Paulinho Freire propõe criação de Frente Parlamentar contra Violência

"Tem que ser tomada uma atitude porque se chegou ao limite da tolerância e as pessoas estão amedrontadas e com medo"

Freire: “Tem que ser tomada uma atitude porque se chegou ao limite da tolerância”. Foto: Divulgação
Freire: “Tem que ser tomada uma atitude porque se chegou ao limite da tolerância”. Foto: Divulgação

Joaquim Pinheiro

Repórter de Política

O aumento dos índices de violência na capital foi o assunto predominante nos debates desta última quarta-feira no plenário da Câmara Municipal de Natal com vários vereadores usando a tribuna da Casa para externar preocupação com relação ao assunto e solicitar providências imediatas por parte das autoridades constituídas, tanto do Governo Federal quanto do Governo Estadual e do prefeito de Natal. O vereador Paulinho Freire, do PROS, defende o início de um movimento suprapartidário, começando nos municípios brasileiros, e segundo ele, Natal poderia liderar, para criação de uma Frente Nacional contra a Violência. “Tem que ser tomada uma atitude porque se chegou ao limite da tolerância e as pessoas estão amedrontadas e com medo”, disse o vereador do PROS, alertando que a situação chegou a tal ponto que as pessoas é que estão fazendo justiça. “O cidadão não está aguentando mais e fazendo justiça com as próprias mãos”, alerta o vereador do PROS.

Vereador Franklin Capistrano, do PSB, concorda que os municípios devem se mobilizar para exigir do Congresso Nacional medidas efetivas para combate e prevenção da violência na sociedade brasileira. No seu entendimento, a primeira coisa a ser feita é mudar a legislação, adotando leis mais rígidas com medidas preventivas para reeducação de jovens com inserção na sociedade. “Tenho observado que os crimes mais graves como assassinato, estupro, assalto a mão armada têm motivação no aumento do uso de drogas”, constata o vereador, defendendo em seguida, políticas preventivas como forma de minimizar o problema. “Temos que acabar com almas penadas perambulando e usando drogas no meio das ruas”, disse o vereador. “Não existe dúvidas que a origem da violência tem como principal causa a disseminação das drogas, principalmente o crack que está destruindo o relacionamento dos jovens com os demais segmentos da sociedade. Como psiquiatra que sou, tenho testemunhado o aumento do uso de drogas e o avanço que a droga tem causado para estabelecimento da violência”, diz o médico, futuro presidente da Câmara Municipal.

VERGONHA NACIONAL

Adão Eridan, vereador do PR, disse ser uma vergonha para o País o Congresso Nacional não ter mudado a lei para diminuir a maioridade penal. Em seguida, criticou organismos de direitos humanos, que segundo ele, só protege marginais. Ele cita um caso ocorrido recentemente em Natal. “O bandido Rivotril quando foi preso pela polícia estava com uma menor e os direitos humanos não apareceram”, observa criticando também a forma como o bandido foi tratado no hospital. “Gente dessa qualidade quando chegar ao hospital deveria ser aplicada uma injeção na veia para acabar de matar”, afirmou o vereador do PR.

Amanda Gurgel diz que população quer melhorias dos serviços essenciais em vez de Copa 2014

A vereadora Amanda Gurgel, do PSTU, contestou a mensagem do prefeito de Natal, Carlos Eduardo, lida recentemente na tribuna da Câmara Municipal de Natal. Ela disse ser “revoltante” que mesmo diante de uma situação de dificuldades dos serviços básicos o prefeito tenha reafirmado sua opção pelas obras para a Copa do Mundo. “Essa postura é contrária a opinião da maioria da população”, disse a vereadora, lembrando que o Ministério Público fez um levantamento sobre a situação de 49 unidades de atendimento materno-infantil em Natal e o resultado “foi estarrecedor”. Segundo a vereadora, o déficit de profissionais é de 81.63 por cento e os problemas estruturais atingem 93. 87 por cento dos prédios e faltam medicamentos em 100 por cento das unidades.

Ainda de acordo com a vereadora do PSTU, um relatório da Comissão de Educação de Natal, revelou que 76 por cento das salas de aula das escolas municipais são inadequadas, assim como as condições hidráulicas dos prédios. “O passe livre para estudantes é outro tema importante que sequer foi mencionado na mensagem do prefeito”, disse a vereadora. “Ao priorizar a Copa, Carlos Eduardo compromete a capacidade de investimentos do município. Para se ter uma ideia, a prefeitura comprometerá cerca de 34 milhões de reais do orçamento de 2014 com essas dívidas”, informa a vereadora, acrescentando: “Isso significa dizer que a saúde, educação, segurança e transporte vão piorar, já que não haverá dinheiro para investir nesses setores, daí convocarmos os trabalhadores, a juventude e a população em geral para se manifestar antes, durante e depois da Copa do Mundo. É a nossa forma de pressionar os governantes a atenderem ao que realmente a população reivindica. Toda e qualquer vitória só será conquistada com muita luta”, concluiu a vereadora Amanda Gurgel.

 

 

Compartilhar:
    Publicidade