Patrulhas ideológicas

Os militantes esquerdopatas não descansam nas redes sociais, onde diariamente tentam impor teses, construir mitos e estabelecer parâmetros morais e…

Os militantes esquerdopatas não descansam nas redes sociais, onde diariamente tentam impor teses, construir mitos e estabelecer parâmetros morais e ideológicos que satisfaçam o projeto de poder do PT e seus cúmplices.

Também acabam elegendo referências e heróis cuja importância histórica tem o tempo útil de um sorvete ao sol. Encabeçando a lista estão os meliantes do mensalão, devidamente tratados como homens de bem e dignos da compaixão pseudo revolucionária.

Para quem já idolatrou personalidades como Luis Carlos Prestes, Miguel Arraes, Leonel Brizola, Henfil e Oscar Niemeyer, é por demais ridículo erguer ao pedestal do heroísmo socialista personagens inglórios como Zé de Abreu, Jean Wyllys, Amaury Jr. e Luíza Trajano.

E há também os mártires de ocasião, legítimos representantes das velhas gerações de Marighella, Lamarca e Osvaldão, três terroristas mortos no confronto com agentes do governo militar. Houve Amarildo, versão favela de Snowden; e agora tem o pivete de Realengo, quase uma consubstanciação da famosa música “Guri”, do camarada Chico Buarque.

A choldra vermelha também elege os inimigos públicos da revolução delirante. E há muitos: Lobão, Miriam Leitão, Danilo Gentile, Diogo Mainardi, Regina Duarte, Romeu Tuma Jr., Marcelo Tas, Augusto Nunes, Reinaldo Azevedo, entre outros tantos.

Na mira da metralhadora giratória dos patrulheiros ideológicos imbecilizados, acaba de ser enquadrada a jornalista paraibana Rachel Sheherazade, apresentadora e âncora do SBT, em São Paulo. Os comentários da moça, quase sempre contrário aos conceitos totalitários e promíscuos da esquerda jeca, provocam bullying nos militontos.

Bastou Rachel defender um grupo de jovens de classe média que anda na cena urbana carioca dando sopapo em ladrão para que o “coletivo revolucionário” explodisse no Twitter sua ira santa contra a jornalista. E ela apenas defendeu o que 90% do povo brasileiro defendem: porrada em bandido.

Desafio qualquer instituto de pesquisa ou instituição pública ou privada para aferir a opinião do cidadão brasileiro sobre a “Pena de Morte”. E aposto o pouco que tenho em patrimônio que a maioria esmagadora votaria a favor do justiçamento imediato da bandidagem que transformou o Brasil atual numa “Faixa de Gaza” da violência urbana.

A opinião de Rachel Sheherazade, direito natural e constitucional dela, foi de imediato criticada pelos parasitas da esquerdopatia imunda, ao ponto de exigirem a censura no SBT e o seu silêncio imposto por via jurídica. Nem os generais de antanho chegaram a tanto nas televisões do país.

E a grande questão, em verdade, não está no fato da repórter defender os garotos que amarraram o delinquente. Isto é só uma chicana moral e histérica para chegar ao que interessa: impedir Rachel de proferir suas falas contra conceitos de interesse partidário e ideológico da esquerda latina que busca unir o continente numa grande aldeia lulobolivariana.

Querem o pensamento único no Brasil, comandado por ex-terroristas derrotados em 1964 e hoje sedentos de revanchismo. Querem amordaçar o pensamento, emoldurar num quadro de atraso a liberdade de culto e a livre iniciativa. Não sossegarão até que destruam todas as instituições republicanas e democráticas.

A jornalista do SBT, como eu e você, tem o direito de pensar e expressar esse pensamento como quiser. Defender surra em ladrão e a morte de assassinos é muito mais louvável do que tripudiar com o cadáver de uma senhora, como muitos safados fizeram no falecimento da socióloga Ruth Cardoso, cujo crime – para essa gente – era ser esposa do presidente Fernando Henrique Cardoso.

Vão se catar, seus nojentos; inclusive os maniqueístas sindicais do jornalismo carioca que quer censurar uma colega de profissão. Nada pode ser mais nocivo e imundo do que um sindicalista prestando serviço para uma causa partidária que imagina a nação como uma cópia ampliada de Cuba. (AM)

 

Popularidade

Todos os dias, a jornalista Rachel Sheherazade é abordada nas ruas e recebe parabéns por seus comentários no SBT. De ontem pra cá, menos de 24 horas após a nota ridícula do sindicato de jornalistas do RJ, ela ganhou mais de 3 mil seguidores no Twitter.

É ele

Vendo agora o planejamento e premeditação das ações de Henrique Pizzolato, dois anos antes de explodir o mensalão do PT, fica evidente que o mineiro Marcos Valério era apenas o estafeta, o agente publicitário. O operador era o homem do Banco do Brasil.

Chapa completa

O ex-deputado federal Ismael Wanderley, filiado ao PMDB, sugere uma chapa que imagina com chances de vencer a eleição: Ricardo Motta (PROS) para o Governo e Wilma de Faria (PSB) para o Senado, com o PMDB indicando o vice e o suplente.

Fernando

Depois das últimas declarações de Garibaldi Filho e Henrique Alves, o empresário Fernando Bezerra só não será candidato a governador se não quiser. Com o apoio da dupla, as bases do PMDB, suas lideranças, engrossarão o cordão rapidamente.

Robinson

A candidatura de Robinson Faria (PSD) a governador vai se firmando como melhor alternativa de aliança do PT. Resolve o problema imediato de Fátima Bezerra como candidata ao Senado e estabelece o palanque apropriado para Dilma Rousseff.

Depoimento

A Câmara Federal que hospeda o criminoso João Paulo Cunha (PT), além de outras figuras não ortodoxas, não pode deixar de convocar o delegado Romeu Tuma Jr. para prestar esclarecimentos sobre as graves denúncias contra Lula e o PT em seu livro.

Twitter

Só não é mais chato do que programa evangélico e lutas de UFC na TV o aplicativo que sugere no Twitter seguir apenas quem nos segue. Coisa mais boba. Como se fosse normal Lady Gaga seguir os milhões de fãs e Dilma os seus milhares de bestas.

Globo

O primeiro título da curta história do Globo FC, fundado em Ceará-Mirim pelo empresário Manuel Barreto, remete ao saudoso Globo EC que existiu em Natal até início dos anos 1960 e que conseguiu apenas um vice-campeonato, em 1962.

Alecrim

Será que o lorde presidente do Alecrim FC vai organizar alguma ação para comemorar neste 2014 os 90 anos do primeiro título do verde clube (1924) e os 50 anos do primeiro bicampeonato estadual, conquistado no biênio 1963-1964? Duas grandes datas.

O bandeirinha

O escocês Colin Brown entrou para a história do futebol como o primeiro torcedor a atuar como bandeirinha num jogo. Foi na segunda divisão da Escócia durante a partida Dumbarton 2 x 2 Livingston. Ele substituiu o bandeira, que foi apitar no lugar do juiz.

Compartilhar:
    Publicidade