Pastor denuncia evangélicos que pregam bêbados e transam com cantoras

A denúncia sobre uso de drogas e prostituição foi feita pelo rapper Juninho Lutero através da música “Gideões: Prostitutas de Terno e Gravata”

jtyktyjteyjteyjyt

As denúncias feitas pelo pastor e rapper Juninho Lutero sobre os bastidores do Gideões Missionários da Última Hora foram confirmadas pelo líder do ministério, pastor Cesino Bernardino.

Durante uma das reuniões do 32º Congresso dos Gideões, que está sendo realizada em Camboriú (SC), Bernardino admitiu que havia pastores que compareciam ao evento embriagados e que ao final do dia, se encontravam com cantoras gospel em motéis.

“[Teve] gente que brincou muito, e vinha para esse púlpito fedendo a uísque, entendeu? Gente que vinha a esse púlpito e saía daqui e ia pro motel, brincando com gente que canta bonito também… Não brinque, porque Deus está tratando com cada um”, disse o pastor Cesino.

A denúncia sobre uso de drogas e prostituição foi feita pelo rapper Juninho Lutero através da música “Gideões: Prostitutas de Terno e Gravata”, onde o pastor acusa ainda a organização do evento de cobrar R$ 50 mil dos interessados em pregar no evento.

“Congresso dos Gideões é uma farsa, composta por pastores que cheiram pó e bebem cachaça. É claro que não falo de todos, mas homens de Deus ali dentro são bem poucos. Na verdade, Camboriú visa lucro e não missões. Zombam da fé alheia no palco dos Gideões”, diz trecho da música.

Ao tomar conhecimento da fala do pastor Cesino Bernardino, o rapper comentou o fato em sua página no Facebook: “Depois de provas e convencimento pelo Espírito Santo: o próprio líder dos Gideões admitiu publicamente que muitos pregadores subiram bêbados no altar e que se prostituíam com cantoras em motéis durante o congresso. Agora, vamos orar para que Deus sustente o pastor Cesino e lhe dê forças para dar um basta à babilônia eclesiástica que se tornou o GMUH. Vamos orar para que DEUS tome a direção mais uma vez deste congresso”, escreveu Lutero.

 

Fonte: GNotícias

Compartilhar: