A patética beatificação de Marighella

Por José Fucs Uma eleição patética, realizada há poucos dias numa escola pública de Salvador, revela muito da crise de…

Por José Fucs

Uma eleição patética, realizada há poucos dias numa escola pública de Salvador, revela muito da crise de valores que assola o país. Na eleição, concluída na última terça-feira, dia 10, a dita “comunidade” do Colégio Estadual Presidente Emílio Garrastazu Médici, de Salvador, composta em sua maioria por alunos, apoiou a mudança do nome da escola para Colégio Estadual Carlos Marighella, em homenagem ao líder da Ação Libertadora Nacional (ALN), cujo real objetivo, encarado com complacência pelas esquerdas, era implantar a ditadura do proletariado no país.

Marighella, morto em 1969 pelo regime militar, derrotou o geógrafo Milton Santos (1926-2001), que se dedicou ao estudo dos processos de urbanização nos países em desenvolvimento. Agora, o resultado do pleito será encaminhado à Secretaria Estadual de Educação da Bahia e, se depender do apoio do diretor da escola, para quem a mudança representará sua “reinauguração”, ela deverá ser aprovada sem restrições.

Não vou aqui defender o general Emílio Garrastazu Médici (1905-1985), que deixou a tortura correr solta no país durante seu governo (1969-1974) e teve entre seus vassalos o economista Antonio Delfim Netto, hoje venerado pelos esquerdistas de todas as correntes, inclusive pela presidente Dilma Rousseff, ela própria uma ex-terrorista, como Marighela. Não me alinho com aqueles que aceitam a tortura e a imposição de restrições à democracia, sob qualquer justificativa.

Sei, porém, que muita gente de bem defendeu e defende até hoje o regime representado pelo general Médici, por seus feitos para livrar o Brasil do comunismo e da anarquia existente no seio das Forças Armadas no início dos anos 1960. A “Revolução de 1964″, a Gloriosa, não foi apenas uma quartelada, como dizem muitos dos opositores ao regime, mas um movimento com amplo apoio social, especialmente na classe média, afetada pela inflação galopante, que roçava os 100% ao ano, e assustada com as ameaças crescentes contra as liberdades democráticas, chamadas de “burguesas” pelos comunistas, e contra a propriedade privada dos meios de produção.

Até consigo entender que o nome de Médici não encha de orgulho os estudantes de Salvador, nem o diretor do colégio em que eles estudam.

Agora, daí a escolher o nome de um guerrilheiro como Marighella, que agia com base na máxima de Maquiavel, segundo a qual “os fins justificavam os meios”, para batizar a escola, há uma longa distância. É difícil aceitar a barbaridade perpetrada pelos pequenos revolucionários soteropolitanos que pretendem “beatificar” Marighella e transformá-lo em exemplo para as futuras gerações.

Entre tantos heróis brasileiros, que lutaram e lutam para fazer do Brasil um país melhor, é frustrante constatar que, para os pimpolhos de Salvador, não havia nome melhor do que o de Marighella para escolher.

Poderia ser um cientista, um artista, um empreendedor ou um trabalhador que conseguiu prosperar na vida com o fruto de seu próprio suor. Ou até mesmo o quase desconhecido (ao menos para mim) geógrafo Milton Santos. Mas não. Eles preferiram prestar homenagem ao camarada Marighella, sabe-se lá por inspiração de quem.

Não dá para aceitar também o poder conferido aos adolescentes de Salvador para decidir o nome da escola. Daqui a pouco, qualquer grupelho de alunos adolescentes, num dos rincões do Brasil, vai sugerir o nome de Che Guevara para batizar sua escola. Ou então o de Mao Tsé Tung, o Grande Timoneiro, responsável pela morte de milhões de chineses durante a Revolução Cultural que ele liderou nos anos 1960.

De repente, alguém também poderá reivindicar que o Instituto Rio Branco, responsável pela formação dos diplomatas brasileiros, mude de nome porque o Barão do Rio Branco liderou a dizimação de milhares de paraguaios durante a Guerra do Paraguai. Triste do país que tem como herói o senhor Carlos Marighella, ainda mais se seus admiradores forem pouco mais que crianças em processo de desmama. (JF, na revista Época)

 

Eleições 2014
O Instituto Consult realizou a segunda rodada de pesquisa para o Portal No Ar, entre os dias 22 e 24 de dezembro, com 1.700 entrevistas sobre dez cenários possíveis na disputa para governador e quatro outros na eleição para senador.

Indiferença total
No critério mais importante de uma pesquisa eleitoral (falo isso todo ano), a aferição espontânea, quando o eleitor não é estimulado por nomes ou siglas, o resultado foi a total indiferença do povo com a eleição 2014. Quase 80% disseram não ter candidato.

Espontânea
Na pergunta “Se a eleição para Governador do RN fosse hoje, em quem você votaria?”, uma esmagadora maioria, 72,65%, disse não saber, enquanto 6,71% respondeu não votar em ninguém, somando 79,36% os potiguares que refutam a eleição 2014.

Índices risíveis
Apenas Wilma, Garibaldi e Rosalba ultrapassam 2% de intenção de voto na pergunta espontânea. A mãe de Lauro tem 8,76%, o pai de Waltinho tem 4,59% e a mulher de Carlos Augusto fica com 2,71%. E só Carlos Eduardo e Robinson têm acima de 1%.

Tudo japonês
Nas respostas espontâneas, Carlos Eduardo ficou com 1,35% e Robinson com 1,24%. Mais de uma dezena de citados não atingiu sequer 1%, como Fátima Bezerra (0,65%), Mineiro e Henrique (0,35%), José Agripino (0,24%) e Hermano Morais (0,12%).

Rosalba e Tata
A governadora Rosalba Ciarlini está com 78,88% de reprovação da sua administração, onde apenas 12,94% aprovam. Já o prefeito de Natal, Carlos Eduardo, está diametralmente oposto à rosa, com 76,71% de aprovação e 21,52% de rejeição.

Wilma x Garibaldi
Nos cenários com perguntas estimuladas, a vice-prefeita de Natal, Wilma de Faria, lidera com folga a corrida para o governo, exceto quando o adversário é o ministro Garibaldi Filho. Ela tem 39,29% das intenções de voto e ele encosta com 32,65%.

Garibaldi x Wilma
Num outro cenário com apenas os dois se confrontando, Wilma tem 41,47% e Garibaldi 34,29%. Quando o ministro dá lugar ao primo Henrique, a vantagem da pessebista aumenta e o placar fica em 46,35% contra 24,18% do presidente da Câmara.

Simulação
Evidentemente, toda pesquisa eleitoral é apenas um exercício especulativo, cujos resultados medem apenas a força de nomes isoladamente, sem os aspectos das alianças, dos partidos e da circunstância de campanha. Por isso prezo a pergunta espontânea.

Franklin
Pelo menos na Câmara Municipal, o PT abdicou da brejeira e os vereadores Hugo Manso e Fernando Lucena se abstiveram de votar na eleição temporã da presidência da casa. O vereador Franklin Capistrano (PSB) foi eleito presidente com 17 votos.

Ausentes
Opositores radicais à eleição fora de época do Palácio Frei Miguelinho, os vereadores Eleika Bezerra (PSDC), Amanda Gurgel (PSTU), Sandro Pimentel (PSOL) e Marcos Antonio (PSOL) não compareceram à votação da sexta-feira com pinta de feriado.

Compartilhar: