a imagem arranhada depois do vandalismo registrado na última invasão da Câmara Municipal, não desistiram do projeto. A pressão deve voltar com o reinício dos debates. Resta saber até quando a Prefeitura conseguirá adiar a implantação de um projeto que representa tão pouco diante das tantas críticas feitas ao longo de 2013.

 

ESQUECIMENTO
No início do ano, um acidente provocou a completa destruição de uma parada de ônibus em Neópolis, logo após a passarela da BR-101. Mas, apesar de tantos meses depois, os usuários do transporte público continuam desabrigados. O local permanece sendo utilizado sem qualquer proteção contra o sol ou a chuva. Será que esqueceram de construir?

TRÂNSITO
Por falar na passarela de Neópolis, na BR-101, até quando os órgãos de trânsito – leia-se o DER e a Semob – vão esperar para resolver o problema da parada dos ônibus intermunicipais e interestaduais no local? A descida de passageiros, por menos tempo que dure, causa enorme congestionamento tanto na marginal quanto na rodovia. Bastava construir um acesso pela praça do local, que mais parece abandonada.

NATAL EM NATAL
Como já é tradição, a cidade, mais uma vez, está sendo invadida por famílias carentes em busca de doações e ajudas financeiras, comuns nesta época do ano. Algumas ruas estão totalmente tomadas por pedintes, que devem ficar, pelo menos, até o próximo dia 25 por aqui. Enquanto isso, a Prefeitura faz de conta que está tudo dentro da maior normalidade.

INFORMALIDADE
Enquanto as maiores cidades do país combatem a proliferação de comerciantes informais, Natal parece ir no caminho oposto. No Alecrim, é crescente a quantidade de camelôs, e nos últimos meses têm aparecido ainda mais. O Executivo quase não fala sobre a situação. Em São Paulo, a famosa 25 de março passou por uma transformação nos últimos anos e, hoje, não tem 10% dos camelôs que já a ocuparam. Basta querer.

CIDADANIA
E já que o assunto é este, lamentável foi assistir a uma reportagem veiculada por uma das principais emissoras de TV do Estado na semana passada, enaltecendo os preços baratos dos camelôs. Pior, a própria matéria destacava que, por não pagar impostos, os produtos ficavam mais baratos para o consumidor. Agora imagine se a moda pega.

MORADIA
Com entrega confirmada para o dia 25 de janeiro, a FGR Urbanismo inaugura no Rio grande do Norte o primeiro condomínio da família Jardins – o Jardins Amsterdã. Com 627 mil m² de área total, o empreendimento possui projeto urbanístico sofisticado e implantação de redes de fiação elétrica subterrânea. Localizado no bairro de Cajupiranga, um dos que mais crescem da região metropolitana, receberá até 340 famílias.

REDE NACIONAL
Já estão gravados os pronunciamentos de final de ano dos presidentes do Senado, Renan Calheiros, e da Câmara, Henrique Eduardo Alves. A dupla entrará em rede nacional nos próximos dias. Assim como a presidente Dilma Rousseff, que deve falar no último dia do ano. Os três devem enaltecer a resposta dos seus poderes as reivindicações populares que marcaram o ano.

PREFEITURA
Expectativa é grande para aliados de Claudia Regina sobre a conquista das liminares que ainda faltam para a prefeita reassumir o cargo. Enquanto isso, adversários articulam projetos para a possibilidade de uma nova eleição na segunda maior cidade do RN. Larissa Rosado, também cassada, acredita na possibilidade de reverter a decisão no TSE. Ansiedade em alta entre os mossoroenses.

 

GIRA MUNDO

O Brasil ficou em segundo lugar em 2013 entre os países que mais elevaram os juros. Entre 90 países, o Banco Central brasileiro só perdeu para o da República de Gâmbia, um dos menores países da África, com 1,6 milhão de habitantes na fronteira com o Senegal. A alta da taxa básica de juros no Brasil (taxa Selic) foi de 2,75 pontos porcentuais, fechando o ano em 10% ao ano. Gâmbia, o primeiro lugar do ranking, elevou seus juros em 6 pontos porcentuais, encerrando 2013 com 18% ao ano.

 

 

Compartilhar: